164235

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. Lava Jato quer Gleisi fora da defesa de Lula

Lava Jato quer Gleisi fora da defesa de Lula

Força-tarefa alega que Lula transformou a Superintendência da PF em comitê de campanha e pede que Gleisi seja retirada da lista de advogados do ex-presidente

  • Kelli Kadanus
 | Albari Rosa/Gazeta do Povo
Albari Rosa/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A força-tarefa da Lava Jato pediu que a senadora e presidente do PT, Gleisi Hoffmann, seja retirada da lista de advogados que representam o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na Superintendência da Polícia Federal, em Curitiba. Segundo o Ministério Público Federal (MPF), o ex-presidente transformou a Superintendência em seu “comitê de campanha”.

Lula está preso desde abril para cumprir a pena de 12 anos e um mês de prisão na Lava Jato. A condenação em segunda instância, em janeiro deste ano, tornou Lula inelegível pela Lei Ficha Limpa. Mesmo assim, o partido vai registrar a candidatura de Lula à presidência nesta quarta-feira (15).

Ao ser incluída na lista de advogados de Lula, Gleisi passou a ter livre trânsito na Polícia Federal (PF) para visita-lo, já que essa é uma prerrogativa dos advogados do ex-presidente. As demais visitas estão restritas apenas a um dia por semana, às quintas-feiras.

LEIA TAMBÉM: Lula apresenta programa de governo oficial com 62 páginas. Veja as propostas

Além de Gleisi, também estão cadastrados como advogados o ex-prefeito de São Paulo e coordenador da campanha de Lula, Fernando Haddad; o deputado federal Waldih Damous; Emidio Pereira; e Luiz Carlos Sigmaringa Seixas.

Benefícios

No documento, assinado pela força-tarefa da Lava Jato, os procuradores lembram que a situação de Lula é diferente da maioria dos presos comuns no país. Lula está preso em uma sala especial na Superintendência da PF, com banheiro privativo e televisão. “Cabe referir que estão, em verdade, asseguradas condições que, como regra, são negadas à maioria dos demais apenados que cumprem pena em território nacional”, destacam os procuradores.

DESEJOS PARA O BRASIL: Democracia aprofundada

Os procuradores reclama, no documento, que o ex-presidente vem recebendo visitas de muitas pessoas em qualquer dia. “Parece haver, em realidade, uma aparente tentativa de ludibriar as regras fixadas para visitação do encarcerado, possibilitando assim a visita em qualquer dia, desde que o visitante seja advogado”, diz o documento do MPF.

“Sob outro aspecto, basicamente por que todas as procurações juntadas aos autos são de políticos (ainda que alguns não exerçam mandato legislativo), revelam numa análise perfunctória, que as visitas não têm por objetivo a defesa judicial do apenado, senão a de possibilitar por parte de LUIZ INÁCIO LULA DA SILVA, a condução e a intervenção no processo eleitoral de quem materialmente está inelegível, transformando o local onde cumpre pena - a sede da Polícia Federal - , em seu comitê de campanha”, diz a Lava Jato.

LEIA TAMBÉM: Marcha para registro da candidatura de Lula reúne milhares e para trânsito

Os procuradores também reclamam de uma entrevista concedida pelo ex-presidente ao jornal italiano “La República”. Segundo a Lava Jato, Lula cometeu “abuso do exercício da liberdade de expressão e comunicação” ao conceder entrevista sem autorização judicial.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>