225350

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. Paraná
  4. Eleições 2018
  5. Senadores eleitos, Arns e Oriovisto defendem reformas e apontam erros do PT

eleições 2018

Senadores eleitos, Arns e Oriovisto defendem reformas e apontam erros do PT

“Azarões”, Professor Oriovisto Guimarães e Flavio Arns falaram sobre expectativas e planos para os próximos oito anos nos estúdios da Gazeta do Povo

  • Erick Mota
Flavio Arns (Rede) e Professor Oriovisto Guimarães (Podemos) foram entrevistados juntos na Gazeta do Povo. | Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
Flavio Arns (Rede) e Professor Oriovisto Guimarães (Podemos) foram entrevistados juntos na Gazeta do Povo. Marcelo Andrade/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

A eleição para o Senado no Paraná teve uma grande surpresa. Ao contrário do que apontavam as pesquisas de intenção de voto, Roberto Requião (MDB) não foi eleito. As duas vagas do Paraná no Senado ficaram com Professor Oriovisto Guimarães (Podemos), que recebeu 29,17% dos votos válidos, e Flavio Arns (Rede), com 23% dos votos.

Para entender quais são as expectativas e os planos dos dois novos senadores do estado, o programa Fato do Dia recebeu Oriovisto Guimarães e Flavio Arns nesta quarta-feira (10), nos estúdios da Gazeta do Povo. Ao longo da conversa, ambos enfatizaram a expectativa de construir uma bancada unida no Senado Federal. “Nós estaremos lá representando o povo do Paraná, não para discutir ideologia ou para que o povo nos assista perdendo nosso tempo em brigas políticas”, disse Oriovisto.

Entre as bandeiras que ambos devem levar a Brasília estão reformas no sistema tributário, na previdência e na política. “Precisamos rever o pacto federativo e a distribuição dos tributos. Os prefeitos do país andam com o pires na mão. É aí que começam os precedentes da má política”, afirmou Arns.

SAIBA MAIS: Eleições - mulheres levam apenas 9 das 88 vagas disputadas no Paraná

Falando sobre o segundo turno das eleições presidenciais, ambos se colocaram contra o Partido dos Trabalhadores (PT) – mesmo sem defender abertamente a candidatura de Jair Bolsonaro (PSL). “O meu candidato era o Álvaro Dias (Pode). Gostaria que houvesse alguém mais conciliador no segundo turno. O voto é secreto, mas eu não vou anular meu voto nem votar no PT, que teve a chance de mostrar a que veio e frustrou a esperança dos brasileiros”, afirmou Oriovisto.

Já Arns afirmou que não fará “propaganda de um ou de outro”, mas destacou bandeiras que considera importantes: a defesa da vida, a valorização da família e o combate à corrupção. “Na outra eleição fui eleito pelo PT, mas a cúpula acabou com a ética e os valores do partido. Respeito muito o que as pessoas pensam, mas essas bandeiras são extremamente caras a mim”, disse.

LEIA MAIS: Famílias Richa e Hauly falham nas urnas, mas Paraná segue elegendo herdeiros

Veja como foi a entrevista completa:

Debates e sabatinas durante a campanha

Os novos senadores estiveram na Gazeta recentemente na série de debates com os oito principais postulantes ao cargo. Na ocasião, Flavio Arns debateu com o ex-governador do Paraná Beto Richa (PSDB), que ficou em sexto lugar na disputa ao Senado.

Oriovisto debateu com Alex Canziani (PTB), que ficou em quarto lugar na disputa e não foi eleito.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>