i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Londres-2012

Aurélio Miguel acredita que judô vai trazer mais medalhas ao Brasil

Primeiro atleta que ganhou ouro na modalidade, judoca exalta melhora da estrutura e projeta ápice de medalhistas em 2016

  • PorMarcos Xavier Vicente, enviado especial a Londres
  • 30/07/2012 19:13
Aurélio Miguel está otimista com o desempenho do judô brasileiro | Daniel Castellano / Gazeta do Povo - enviado especial
Aurélio Miguel está otimista com o desempenho do judô brasileiro| Foto: Daniel Castellano / Gazeta do Povo - enviado especial

Ouro em Seul 1988 e bronze em Atlanta 1996, o ex-judoca Aurélio Miguel comemorou as duas medalhas brasileiras na modalidade em Londres: o bronze de Felipe Kitadai e, em especial, o ouro de Sarah Menezes, a primeira da modalidade entre as mulheres em toda a história. Apesar da desclassificação de Rafaela Silva e de Bruno Mendonça nesta segunda-feira, Miguel, que atualmente é vereador em São Paulo, acredita em mais medalhas nas provas que restam.

"O primeiro ouro feminino foi fantástico. Era o que faltava", comentou o campeão olímpico, que passou ontem pelo Crystal Palace, o centro de treinamentos da delegação brasileira em Londres. Miguel acredita ainda que os dois medalhistas de Londres têm grandes chances na Rio 2016. "Eles são bem novos. Em 2016, vão estar no ápice", avalia.

Para ele, o bom resultado em Londres, bem como a classificação completa da seleção para os Jogos – pela primeira vez o Brasil compete em todas as categorias – é fruto da estrutura que os atletas têm hoje. Bem diferente de quanto dele competia.

"No meu tempo, eu mesmo fazia as estatísticas dos meus adversários. E era na mão. A gente não tinha sequer médico. Certa vez fiquei doente numa disputa na Bulgária e quem me atendeu foi um médico cubano", recorda.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.