i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Direitos de Transmissão

Turner põe prazo e pressiona clubes por “solução definitiva” em impasse milionário

  • 17/06/2020 17:03
Turner pressiona clubes do Brasileirão
Turner pressiona clubes do Brasileirão| Foto:

A Turner aumentou a pressão sobre Athletico, Bahia, Ceará, Coritiba, Fortaleza, Palmeiras e Santos no impasse envolvendo o contrato de transmissão do Brasileirão em TV fechada.

Na última notificação enviada aos clubes, em tom de ultimato, o conglomerado de mídia americano pede uma proposta "definitiva" para resolução da questão até 30 de junho. Caso contrário, informa que buscará seus direitos.

"A Turner notifica os Clubes a apresentarem uma proposta para que se alcance uma solução definitiva para a questão até 30 de junho de 2020. Na ausência dessa proposta, a Turner entenderá que não há interesse dos Clubes em prosseguir nas tratativas e tomará as medidas cabíveis, na forma do Contrato", diz parte da mensagem.

Em abril, a Turner notificou seus parceiros sobre o que julga descumprimentos de diversas cláusulas contratuais referentes à temporada 2019. A multa rescisória é de quase R$ 300 milhões por clube, conforme revelou a Gazeta do Povo.

Sem o retorno esperado de audiência e publicidade com o Brasileirão, o grupo americano considera que o produto é muito caro e o ideal seria encerrá-lo. Ao mesmo tempo, não quer pagar, por sua vez, uma rescisão na casa de R$ 2,3 bilhões para tal.

Nesse cenário, em meio ao início da pandemia do novo coronavírus no país, a dona dos canais TNT e Space suspendeu o pagamento das parcelas igualitárias do contrato da Série A.

Cada time receberia três parcelas até julho, totalizando aproximadamente R$ 10 milhões. Outras receitas que os times tinham direito, como a compensação acertada pelas luvas extras ao Palmeiras, também deixaram de ser pagas.

Unidos nessa disputa, os times contrataram a produtora de mídia Livemode para negociar por eles. No entanto, as conversas não apresentaram avanço significativo até aqui, fato que gerou a reação do grupo americano.

O que os clubes querem?

Os clubes querem a continuidade do contrato, válido até a temporada 2024. Rescindir agora significaria não ter poder de barganha em uma eventual negociação com a Globo pelos direitos de TV fechada, mídia que perde assinantes ano a ano.

Ou seja, a emissora carioca, única opção de mercado, ofereceria menos da metade do que é pago pela Turner, segundo apurou a reportagem. No ano passado, por exemplo, o acordo distribuiu cerca de R$ 140 milhões às equipes.

Por enquanto, o Internacional é exceção. O Colorado tem vínculo apenas até o fim de 2020 e tenta encontrar um acordo individual. Já o Fortaleza, apesar de receber valores menores por ter assinado com o Esporte Interativo quando ainda estava na Série C, optou por reforçar o bloco conjunto de negociação.

Em um cenário alternativo, com a Turner deixando de transmitir o Brasileirão, os clubes acreditam que devem ser indenizados. Eles buscariam uma compensação referente a duas ou três temporadas completas, dependendo do time. O grande impasse é que os americanos não querem abrir o bolso para resolver a questão.

Caso um consenso não seja encontrado, o assunto deve ser decidido via arbitragem, na Câmara de Mediação e Arbitragem da Fundação Getúlio Vargas (FGV).

A reportagem questionou a Turner sobre o assunto e a resposta, via assessoria de imprensa, é que de que a empresa "não está rompendo contrato, não está forçando o rompimento de contrato, está aberta à negociação com os clubes e espera uma resposta dos mesmos".

Em 2019, o conglomerado de mídia mostrou 42 partidas da Série A na TV fechada. Em 2020, com o acesso do Coritiba à elite, teria direito a mostrar 56 duelos.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.