Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

Caro usuário, por favor clique aqui e refaça seu login para aproveitar uma navegação ainda melhor em nosso portal. FECHAR
PUBLICIDADE

Mobilidade

Enquanto isso, na vila...

  • José Carlos Fernandes
Marcão e a trincheira: “Aqui tem vida” |
Marcão e a trincheira: “Aqui tem vida”
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Comparada à CIC, a Vila das Tor­res, no Prado Velho, é uma daquelas partículas que não podem ser vis­­tas a olho nu. São 170 mil habitantes contra 8,5 mil, 20 vezes mais gente. Sem falar nas diferenças de área, algo como o Vaticano e a Itália. Mas, nas devidas proporções, uma pode ajudar a entender a outra. Ao caso.Surgida na década de 1950, a outrora Vila Pinto recebeu um castigo por estar tão perto da área no­­bre: não dispunha de ligações com o resto da cidade, o que a condenou a viver numa mu­­ralha, onde “tudo podia acontecer”. Acon­­teceu. A vila se tornou ponto de tráfico, mas também labo­­­­ratório de reciclagem e modelo de organização comunitária. E se abriu.

Esse movimento só tem crescido na última década, até porque Curitiba precisa circular por dentro da Vila das Torres, goste-se ou não. Tanto é que a Rua Chile – famosa por seus bares da moda – não vai mais acabar numa boca escura do Rio Belém, mas cruzar, em duas quadras, a mais antiga zona pobre de Curitiba.

O projeto trou­­xe uma ponte e uma trincheira para o minúsculo espaço. Ninguém pediu a ligação, mas não chiou – nem as 26 famí­­lias retiradas do trecho reurbanizado. Ainda. Há uma sema­­­na, o lí­­der da Associação de Moradores, Marcos Eriberto dos Santos, o Marcão, soube que a Chile será um binário. E que a rua principal da vila – a Manoel de Abreu, sede do comércio, da pracinha e do supermercado – vai ganhar restrição de mão na altura... da Chile.

Preparem-se os pneus. A taxa de motorização nas Torres reflete a do resto da cidade. Só na ruela do Marcão, com 30 metros, há 10 carros. Para fazer as compras do mês, parte dos moradores vai ter de fazer contornos e balões. O Ippuc diz que a queixa é infundada, pois a ampliação serve a todo o bairro. A turma da associação esbraveja: “Teremos de ficar numa bolha? Aqui tem cultura de vizinhança. Vamos incomodar”, avisa, sobre as duas quadras que podem virar o Contorno Sul da Vila das Torres.

o que você achou?

deixe sua opinião

PUBLICIDADE

mais lidas de Especiais

PUBLICIDADE