i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Outubro Rosa

A vida da Chica. Figura do futebol e símbolo da luta contra o câncer

    • PorLuana Kaseker, especial para a Gazeta do Povo
  • 10/10/2019 17:22

Sorrisos, abraços, brincadeiras e conversas, sempre leves. É dessa forma que a imprensa esportiva é recebida na Arena da Baixada, no Couto Pereira e na Vila Capanema, desde os anos 70. Recepção calorosa de Maria Francisca Klosienski, 66 anos, ou como todo mundo a conhece, a Chica.

Já são 45 anos ligada ao futebol do estado. Tempo para Chica tornar-se das personagens mais queridas do meio. Tempo em que a funcionária da Associação dos Cronistas do Paraná (ACEP) teve de abraçar também para travar suas lutas pessoais.

Chica está enfrentando um novo câncer, de pele. É o terceiro, após a descoberta de outros dois, de mama e intestino. Batalhas que, você pode acreditar, não diminuíram o alto astral daquela que também é chamada de "rainha do futebol paranaense", não sem justiça.

Um símbolo da luta contra o câncer, em pleno Outubro Rosa, mês de conscientização e alerta, especialmente das mulheres, sobre a importância da prevenção e diagnóstico da doença na mama e no colo do útero.

Albari Rosa/Gazeta do Povo
Albari Rosa/Gazeta do Povo| Albari Rosa

O espanto: tenho câncer de mama

A luta contra o câncer começou em 2015. Chica descobriu nódulos na mama fazendo o autoexame no banho. Foram quase dois meses entre o primeiro sinal e a confirmação do câncer na mama esquerda. Após o espanto, o duro tratamento e o desfecho dramático: a necessidade de retirada da mama.

Período em que Chica nunca largou os estádios. Alguns dias, saía do tratamento, no Hospital Evangélico, e ia direto trabalhar nos estádios, conferindo carteirinhas, checando credenciamentos, distribuindo os lugares.

“Continuar trabalhando foi o que me ajudou muito. Eu não parei em nenhum momento. Foi como eu achei a força que precisava, porque eu estava e estou entre amigos”, conta Chica.

“Que incentivo que você vai ter fechado em casa, entre quatro paredes? Tinha dia que eu fazia comida, arrumava a casa, fechava a cortina e ia deitar. Mas eu pensava, não é isso que eu quero. Pegava, abria a cortina, clareava o quarto e via a luz do sol”, relembra.

Luta que não acaba

Depois de estar praticamente curada do câncer de mama, em 2017, descobriu um câncer grave, desta vez no intestino. E, novamente, foi a persistência que a fez prosseguir.

Ainda em processo de tratamento, outro surgiu: de pele, na região do pescoço, uma metástase do câncer de mama.

“Estou matando um leão por dia, para ele não me matar. Eu não posso me entregar, tenho certeza que se eu me abalar, eu vou mesmo. Já passou tanto pela minha cabeça, mas eu disse: não vou me entregar”, finaliza.

História no futebol

Chica começou em 1969, na antiga Rádio Colombo, como uma anfitriã. Depois, em 1975, começou a representar a Associação dos Cronistas Esportivos do Paraná (Acep), responsável por registrar a entrada dos cronistas esportivos do Brasil nos estádios de Curitiba. Na associação, ficou até 2011, quando foi demitida após quase 27 anos.

Chica, em foto em 2014.
Chica, em foto em 2014. | Albari Rosa/Gazeta do Povo

Mas a paixão pelo futebol e pelo trabalho fizeram com que ela seguisse na função. Entre 2004 e 2009, trabalhou no departamento de registros da Federação Paranaense de Futebol (FPF), até alcançar o tempo de aposentadoria. Porém, voltou aos estádios, contratada agora pelos clubes por partida.

“Quando eu não vou, no jogo seguinte, já me perguntam se estou bem”, conta. Respeitada e adorada em todos os estádios, Chica tem seu clube do coração, mas prefere não revelar abertamente. Os amigos sabem, já que ela era daquelas torcedoras apaixonadas, que não perdia um jogo.

Mesmo tendo um clube do coração, tem bom relacionamento com todos os dirigentes atuais de Athletico, Coritiba e Paraná. E sente falta quando os campeonatos acabam.

“Me dou super bem com todos [dos três clubes], até o pessoal de fora. Minha vida está aqui. Chega em dezembro, eu sinto falta porque não tem jogo. Você sente muita falta porque é teu dia a dia. Me aposentei no futebol”, diz.

1 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 1 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.

  • M

    marcio antonio simas

    ± 2 horas

    Chica, uma bela pessoa, exemplo de dedicação, que Deus a abençoe.

    Denunciar abuso

    A sua denúncia nos ajuda a melhorar a comunidade.

    Qual é o problema nesse comentário?

    Obrigado! Um moderador da comunidade foi avisado sobre a denúncia. Iremos avaliar se existe alguma violação aos Termos de Uso e tomar as medidas necessárias.

    Confira os Termos de Uso