031724

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. Estratégias de Lula dão sinais de esgotamento, dizem petistas

FIM DA LINHA

Estratégias de Lula dão sinais de esgotamento, dizem petistas

Dirigentes do partido afirmam que não haverá mais novidades no plano do ex-presidente, tanto no campo jurídico, quanto na esfera eleitoral

  • Brasília
  • Débora Álvares
 | Ricardo Stuckert/Instituto Lula
Ricardo Stuckert/Instituto Lula
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

"Não há mais cartas na manga". "O Lula esticou a corda demais, cedo demais. A estratégia se esgotou. Não tem mais pra onde ir". "Não haverá mais novidades, deve continuar nesse ciclo: ações, discursos, cartas". "Tanto está esgotada [a estratégia], que já houve o lançamento do [Fernando] Haddad antes do que prevíamos." 

As afirmações são de dirigentes do PT que mantêm contato com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e participam de todos os anúncios importantes do partido nos últimos tempos.

DESEJOS PARA O BRASIL: Democracia aprofundada, com uma política moralmente exemplar

Mas participam somente dos anúncios. Porque as decisões vêm sendo ditadas de dentro da sala especial da Polícia Federal em Curitiba há quatro meses. E ninguém pensa em afrontá-las, muito menos em mudar isso por um bom tempo.

O projeto de candidatura à Presidência

Nesse período, foram inúmeros pedidos à Justiça que, no fim das contas, tinham a mesma intenção de libertá-lo para dar continuidade ao projeto de candidatura à Presidência. 

LEIA TAMBÉM: Como alianças estaduais definiram a disputa pela Presidência

"Quando Lula foi preso, a primeira tentativa foi não deixá-lo sumir e, para isso, mantivemos, junto com os advogados, os pedidos de soltura, as ações, e a candidatura. Com o tempo e as decisões desfavoráveis, fomos incluindo outras ações, especialmente voltadas à militância. Mas a estratégia se esgotou antes do início da campanha e, agora, não restam mais cartas na manga", relatou um dos dirigentes petistas que conversaram com a Gazeta do Povo nos últimos dias.

Estratégia dá sinais de esgotamento

No último domingo (5), o PT confirmou Fernando Haddad como vice de Lula. Essa foi a primeira demonstração de que a estratégia formulada pelo ex-presidente alcançava um limite. "A intenção era só apresentar o Haddad no dia 15 de agosto. Todo mundo sabe disso. Lula só cedeu quando viu que poderia acabar deixando o PT sem candidatura", disse mais um petista.

Junto com Haddad, o PT se juntou ao PCdoB e colocou Manuela D'Ávila na chapa. Mas para depois. Só quando Lula decidir que não pode mesmo ser candidato, o que deve ser confirmado até o mês que vem pela Justiça Eleitoral. É essa a expectativa no meio jurídico.

LEIA TAMBÉM: Manuela interrompe ‘vaquinha’ para campanha e já fala como candidata a vice

Condenado por corrupção e lavagem de dinheiro, o líder maior do PT é inelegível pela Lei da Ficha Limpa. Porém, todo cidadão filiado a partido político têm direito de registrar sua candidatura, que depois é analisada pela Justiça Eleitoral. 

Ordem de Lula é ”não deixar o movimento morrer”

Ciente da complicação da situação, a ordem de Lula agora é "não deixar o movimento morrer". "Manifestações, redes sociais, discursos. Tudo para fazer o nome dele continuar aí", explicou um dos dirigentes.

No campo jurídico, indicam, também não há mais o que fazer. As ações apresentadas podem ser perpetuadas até o limite de recursos e pode haver outras, sem contudo, um ponto novo. "Porque não há mais. Já se esgotou toda a interpretação das leis. Pelo menos até agora", encerrou o petista próximo a Lula.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE