032710

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. PT quer mostrar união em anúncio de substituição de Lula por Haddad

ELEIÇÃO

PT quer mostrar união em anúncio de substituição de Lula por Haddad

Partido cumprirá decisão judicial e vai anunciar nesta tarde a troca da chapa

  • Brasília e Curitiba
  • Débora Álvares e Carolina Werneck
 | Cláudio Kbene
Instituto Lula
Cláudio Kbene Instituto Lula
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O PT anunciará na tarde desta terça-feira (11), como determinado pela Justiça Eleitoral, a substituição do ex-presidente Lula por seu afilhado político Fernando Haddad na chapa presidencial da legenda, que será composta, ainda, por Manuela D'Ávila (PCdoB) na vaga de vice.

A decisão foi aprovada por unanimidade pela cúpula do partido, em reunião da executiva nacional realizada em Curitiba. O PT já anunciou que fará um “tuitaço” com a hashtag #HaddadÉLula às 15h13 desta terça.

A troca é uma carta marcada da eleição deste ano. Faltava apenas saber quando seria distribuída. Para isso, a Justiça delimitou um prazo. Mas Lula não queria deixar o espaço. Por fim, decidiu-se que o anúncio oficial à militância será feito em frente à Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, onde o ex-presidente está preso. Mais um ato simbólico.

LEIA TAMBÉM: Haddad cresce e acirra disputa por vaga no 2º turno contra Bolsonaro, diz Datafolha

Emblemática também será a disposição no palco. Haddad e Manuela estarão ladeados por líderes petistas para mostrar ao público a união do partido e a força interna.

A presidente do partido, senadora Gleisi Hoffmann, vai discursar. Vai exaltar Haddad, lembrar o período em que ele esteve à frente do Ministério da Educação, nos governos Lula e Dilma Rousseff. Mencionar aumento no número de creches, mas esconder o escândalo das fraudes no Enem que ocorreram no período em que o petista esteve na pasta. O mesmo deve fazer Dilma.

Apesar do discurso e da aparência de união, o clima no PT não é exatamente esse. Antes mesmo de o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) barrar a candidatura de Lula, já havia uma divisão entre aliados de Haddad e a “turma da Gleisi”. Também o PCdoB entrou na briga, ao lado de Haddad.

LEIA TAMBÉM: Prisão de Lula e Beto Richa, ‘República de Curitiba’ une a ruína de PT e PSDB

Gleisi defende a manutenção de Lula enquanto possível, até mesmo levando o nome dele às urnas, mesmo com o ex-presidente inelegível pela Lei da Ficha Limpa, emendando recurso atrás de recurso, enfrentando barreiras judiciais. Ela acredita que Lula, o maior líder do partido, seu maior puxador de votos, precisa se manter à frente do processo eleitoral, mesmo sem ser eleito. E que, assim, o PT poderá manter por mais algum tempo o discurso de "perseguição política".

Haddad, embora conhecido no eixo Sul-Sudeste, não é reconhecido no resto do país e precisa de tempo para isso. Portanto, gostaria de assumir logo a cabeça da chapa. O mesmo vale para Manuela D'Ávila, que é deputada estadual no Rio Grande do Sul.

Na segunda-feira, em conversa com Haddad, o ex-presidente escreveu duas cartas. Uma delas foi lida em evento no mesmo dia, em São Paulo, ao qual o ex-prefeito acabou não indo, a pedido de Lula. Foi representado por sua esposa, Ana Estella.

Na ocasião, Manuela D’Ávila falou em nome da chapa. Nesse recado, o ex-presidente já deu início a um tom de transição e disse: “Minha voz é a voz de Fernando Haddad e de todos os companheiros, em nossa jornada destemida para resgatar a dignidade nacional em todos os rincões do país”. 

Executiva do PT se reúne em Curitiba para cuidar dos últimos detalhes

Foi nesse clima que começou a reunião da Comissão Executiva do Partido dos Trabalhadores, por volta de 12 horas desta terça, no hotel Del Rey, no Centro de Curitiba. O encontro foi marcado para comunicar aos demais líderes dos partidos os detalhes que Haddad acertou na segunda e na manhã desta terça, quando esteve com Lula na PF.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2018/09/11/Republica/Imagens/Cortadas/haddad - Carol Werneck-kWlG-U2038318339130sC-1024x576@GP-Web.jpg
Fernando Haddad, na chegada ao hotel Del Rey, onde se reúne a Executiva do PT: substituição na chapa petista deve ser anunciada na tarde desta terça.Carolina Werneck/Gazeta do Povo

Nesta terça, o ex-prefeito saiu de lá diretamente para a reunião da Executiva, onde chegou às 12h30. Estava acompanhado da esposa e de outros apoiadores, mas não conversou com a imprensa.

A ex-presidente Dilma Rousseff chegou ao hotel por volta das 11h40. Tranquila, disse que é “uma pessoa que acha que nós temos que resistir até o fim” e que “o presidente Lula representa um projeto”. No 16.º andar do prédio já estava a presidente nacional do PT, Gleisi Hoffmann, além de outros nomes importantes legenda.

Lula não queria Haddad

A carta que será lida nesta terça foi um pedido, quase uma exigência, de Haddad, que não queria se colocar no lugar de Lula sem um aval público – e para o público – do padrinho político. Haddad nunca foi a primeira opção de Lula.

Ele foi feito por Lula. Eleito prefeito de São Paulo em 2012 a seu primeiro e único cargo eletivo até o momento, Haddad foi derrotado de forma acachapante em 2016 pelo novato João Doria (PSDB) após uma gestão mal avaliada na capital paulista. É professoral nos discursos e não tem o carisma do ex-presidente, que o acudia no palanque quando ele perdia a mão e a militância, o ânimo. Agora, Lula não está a seu lado.

LEIA TAMBÉM: Sem votos para Haddad e pró-Bolsonaro: um retrato eleitoral da capital da Lava Jato

Apesar da resistência, o ex-presidente é precavido, político experiente e ciente de sua situação jurídica – apesar do discurso público. Deixou algumas mensagens de apoio gravadas ao ex-prefeito antes mesmo de ser preso, nas carretas que vinha fazendo e no Sindicato dos Metalúrgicos em São Bernardo do Campo, no fim de semana em que se entregou à PF.

Mas Lula não vê em Haddad potencial para vencer o pleito. Diz isso a seus advogados e aliados que o visitam. Embora, claro, estimule o afilhado a fazer campanha.

Quem conhece Lula há muito tempo afirma, contudo, que algo parece se sobrepor a tudo isso: o ego do ex-presidente. Acostumado a ser o centro das atenções no PT, que se fez em torno dele, o líder partidário não quer ter o protagonismo reduzido. Preso, já sofreu um baque político grande e teme ser limado politicamente de vez. 

Porém, não teve escolha. 

Justiça 

Toda candidatura é analisada na Justiça Eleitoral e com Lula não foi diferente. Condenado em segunda instância por corrupção e lavagem de dinheiro, ele está inelegível de acordo com a Lei da Ficha Limpa. Provocada pelo PT, a ONU disse que o ex-presidente deveria exercer os direitos de candidato. Porém, o TSE decidiu, na madrugada de 1.º de setembro, barrá-lo. 

Como consequência, a chapa petista precisa ser substituída. Além disso, o PT precisou mudar seus programas no horário eleitoral, não fazendo referência a Lula como candidato e tomando o cuidado de só mencioná-lo em 25% do tempo. 

Na parte burocrática, o PT vai precisar reinscrever eletronicamente a chapa no sistema do TSE e apresentar novos documentos no protocolo até as 19 horas de hoje. Haverá uma nova rodada de análise pelos ministros em sessão ainda a ser marcada. A ideia, no TSE, é finalizar todas as análises até a próxima segunda (17). 

Embora Lula vá deixar a chapa oficialmente, a defesa do líder petista ainda recorre na Justiça em variadas frentes para tentar fazê-lo concorrer. No PT, não se tem mais esperança de que isso seja possível. Quem conversou recentemente com o ex-presidente diz que ele próprio não acredita nessa possibilidade – mas precisa mostrar que tentou até o fim.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>