110639

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. Paraná
  4. Eleições 2018
  5. Quem são os quatro novos suplentes do Paraná no Senado?

Perfis

Quem são os quatro novos suplentes do Paraná no Senado?

Oriovisto Guimarães (Podemos) e Flávio Arns (Rede) estão acompanhados de homens com ligações na política e na sociedade civil organizada

  • Eriksson Denk, especial para a Gazeta do Povo
Flávio Arns e Oriovisto Guimarães terão oito anos de mandato no Senado. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Flávio Arns e Oriovisto Guimarães terão oito anos de mandato no Senado. Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Paulo Salamuni (PV), Plínio Destro (PSC), Vilson Basso (Rede) e Flávio Vicente (Rede) são os novos suplentes do Senado pelo Paraná. Eles foram eleitos na esteira dos votos do Professor Oriovisto Guimarães (Podemos) e Flávio Arns (Rede), que têm mandatos até 2026, e eventualmente podem ocupar a cadeira principal em votações importantes na Casa Alta. Oriovisto e Arns deixaram para trás os ex-governadores Beto Richa (PSDB) e Roberto Requião (MDB) no último domingo (7).

Eles têm atuações destacadas nas regiões de Curitiba, Maringá e Cascavel - a cidade do Oeste conta com dois suplentes - e se alinham no otimismo com a mudança de perfil no Senado Federal. Três têm bagagens políticas destacadas no currículo e apenas Vilson Basso se aventura pela primeira vez na vida pública. Os perfis profissionais divergem: dois são empresários, um é advogado e o outro é professor universitário.

Os quatro se juntam a Severino Araújo (PSB), segundo suplente do senador Alvaro Dias (Podemos), eleito em 2014. O primeiro suplente, Joel Malucelli, empresário denunciado por corrupção passiva e fraude a licitação pelo Ministério Público do Paraná (MP-PR), pediu licença do cargo.

Dos 81 senadores eleitos nas eleições de 2010 e 2014, 41 se ausentaram em algum momento da legislatura e foram substituídos pelos suplentes. O principal motivo foi a nomeação para algum cargo no governo federal.

Paulo Salamuni

O nome mais conhecido é o de Paulo Salamuni (PV), 58, vereador em Curitiba durante sete mandatos, ex-presidente da Câmara Municipal e prefeito da cidade por dez dias. Ele também foi secretário de Desenvolvimento Social de Curitiba (1987-1988) na época em que a cidade remodelou o sistema de creches e CMEIs, ajudou a fundar o Centro Acadêmico de Direito da PUC-PR e é autor de inúmeros projetos de lei, entre eles o que implementou a TV Câmara Municipal e o que ajudou a regulamentar as licitações e contratos da administração pública.

Salamuni já foi candidato a vice-prefeito de Curitiba, deputado federal, senador e governador. Ele participou das últimas oito eleições.

O ex-vereador conheceu Oriovisto em 1978, quando o então professor começou a dar aulas em Curitiba. Voltaram a ter contato quando o agora senador eleito era reitor da Universidade Positivo, entre 1986 e 1990, e o pai de Salamuni, Riad Salamuni, reitor da Universidade Federal do Paraná (UFPR). Mas a aproximação de fato só ocorreu quando Oriovisto o convidou para assumir a primeira suplência do Senado durante as negociações das chapas, em julho deste ano.

SAIBA MAIS: Mulheres levam apenas 9 das 88 vagas disputadas no Paraná em 2018

“Ele depositou a confiança em mim, no meu currículo público, e me chamou”, afirma o ex-vereador. “A cada dois anos eu disputo uma eleição, então usei toda a experiência para ajudar também na coordenação da campanha dele ao Senado. Ele manteve a mesma postura, quando estava com zero nas pesquisas e quando apareceu com 22 pontos. É um sujeito que fez campanha de carro pelo interior do Paraná.”

Salamuni afirma que vai se pautar pelas questões ambientais, caras ao seu partido, e também pelo corte de privilégios e reformas (tributária e previdenciária).

Plínio Destro

Plínio Destro, 67, é natural de Viaduto, no Rio Grande do Sul, mas tem base política em Cascavel. Ele foi eleito para assumir a segunda suplência do Senado na chapa de Oriovisto.

Tem um pé na vida pública e outro na iniciativa privada. Ele foi vice-prefeito de Cascavel entre 1992 e 1996, época em que respondeu também pela Secretaria de Indústria e Comércio. Presidiu a Associação Comercial e Industrial da cidade (ACIC) na gestão 1990-1991 e atualmente preside o Conselho Superior da entidade. Também comandou o Futebol Clube Cascavel e passou pela Fecomércio (Federação do Comércio do Paraná) e Sindilojas (Sindicato dos Lojistas e do Comercio Varejista de Cascavel e região Oeste do Paraná) por vários anos.

A última tentativa na vida pública foi em 2008, quando foi candidato a vice-prefeito da cidade na chapa de Dr. Lísias Tomé (PSC). A dupla ficou em quinto naquele ano.

SAIBA MAIS: Paraná troca metade dos seus 30 deputados federais em Brasília

Além disso ele tem uma empresa do ramo atacadista, é produtor rural de soja, milho e culturas de inverno e tem atuação no ramo imobiliário (herança da família), com condomínios e loteamentos. “Cascavel tem a fama de ser um celeiro de pilotos de corrida e políticos. Eu me aproximei de Oriovisto pela atuação na área empresarial e ele me convidou para ser suplente”, conta.

A eleição de Oriovisto Guimarães e Ratinho Junior (PSD) teve o apoio do prefeito da cidade, Leonaldo Paranhos (PSC), ligado ao mesmo grupo político.

Vilson Basso

Vilson Basso, 50, é dono de uma empresa têxtil com foco em enxovais, cortinas e edredons. Ele começou a carreira política no PSDB, quando foi convidado para ser candidato a prefeito, mas optou pela mudança para a Rede quando começou a se aproximar de Flávio Arns por conta do trabalho na Apae de Cascavel. Esse é o primeiro ingresso político da carreira de Basso.

O primeiro suplente tem dois filhos com distrofia muscular que são cadeirantes. Eles têm 13 e 10 anos. Foi o que aproximou ele e a mulher da Apae, onde cumpriu dois mandados como presidente. Foi um dos responsáveis por implementar o método pediasuit (terapia intensiva com macacão terapêutico ortopédico para ativar a participação motora dos pacientes) no local, o que facilitou o atendimento a cerca de 450 crianças.

SAIBA MAIS: Assembleia Legislativa do Paraná fica fragmentada em 20 partidos

O trabalho o catapultou para a Federação das Apaes do Estado do Paraná, na qual Flávio Arns tem forte influência. Ele também já foi representante de Cascavel e região na Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep) e tem atuação na associação comercial local.

“O que combinei com o Flávio é de ser um interlocutor no Oeste e Sudoeste do Paraná. Vou concentrar as demandas da região. Mas o objetivo é ouvir todo o Paraná, compartilhar as sugestões”, afirma. Basso destaca que as principais bandeiras da parceria serão o fim do foro privilegiado, a readequação do pacto federativo para atrair mais investimentos para os municípios, e tributação mais simples para que as empresas invistam no Brasil.

Flávio Vicente

Flávio Vicente é professor universitário em Maringá há vinte anos. Ele dá aulas de gestão, marketing, pesquisa de mercado e metodologias. Tem graduação e mestrado em Administração e uma segunda graduação em assistência social. No aspecto pessoal, também foi microempresário da área da comunicação externa, membro da Associação dos Profissionais de Propaganda do Paraná (APP) e presidente do Rotary Clube da cidade.

No plano político, passou por três partidos (PPS, PSDB e Rede) e conquistou cadeiras no Legislativo municipal com os dois últimos. Em 2012 se tornou o primeiro vereador da Rede eleito no Paraná.

Vicente começou a carreira política em 2004 como candidato a vereador pelo PPS. Dois anos depois tentou uma vaga de deputado federal, mas fez 8.972 votos e não foi eleito. Logo em seguida migrou para o PSDB e foi eleito vereador, em 2008. Em 2010 tentou uma vaga na Assembleia Legislativa do Paraná, mas não conseguiu. Em 2012 foi eleito novamente vereador e em 2016 tentou a prefeitura, mas ficou em quinto nas eleições conquistadas por Ulisses Maia (PDT).

SAIBA MAIS: Ratinho Junior venceu a disputa pelo governo em 95,7% das cidades do Paraná

Nesse tempo passou pelas secretarias de Indústria Comércio e Turismo (2005-2006) e de Assistência Social e Cidadania de Maringá (2013-2014), quando se aproximou de Flávio Arns com mais intensidade, até ser lembrado para uma vaga na segunda suplência.

“A ideia do senador é ter interlocução regional no Norte, aproximar o mandato das demandas locais. Tenho um contato muito grande com empresas do terceiro setor. Ele também pediu atenção para políticas do idoso, criança e adolescente, e comunidades terapêuticas. E pela minha interlocução com o setor produtivo tentar aproximar conceitos de inovação, tecnologia, e política econômica”, destaca.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>