125718

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. Quem são os gurus de economia dos presidenciáveis e como eles podem mexer no seu bolso

eleições 2018

Quem são os gurus de economia dos presidenciáveis e como eles podem mexer no seu bolso

A economia costuma decidir a disputa pela Presidência. Por isso os conselheiros econômicos dos candidatos são tão importantes: o que eles pensam pode afetar a vida de todo mundo

  • Fernando Martins
 |
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Liberais versus desenvolvimentistas. Estado mais enxuto e menos gastador contra Estado forte, interventor e possivelmente mais gastador. Menos impostos (e mais dinheiro no bolso) ou mais tributos (e mais serviços públicos). Direita versus esquerda.

Com algumas variações, essa é a briga que vai dar o tom da campanha presidencial do ano que vem. E, como é a economia que costuma decidir uma eleição para presidente, os conselheiros dessa área por trás dos candidatos ao Planalto têm de tudo para serem as grandes eminências pardas da disputa eleitoral de 2018. Afinal, são eles que vão definir as propostas que, se implantadas pelo vencedor, afetarão o bolso do cidadão.

A Gazeta do Povo elaborou uma lista de quais são os “cabeças pensantes” em economia dos principais pré-candidatos a presidente – ao menos daqueles que já têm os seus assessores de política econômica. E, principalmente, o que eles já fizerem e no que acreditam.

Lula (PT)

O ex-presidente Lula tem vários conselheiros em economia. A maioria deles ocupou cargos de destaque nos governos do PT: Nelson Barbosa (ex-ministro da Fazenda), Marcio Pochmann (ex-presidente do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Ipea), Luciano Coutinho (ex-presidente do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social, BNDES), Guido Mantega (ex-ministro da Fazenda), Aloízio Mercadante (ex-ministro). O ex-presidente do Palmeiras e professor da Unicamp Luiz Gonzaga Belluzzo é uma exceção na lista: não integrou o primeiro escalão nas gestões petistas.

Com algumas variações de pensamento, esses economistas são da linha desenvolvimentista – que defende a intervenção do Estado na economia para garantir o desenvolvimento do país, seja pela participação direta (por meio de estatais) ou indireta (estímulos à iniciativa privada).

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Futuro/economistas PT.jpg
Os economistas do PT (a partir do alto à esquerda, no sentido horário): Nelson Barbosa. Marcio Pochmann, Luiz Gonzaga Belluzzo, Guido Mantega, Aloizio Mercadante e Luciano Coutinho.

Lula, ao mesmo tempo em que critica as reformas do presidente Michel Temer e o ajuste fiscal, tem encampado esse discurso. Afirma que a expansão do crédito público à população vai aumentar o consumo das famílias e, assim, estimular a economia. Para ele, quando isso ocorrer, a arrecadação do Estado cresce e os problemas fiscais do governo federal serão resolvidos. O governo, segundo Lula, também tem de fazer investimentos em obras públicas para dinamizar a economia.

Essa política econômica funcionou para evitar que o país fosse afetado mais duramente pela crise internacional de 2008. Mas o modelo se exauriu nos anos seguintes e, no governo Dilma, não proporcionou crescimento – além de aumentar o rombo das contas públicas.

FIQUE POR DENTRO: Todas as notícias sobre Lula reunidas em um único local

Voltar ao topo

Jair Bolsonaro (PEN/Patriota)

O deputado federal Jair Bolsonaro, nas votações de projetos na Câmara, costumava ter um posicionamento desenvolvimentista e nacionalista na economia – alinhando-se à política econômica da ditadura militar, do segundo mandato de Lula e da gestão Dilma. Porém, nos últimos tempos ele vem assumindo um discurso liberal, a favor de um Estado mais enxuto e menos interventor na economia. Bolsonaro recentemente defendeu a privatização da Petrobras, por exemplo.

O liberalismo econômico é a linha defendida pelo conselheiro de Bolsonaro para assuntos econômicos: Adolfo Sachsida, pesquisador do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). Sachsida comandou o braço de Brasília do Movimento Brasil Livre (MBL) – que se autodefine como uma organização que luta pelo causa liberal.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Futuro/Sachsida.jpg
Adolfo Sachsida: o liberal que aconselha o candidato que tinha tendê ncia desenvolvimentista.

O economista diz estar aconselhando Bolsonaro a propor a revisão de políticas públicas de subsídios governamentais a determinados setores da economia. Ele também defende o controle das contas públicas. Segundo Sachsida, somente assim será possível fortalecer políticas sociais como o programa Bolsa Família.

Sachsida também afirma ter orientado Bolsonaro, caso eleito, a manter parte da equipe econômica do presidente Michel Temer. O conselheiro do deputado é um defensor da independência do Banco Central.

Pelo DEM, partido de direita, Sachsida tentou ser deputado distrital em Brasília em 2014. Não se elegeu.

CONTEÚDO EXTRA: Quer saber o que Bolsonaro anda fazendo para virar presidente? Acesse aqui

Voltar ao topo

Marina Silva (Rede)

O professor do Insper Eduardo Giannetti é o principal conselheiro econômico de Marina Silva desde a primeira vez que ela concorreu à Presidência, em 2010.

No cenário dos “gurus” econômicos dos presidenciáveis de 2018, Gianetti é um dos que tem tido as propostas mais originais: em alguns aspectos, suas ideias se aproximam do liberalismo; em outros; está mais próximo da esquerda. Gianetti diz, por exemplo, que o Brasil vive uma situação paradoxal em que precisa de menos Estado em alguns setores e mais Estado em outros.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Vivo/forum economia 007 albari rosa.JPG
Eduardo Gianetti: mais Estado e menos Estado ao mesmo tempo.

Gianetti costuma elogiar a política econômica do primeiro mandato do ex-presidente Lula, que deu continuidade ao modelo implantado por FHC. Mas critica o desenvolvimentismo adotado pelo petista em seu segundo mandato e também por Dilma Rousseff posteriormente. Atualmente, aprova a gestão econômica de Temer, mas não sua postura política.

ACOMPANHE: Cada passo eleitoral de Marina Silva para a campanha de 2018

O economista é contra o pacote de privatizações de Temer. Para ele, o Estado não deveria vender seu patrimônio para cobrir o rombo fiscal (como tenta Temer), mas sim dentro de um plano maior para dar eficiência à economia. Por outro lado, Gianetti defendeu a criação de um teto de gastos para o setor público (posição divergente inclusive da de Marina Silva). Ele também diz que é necessário haver uma reforma da Previdência e do sistema tributário – agenda que coincide com a de Temer.

Mas as mudanças tributárias, para Gianetti, teriam de vir juntas de outra reforma mais ampla: a do modelo federativo. Para o economista, é preciso que o país descentralize a arrecadação tributária. “Meu lema hoje é menos Brasília e mais Brasil. Não vejo por que o dinheiro público precisa ir até Brasília e depois voltar para os estados. Ele deveria ser gasto o mais próximo possível de onde é arrecadado. O cidadão mora no município, precisamos dar poder aos governos locais”, disse recentemente numa entrevista.

Voltar ao topo

Luciano Huck (sem partido)

Ex-presidente do Banco Central no segundo mandato de FHC, Armínio Fraga tem se reunido com Luciano Huck para dar-lhe conselhos econômicos. É tido como um economista da linha liberal – o que tem feito com que o apresentador de tevê seja visto pelo mercado como um nome “aceitável”.

Fraga defende o chamado tripé macroeconômico: câmbio flutuante, meta de inflação e superávit primário. Apesar de ser visto como um economista de direita, o ex-presidente do BC já disse ser contra a privatização da Petrobras, por exemplo.

VEJA TAMBÉM: Todas as articulações para Luciano Huck virar presidente e outras notícias sobre ele

Na última eleição presidencial, Fraga foi conselheiro econômico do candidato do PSDB, Aécio Neves. Se o tucano tivesse sido eleito, ele seria o ministro da Fazenda.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Cortadas/Aécio Neves, reuniu-se com o ex-presidente do Banco Central, Arminio Fraga-kH0F-U202717679550CWC-1024x683@GP-Web.jpg
Armínio Fraga: liberal é o conselheiro de Luciano Huck.

Voltar ao topo

Geraldo Alckmin (PSDB)

Um dos idealizadores do Plano Real, o ex-presidente do Banco Central e ex-presidente do BNDES Persio Arida é hoje o principal conselheiro econômico do governador paulista Geraldo Alckmin.

Durante os governos Itamar Franco FHC, ajudou a implantar a política de privatizações de estatais, o modelo de austeridade nos gastos públicos e de juros elevados para conter a inflação.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Vivo/129291.jpg
Persio Arida: um dos idealizadores do Plano Real está com Alckmin.

Na política cambial, não permitiu a livre flutuação da taxa de câmbio, mas também não promoveu o total controle estatal. Foi o criador das chamadas “bandas” de variação máxima e mínima do dólar – em que a moeda estrangeira podia variar dentro de limites estabelecidos previamente pelo BC.

Além de Persio Arida, Geraldo Alckmin citou recentemente outros nomes de economistas com quem costuma conversar: Armínio Fraga, José Roberto Mendonça de Barros, Eduardo Giannetti e Mônica de Bolle.

LEIA MAIS: Todas as notícias sobre a candidatura de Geraldo Alckmin

Voltar ao topo

João Doria (PSDB)

O prefeito de São Paulo, João Doria, costuma ouvir com frequência a economista Ana Carla Abrão Costa. Ela foi secretária de Fazenda de Goiás (no governo do tucano Marconi Perillo). E é mulher de Persio Arida – que, por sua vez, tem aconselhado o governador Geraldo Alckmin.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Cortadas/Ana Carla-kH0F-U202717679550QGG-1024x682@GP-Web.jpg
Ana Carla Abrão Costa: privatizações e contenção de gastos.

Como secretária de Goiás, conduziu um programa de privatização e de parcerias público-privadas – que também faz parte do programa de gestão de Doria na prefeitura. Ela considera que o Estado é mau empresário e diz que uma estrutura estatal menor é a única forma de ser mais eficiente. No governo de Goiás, também adotou um severo ajuste fiscal.

E MAIS: Tudo o que João Doria está fazendo na sua pré-candidatura a presidente

Voltar ao topo

Ciro Gomes (PDT)

Dois intelectuais fazem a cabeça do ex-governador do Ceará Ciro Gomes: o economista Luiz Carlos Bresser Pereira e o filósofo Mangabeira Unger.

Bresser, que já teve cargos de ministro nos governos de José Sarney e de Fernando Henrique Cardoso, é da linha desenvolvimentista. E costuma criticar o liberalismo.

Em junho, o economista lançou o Manifesto Brasil Nação – um plano econômico, segundo eles, para que o país “volte a ser grande”. O programa inclui cinco pontos: responsabilidade fiscal (sem o que ele chama de “populismo neoliberal”, como o teto de gastos públicos); câmbio favorável para que as empresas brasileiras sejam mais competitivas no mercado internacional (o que implica alguma intervenção na cotação do dólar); redução da taxa de juros (sugerindo outra intervenção); investimento estatal para infraestrutura; e distribuição da renda mais justa (com tributação progressiva sobre a renda e investimentos pesados em educação e saúda). Ciro apoiou o manifesto de Bresser.

Outro intelectual que faz a cabeça de Ciro, já há mais tempo, é Mangabeira Unger, professor de Harvard. Mangabeira é crítico do modelo de estímulo da economia por meio do consumo das famílias – adotado nos governos do PT – e também do modelo de austeridade fiscal (de Temer).

VEJA TAMBÉM: O que diz, o que pensa, o que está fazendo Ciro Gomes para virar presidente

O filósofo afirma que é preciso ter um projeto com foco na produção e no trabalho. Diz ser necessário um Estado forte que qualifique a mão de obras (sobretudo das pequenas e médias empresas), estimule os pequenos empreendedores e proteja os 40% dos trabalhadores que estão na economia informal.

Segundo Mangabeira, a esquerda não pode ser adversária da “pequena burguesia”, mas sua aliada. E, na opinião dele, essa aliança com os pequenos produtores vai levar o país a um desenvolvimento econômico e social mais satisfatório.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Vivo/7627106.jpg
Magabeira Unger: filósofo aconselha Ciro na economia.

Voltar ao topo

João Amoêdo (Novo)

Um dos idealizadores do Plano Real, o ex-presidente do Banco Central Gustavo Franco foi filiado ao PSDB por 28 anos. Mas quem “ganhou” seu passe para 2018 foi o pré-candidato do Partido Novo à Presidência, João Amoêdo, de quem é hoje o principal conselheiro econômico.

“Nos últimos anos os horizontes se ampliaram extraordinariamente para as ideias pró-mercado e para novas abordagens sobre o desenvolvimento tendo como base o indivíduo, o progresso pessoal e a liberdade para empreender”, disse Franco ao deixar o ninho tucano e ingressar no Novo.

SAIBA MAIS: Quem é João Amoêdo? Todas as notícias sobre o candidato do Novo

Gustavo Franco – bem como o Novo, partido ao qual se filiou – é liberal. O economista defende a “simplificação do Estado”, as reformas previdenciária e trabalhista, a abertura maior do país para o capital estrangeiro, a venda de estatais e o uso do dinheiro arrecadado para reduzir a dívida pública.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Vivo/10906725.jpg
Gustavo Franco saiu do PSDB e se filiou ao Novo.

Voltar ao topo

Henrique Meirelles (PSD)

Atual ministro da Fazenda e ex-presidente do Banco Central no governo Lula, Henrique Meirelles pode se dar ao luxo de dispensar um conselheiro econômico. Afinal, ele próprio estabeleceu a política econômica durante duas gestões distintas.

Embora tenha sido presidente do BC durante um governo do PT, Meirelles adotou uma política considerada liberal, baseada no controle da inflação por meio do chamado tripé macroeconômico: meta inflacionária, câmbio flutuante e superávit primário (obtido por meio da contenção de despesas).

Atualmente, é um dos principais defensores da política de corte de gastos do governo Temer e das reformas trabalhista e da Previdência.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Vivo/Henrique Meirelles (2).jpg
Henrique Meirelles dispensa um “guru” econômico.

SAIBA MAIS: Henrique Meirelles vai ser mesmo candidato a presidente? Acompanhe todas as notícias sobre ele

Voltar ao topo

Paulo Rabello de Castro (PSC)

O economista Paulo Rabello de Castro, assim como Henrique Meirelles, tende a não ter um conselheiro econômico porque ele próprio tem capacidade de elaborar sua própria política para o setor.

Atual presidente do BNDES e ex-presidente do IBGE, Rabello de Castro estudou na meca do liberalismo: a Universidade de Chicago (EUA), onde teve aula com um dos papas dessa linha de pensamento econômico, o Nobel Milton Friedman.

/ra/pequena/Pub/GP/p4/2017/11/26/Republica/Imagens/Vivo/1079144-fernfraz_abr_20170601__dsc4831-632.jpg
Rabello de Castro estudou na meca do pensamento liberaç.

Embora comande um banco de desenvolvimento que faz empréstimos a empresas privadas com juros subsidiados pelo Estado, já afirmou que o país precisa “praticar o exercício do desapego ao subsídio”. Apesar disso, em recente encontro de seu partido, defendeu a facilitação do acesso ao crédito para os pequenos e médios empresários.

Rabello de Castro também foi coordenador do Movimento Brasil Eficiente, que propõe a simplificação tributária e mais eficiência no gasto público.

Voltar ao topo

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>