i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Eleições 2020

Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Crivella (REP) vão disputar o 2º turno no Rio de Janeiro

  • PorGustavo Ribeiro, especial para a Gazeta do Povo, com Estadão Conteúdo
  • 15/11/2020 22:46
  • Atualizado em 16/11/2020 às 00:46
Resultado Eleições Rio de Janeiro
Resultado Eleições Rio de Janeiro| Foto:

Eduardo Paes (DEM) e Marcelo Crivella (Republicanos) vão disputar o segundo turno para decidir quem comandará a Prefeitura do Rio de Janeiro pelos próximos quatro anos.

Com 100% das urnas apuradas na capital fluminense, segundo informações do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Paes teve 974.804 votos (37,01% dos votos válidos), enquanto Crivella somou 576.825 votos (21,9%).

Em sua primeira manifestação com mais de 90% das urnas apuradas, Paes disse que irá "buscar o apoio de todos os cariocas" na tentativa de chegar ao seu terceiro mandato como prefeito do Rio. E, numa provável estratégia de evitar a rejeição de eleitores que ficam mais ao extremo dos espectros políticos, em especial da esquerda, insistiu que a discussão no segundo turno não pode ser ideológica. "Essa discussão é sobre o Rio. Não é uma discussão sobre direita esquerda ou um debate ideológico nacional. Eu quero o apoio do povo carioca, conversar com todos os cariocas. Não importa se é direita ou esquerda."

O atual prefeito Marcelo Crivella não se manifestou após o fim da apuração. "Estamos todos cansados após um dia de muito trabalho", concluiu. Pouco antes, Crivella afirmou que vai reverter a alta rejeição que tem entre os eleitores. "Tenho certeza de que os números que temos vão mudar. Minha rejeição é de gestão, não é pessoal. Quando os eleitores souberem tudo o que fizemos, isso pode ser revertido", afirmou.

Veja os números finais da apuração:

Paes esteve na frente durante toda a campanha

O ex-prefeito, que liderou a cidade por dois mandatos entre 2009 e 2016, iniciou a corrida já na frente dos adversários, segundo pesquisas, e cresceu ao longo da campanha. Entretanto, não conseguiu avançar o suficiente para evitar o segundo turno.

Paes usou o capital político que construiu no período como prefeito da cidade e também durante a campanha para governador do Rio em 2018, quando somou mais de 3 milhões de votos no segundo turno contra WIlson Witzel — na capital fluminense, Paes conseguiu 1.627.367 votos.

Apesar de rivalizar diretamente com Crivella, a campanha de Paes apontou para a Delegada Martha Rocha (PDT), já que ambos transitam por segmentos parecidos — eleitores mais escolarizados, católicos e com renda acima de cinco salários mínimos. O tom, inclusive, chegou a subir na última semana de campanha, com representações dos dois lados apresentadas à Justiça Eleitoral.

O alvo Martha Rocha tinha explicação em uma eventual disputa de segundo turno. De acordo com pesquisas, ela seria a adversária mais competitiva contra Paes. No um contra um, a chance dele contra Crivella, a princípio, é maior.

Crivella resistiu ao crescimento de Martha Rocha

Já o atual prefeito Marcelo Crivella teve uma campanha longe de tranquila. Na semana limite para o registro de candidaturas, ele foi condenado por 7 votos a 0 no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ) por abuso de poder político, o que o tornou inelegível até 2026.

Para os desembargadores do TRE-RJ, ele teria usado a máquina pública da prefeitura na convocação de servidores da Comlurb a participarem de ato político em 2018. No evento, fazia campanha o filho do prefeito, Marcelo Hodge Crivella, que concorria a deputado federal.

Apesar disso, a candidatura seguiu normalmente e foi deferida pela Justiça Eleitoral. A defesa de Crivella foi ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para pedir a suspensão da condenação. O ministro Mauro Campbell acatou o pedido, mas o Ministério Público Eleitoral (MPE) entrou com recurso, que foi colocado na pauta do TSE na última sexta-feira (13) — os juízes têm até quinta-feira (19) para proferirem os votos.

Além de questões judiciais, Crivella precisou lidar com o crescimento da candidatura de Martha Rocha, que desde o início da campanha se colocou como uma terceira via entre ele e Paes. No entanto, a força entre os eleitores evangélicos e com menos escolaridade garantiu votos suficientes para levar a disputa para o segundo turno.

Ele ainda contou com o apoio do presidente Jair Bolsonaro, que pediu votos para Crivella dias antes do primeiro turno, mesmo que discretamente. O presidente chegou a classificar como “polêmica” o movimento dele a favor do prefeito do Rio.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 2 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • C

    Cidadão Brasileiro

    ± 0 minutos

    Crivella não leva, o apoio de Bolsonaro já equivale a calçar sapatos de chumbo. Paes é o menos pior, mas tb é encrencado. O povo carioca não tem nenhuma pista da saída desse quase-cativeiro. Sem esperança para o Rio: facções, políticos espertalhões, milícias, tráfico... já esses sim, todos felizes, seus negócios continuarão de vento em popa (...)

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso

    • M

      Marcos Ctba

      ± 44 minutos

      Briga de IENAS grandes no Lixo de Janeiro. Para ver quem fica com a Cidade Maravilhosa do Trafico e Prostituição.

      Denunciar abuso

      A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

      Qual é o problema nesse comentário?

      Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

      Confira os Termos de Uso

      Fim dos comentários.