003844

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. Futuro presidente terá 23 mil quilômetros de problemas para resolver

RODOVIAS

Futuro presidente terá 23 mil quilômetros de problemas para resolver

Investimento atual não basta nem para manter as rodovias que já existem. E a expansão vai ficando para depois

  • Brasília
  • Flávia Pierry
Investimento em rodovbias | Daniel Castellano / Arquivo / Gazeta do Povo
Investimento em rodovbias Daniel Castellano / Arquivo / Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O estado de conservação das rodovias federais piorou neste ano: 23.467 mil quilômetros da malha rodoviária do país, ou 41% do total analisado, receberam as classificações “regular”, “ruim” ou “péssimo” em levantamento do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (DNIT). E o Brasil está longe de conseguir virar o jogo da qualidade das estradas. Os investimentos são insuficientes até para manter as rodovias existentes.

Esse será um dos desafios do próximo presidente na área de infraestrutura. Com pouco dinheiro e um orçamento apertado, ele terá de criar formas de expandir a malha e manter as rodovias que já existem. A retomada de obras paradas também será um desafio.

O levantamento do DNIT mostra que, do total de 57,3 mil quilômetros de rodovias federais, 59% receberam avaliação boa dentro do Índice de Condição da Manutenção (ICM). Do total, 18% das rodovias estão em estado regular, 10% são consideradas ruins e 13%, péssimas. No levantamento anterior, do primeiro trimestre de 2017, 67,5% das rodovias estavam em bom estado; 21%, regular; 7%, ruim; e 5%, péssimo.

LEIA TAMBÉM: Bolsonaro e Haddad propõem “remendo da Previdência” que não resolve problema

O DNIT diz que a piora na qualidade da malha rodoviária é reflexo da queda nos recursos que o Ministério dos Transportes destina ao setor, que caíram 28% em quatro anos, passando de R$ 9,66 bilhões entre 2011 e 2014 para R$ 6,97 bilhões de 2015 a 2018. Como resultado, recursos para manutenção e conservação das rodovias foram reduzidos em 22%.

Se falta dinheiro até para manter as vias existentes, a expansão acaba ficando para depois, apesar de este ser o modal que mais transporta cargas no país, com fatia de 65% do total.

As propostas dos candidatos

O plano de governo de Jair Bolsonaro (PSL) lista os problemas no setor de transportes e afirma que os investimentos devem ser aumentados. Porém, não são listadas as prioridades, apenas os problemas. Também não fica claro o modelo de financiamento, se seria através de leilões para a concessão à iniciativa privada, com pagamento de pedágios, ou mantendo grande fatia de investimentos públicos no setor.

O candidato tenta dar atenção ao assunto e colocará a infraestrutura em destaque, criando um superministério unificando as atuais estruturas do Ministério dos Transportes e do Ministério de Minas e Energia. Para comandar a pasta, especula-se que será escalado o general da reserva Oswaldo Ferreira, um especialista em construção de rodovias e que comandou operações para garantir obras em áreas de difícil acesso.

DESEJOS PARA O BRASIL: Um Estado leve e ágil, com gastos que cabem no Orçamento

Em entrevista à “Folha de S.Paulo”, Ferreira foca muito suas propostas na área de rodovias. Diz que o atual orçamento desse setor é baixo e defende a concessão de obras para a iniciativa privada.

O plano de Fernando Haddad (PT) é mais completo e fala em dar prioridade ao investimento em transportes “limpos”, como ferrovias e hidrovias. As diretrizes de um governo petista nessa área falam claramente em aumentar as parcerias com a iniciativa privada: “Expandir a parceria com o setor privado com foco no usuário, por meio de medidas como o aperfeiçoamento dos marcos regulatórios da área de transporte e do mercado privado de crédito de longo prazo, para ampliar a infraestrutura com modicidade tarifária”. 

Porém, o plano também fala em manter as estruturas de governo fortes. “Fortalecer as instituições federais para retomar as funções de planejamento e de regulação, aperfeiçoando o aparato de gestão na área de transporte que compõe o Sistema Nacional de Transporte (DNIT, VALEC, EPL etc.) e construindo um novo modelo para a INFRAERO, as Companhias de Docas e o setor aquaviário”, aponta o plano petista.

Falta investimento

O Banco Mundial aponta que a lacuna de investimento no setor de infraestrutura de transportes (incluindo outros modais) é de 1,91% do PIB do país. “O Brasil investiu menos de um terço do que seria exigido nessa área ao longo dos últimos anos, e o investimento reduziu-se a 0,54% do PIB em 2015”, aponta a entidade no estudo “De volta ao planejamento: como preencher a lacuna de infraestrutura no Brasil em tempos de austeridade”, de 2017.

Para suprir a lacuna de investimentos nesse setor, o Banco Mundial aponta a necessidade de aportes de US$ 352 bilhões em dez anos, o que demandaria um aumento de US$ 235 bilhões no nível de investimento realizado nos últimos anos. Entre 2006 e 2015, o investimento em transportes ficou próximo a US$ 118 bilhões, segundo a entidade, a preços corrigidos para valores de 2015.

DUELO DE PROPOSTAS:O que Bolsonaro e Haddad propõem para a economia

Outro problema são as obras paradas. Apenas para retomar as 173 obras de rodovias que estão inacabadas seriam necessários investimentos de R$ 8 bilhões, de acordo com levantamento divulgado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC). 

Com baixo investimento e sem a manutenção adequada sequer para manter a qualidade da malha, aumentam os custos para o setor produtivo, o que se reflete em menos negócios no Brasil e no chamado “custo Brasil”. O grupo de estudos do setor de infraesturura Projeto Infra 2038 avalia que os custos logísticos representam 11,6% do PIB no Brasil, contra 8,7% nos Estados Unidos.

Uma redução pequena no custo que os transportes têm para o setor produtivo teria grande impacto na geração de negócios. Uma redução de 1% no custo de transporte aumentaria as exportações em quase 5% para os produtos agrícolas, em 4% para a indústria e em 1% para a mineração, segundo o Infra 2038.

A situação das estradas e rodovias brasileiras também é pior do que a de outros países com o mesmo nível de desenvolvimento. Dados apresentados pela Associação Brasileira de Concessionárias de Rodovias (ABCR) creditados ao Fórum Econômico Mundial listam o Brasil na 103.ª posição em ranking de qualidade das estradas, em um grupo de 137 países analisados em 2017.

“Tais posições são incompatíveis com o tamanho da economia brasileira e, principalmente, com sua arrecadação pública”, destaca a ABCR.

Problemas e soluções

Os concessionários rodoviários listam a falta de parcerias público-privadas e privatizações no setor como um dos entraves para a expansão da malha rodoviária.

“Por que o país continua a mercê de visões corporativistas e equivocadas? Por que os programas de concessão de rodovias não são uma política permanente de estado, deixando de ser ferramenta para uso político e circunstancial de governos? O fato é que, tecnicamente, estamos regredindo em infraestrutura logística. Ou assumimos de vez que o setor privado é o parceiro para reverter esse quadro dramático, desenvolvendo rodovias mais seguras e eficientes, ou continuaremos com perdas econômicas e de vidas nas estradas deste país”, afirma a entidade, em relatório divulgado em setembro deste ano.

LEIA TAMBÉM:Lula comprou um novo sítio cinco meses depois de buscas em Atibaia

O projeto Infra 2038 lista três principais problemas para a expansão do setor de transportes: a estagnação do investimento devido a dificuldade em avançar ou finalizar o processo de concessões; a ineficiências na contratação e execução de obras, com alocação inadequada de riscos entre público e privado nos contratos de concessões ou de obras; e o uso ineficiente das rodovias, que deveriam ser substituídas por ferrovias, por exemplo, em transportes de longa distância.

Como soluções, o Infra 2038 sugere medidas que facilitem a concessão das rodovias ao setor privado.

“A revisão da lei de licitações (8.666/93) se encontra em discussão no Congresso Nacional e é imperativo que fortaleça a transparência, mas que inclua mecanismos modernos de contratação que permitam considerar não apenas o custo, mas a qualidade dos projetos e dos oferentes. No aspecto de contratos, é essencial o equilíbrio de riscos adequados especialmente os relacionados à demanda e aspectos socioambientais, nem sempre possíveis de transferir ao privado”, afirma o grupo.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>