Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. Um dia antes de aceitar ministério, Moro bateu boca com advogado de Eduardo Cunha

trabalho

Um dia antes de aceitar ministério, Moro bateu boca com advogado de Eduardo Cunha

Juiz federal ainda pediu de volta ação de Guido Mantega, ex-ministro de Lula e de Dilma. Ex-presidente também tem interrogatório marcado

  • Folhapress
Juiz Federal Sergio Moro: antes de aceitar ser ministro da Justiça, rotina incluiu interrogatório de Eduardo Cunha e pedido de ação contra Mantega. | MAURO PIMENTEL/AFP
Juiz Federal Sergio Moro: antes de aceitar ser ministro da Justiça, rotina incluiu interrogatório de Eduardo Cunha e pedido de ação contra Mantega. MAURO PIMENTEL/AFP
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Antes do anúncio de que seria ministro da Justiça de Jair Bolsonaro (PSL), o juiz Sergio Moro despachou normalmente na 13ª Vara Federal. Ele ouviu o ex-deputado Eduardo Cunha, um dos presos mais célebres da Lava Jato, e rejeitou pedido de réus em um processo que tem o ex-presidente Lula como o principal acusado.

O interrogatório de Cunha ocorreu nesta quarta (31), em ação penal em que o ex-presidente da Câmara dos Deputados é acusado de receber propina em contratos da Petrobras. O ex-deputado do MDB está preso há dois anos.

Na audiência, o juiz chegou a bater boca com um advogado de defesa que pedia o adiamento do interrogatório. “Em um processo que tem mais de dois anos, quase três anos de trâmite, a defesa argumentar que não teve tempo de conversar com o cliente é um total disparate”, disse Moro.

Na terça-feira (30), Moro havia dito que estava honrado com convite feito por Bolsonaro para o Ministério da Justiça e manifestou a intenção de conversar com o presidente eleito a respeito.

Interrogatório de Lula

Um dia antes, na segunda (29), ele deu sua decisão mais recente em um processo envolvendo o ex-presidente Lula. Na ação sobre o sítio de Atibaia (SP) usado pelo ex-presidente, Moro rejeitou pedido do pecuarista José Carlos Bumlai para ser interrogado por videoconferência, no próximo dia 14, e autorizou viagem ao exterior de Roberto Teixeira, réu e compadre do petista.

Lula tem interrogatório marcado para o próximo dia 14 nessa ação penal. Além desse processo, é réu em ação em estágio muito mais avançado, sobre suposta propina da Odebrecht na compra de um terreno para o Instituto Lula.

Coincidentemente, o prazo para a entrega das alegações finais das defesas nesse caso se encerrou nesta quarta. Ainda assim, os advogados de Lula conseguiram incluir entre os argumentos para a absolvição a aproximação entre o juiz e o presidente eleito.

VEJA TAMBÉM:Após Moro ministro, defesa de Lula prepara habeas corpus com base em “parcialidade”

A entrega das alegações finais é o último passo do processo antes da sentença. A última manifestação de Moro nesse caso havia sido no dia 1º de outubro, seis dias antes do primeiro turno da eleição, quando o juiz tornou públicos trechos da delação do ex-ministro Antonio Palocci.

A iniciativa à época despertou muitas críticas do PT pela proximidade com a votação e seu eventual impacto eleitoral. Moro, na ocasião, argumentou que a publicidade era necessária para garantir a ampla defesa de todos os acusados. Como o depoimento poderia ser usado para embasar a sentença, seria preciso informar seu conteúdo a todas as defesas.

Sondagem

A primeira sondagem a Moro foi feita pelo futuro ministro da Economia de Bolsonaro, Paulo Guedes, ainda durante a campanha. Ao longo do mês de outubro, o trabalho seguiu normalmente na Vara Federal responsável pela Lava Jato.

Moro, por exemplo, mandou soltar no último dia 22 o engenheiro Sérgio Boccaletti, suspeito de ser operador financeiro e que estava preso desde maio.

Também pediu ao ministro do Supremo Dias Toffoli, na última segunda-feira (29), que fosse devolvido ao seu comando uma ação em que é réu o ex-ministro Guido Mantega.

Guido Mantega

Na fila de julgamentos da Lava Jato no Paraná, Mantega é o principal alvo que ainda não tem condenação nem está preso. Toffoli havia interrompido a tramitação desse caso em setembro.

Ainda em outubro, Moro pediu à defesa do ex-deputado e réu Candido Vaccarezza (do partido Avante) mais informações para a convocação da ex-presidente Dilma Rousseff como testemunha defesa em um processo.

Há cerca de 30 ações penais relacionadas à Lava Jato em andamento no Paraná, além de outras relacionadas que foram desmembradas ou que estão com trâmite suspenso.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE