Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Política
  3. República
  4. Eleições 2018
  5. ‘Vão usar todas as armas para me desconstruir’, diz Bolsonaro em sabatina de apoiadores

ELEIÇÕES 2018   

‘Vão usar todas as armas para me desconstruir’, diz Bolsonaro em sabatina de apoiadores

Deputado havia confirmado participação em sabatina na Globonews nesta quinta-feira (2), mas disse que não poderia comparecer e remarcou para esta sexta (3). Presidenciável foi sabatinado por apoiadores em um programa no YouTube  

  •     
  • Kelli Kadanus, com Estadão Conteúdo         
  •     
     |     MIGUEL SCHINCARIOL     /     AFP   
         MIGUEL SCHINCARIOL /     AFP   
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O deputado federal Jair Bolsonaro (PSL) foi sabatinado por influenciadores digitais e apoiadores de sua campanha nesta quinta-feira (2), em entrevista transmitida pelo YouTube. Inicialmente, Bolsonaro daria entrevista no programa Central das Eleições, da Globonews, no mesmo horário, mas pediu para trocar a data. O candidato confirmou, no fim da sabatina, que falará à Globonews nesta sexta (3).

“Vão usar todas as armas possíveis para me desconstruir”, disse o capitão da reserva. Segundo ele, o sorteio para a ordem das participações no programa foi manipulado para que Bolsonaro fosse entrevistado antes de Geraldo Alckmin (PSDB), motivo pelo qual o deputado desistiu de comparecer na quinta ao programa da Globonews.

Durante a sabatina, que durou cerca de duas horas e meia, Bolsonaro não enfrentou críticas dos entrevistadores e não foi colocado em situações delicadas. O fato não passou despercebido. “Isso parece um bate papo, não uma entrevista”, disse um internauta que acompanhava a sabatina pelo YouTube.

O deputado federal voltou a defender a ditadura militar e o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, chefe da unidade que foi palco de prisões e torturas de presos políticos, entre 1970 e 1974. “É um herói nacional”, defendeu o capitão da reserva. “Por que nos atacam? Porque nós das Forças Armadas somos o último obstáculo para o socialismo”, disse Bolsonaro. 

A transmissão precisou ser encerrada logo no início da sabatina, por causa de problemas técnicos. Já na primeira parte da entrevista, Bolsonaro começou falando de segurança pública, defendendo o excludente de ilicitude para policiais militares que matarem alguém enquanto estiverem em serviço. O candidato já havia falado nesse assunto em entrevista ao Roda Viva, na segunda-feira (30)

Política

Bolsonaro admitiu a dificuldade em encontrar um vice para a chapa, mas garantiu que a questão deve ser solucionada até a convenção estadual do PSL em São Paulo. Ele admitiu que a possibilidade de ter a advogada Janaína Paschoal (PSL), autora do pedido de impeachment de Dilma Rousseff (PT), como vice é “mais remota”. Ele alegou problemas familiares de Janaína para não aceitar a vaga. 

Outros dois cotados para a vaga, segundo Bolsonaro, são o príncipe Luiz Philippe Orleans de Bragança, membro da família imperial brasileira, e o general Hamilton Mourão (PRTB). 

Em mais de uma oportunidade, o deputado admitiu a necessidade de trabalhar em conjunto com o Congresso, caso eleito. Por isso, fez um apelo para que seu eleitor escolha parlamentares alinhados ideologicamente com ele. Segundo Bolsonaro, não adianta votar nele para presidente e em “um cara do PSOL” para a Câmara. 

“Se o parlamento aprovar o aborto um dia, a minha caneta vai vetar. Mas se o Parlamento derrubar o veto, eu não posso fazer nada”, disse, pedindo novamente que os eleitores escolham deputados alinhados com as posições de Bolsonaro. 

Bolsonaro também aproveitou a sabatina para voltar a fazer críticas ao centrão, conjunto de partidos formado por DEM, PP, PR, PRB e Solidariedade, que resolveu apoiar a candidatura do tucano Geraldo Alckmin. O deputado federal afirmou aos entrevistadores que há um “grande acordo” entre PT e PSDB: “Um compromisso com um indulto”. O próprio Bolsonaro chegou a tentar uma coligação com o PR, tendo o senador Magno Malta (PR-ES) como vice, mas o acordo foi barrado pelo partido do senador. 

Durante a sabatina, Bolsonaro voltou a criticar o que chamou de ideologia de gênero e defendeu um incentivo para o ensino a distância no país. O deputado também atacou a Lei Rouanet e defendeu uma regulação na programação da TV aberta. “Quer fazer esses programas mais avançados? Faz a noite, não faz na Fátima”, em referência ao programa global Encontro. 

O deputado defendeu exploração de terras indígenas. Pela proposta de Bolsonaro, os povos indígenas ficariam com royalties da exploração de minérios em suas terras. O presidenciável citou a polêmica frase sobre quilombolas e disse que foi “uma colocação infeliz”, mas “paciência”. O capitão da reserva também falou em juntar Ministério da Agricultura com o do Meio Ambiente 

Supremo 

Bolsonaro também criticou o ativismo do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele voltou a falar em aumentar o número de ministros da Corte de 11 para 21, mas admitiu que a possibilidade está fora de questão. “Fui massacrado de um lado, quem entendeu elogiou do outro”, disse o presidenciável sobre a proposta. “Basicamente descartamos essa possibilidade”, admitiu Bolsonaro. 

O presidenciável deu pistas de como deve preencher as vagas que serão abertas no STF no próximo mandato, caso seja eleito. “Por que em um pais 90% cristão, não tem um ministro cristão no Supremo Tribunal Federal”, questionou o capitão da reserva. 

Entre os casos julgados pelo Supremo, Bolsonaro falou sobre o julgamento em relação ao aborto, marcado para esta sexta-feira (3). “Não tem cabimento o Supremo decidir. Quem tem que decidir somos nós [deputados]”, criticou. 

Economia 

Na hora de falar em economia, Bolsonaro se absteve e deixou que o economista Paulo Guedes respondesse em seu lugar. Guedes defendeu uma economia liberal para o país. O economista criticou corrupção e apontou como uma das causas para a crise econômica. 

“Esse sistema econômico que está aí na verdade corrompeu a política e estagnou a economia. O Bolsonaro pode reabilitar a economia”, disse Guedes. Ele também voltou a defender privatizações e a necessidade de reformar a Previdência. 

Ele também afirmou que a governabilidade de um eventual governo de Bolsonaro seria mantida não pelo loteamento de cargos, mas pelo repasse de recursos do âmbito federal para Estados e municípios: "A descentralização de recursos é o eixo da governabilidade. Bolsonaro pode ser o primeiro presidente que vai amputar seus próprios poderes, vai regenerar a classe política. Até o prefeito do PT vai querer votar nele, porque está precisando de dinheiro (para administrar o município). A classe política finalmente vai se reaproximar do povo", previu. 

Apoiadores

O candidato estava acompanhado por seu filho Flávio Bolsonaro e pelo economista Paulo Guedes, mentor do presidenciável no campo econômico e provável ministro da Fazenda caso Bolsonaro seja eleito. Havia três entrevistadores: Allan dos Santos, Bernardo Kuster e Flávio Morgenstern, todos influenciadores digitais que declaram apoio ao candidato.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE