012706

Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Esportes
  3. Colunistas
  4. Luiz Augusto Xavier
  5. Festa encaminhada no Alto da Glória
Luiz Augusto Xavier

Luiz Augusto Xavier + VER MAIS COLUNISTAS

opinião

Festa encaminhada no Alto da Glória

  • Luiz Augusto Xavier
 | Hugo Harada/Gazeta do Povo
Hugo Harada/Gazeta do Povo
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

O Atlético tem como foco principal a Libertadores e ainda vem a Copa do Brasil, enquanto o Coritiba só tem o campeonato estadual como foco.

O Atlético tem um técnico consagrado, que não depende de resultado ou conquista para manter a sequência de seu trabalho, enquanto que o Coritiba tem um treinador interino, que depende de resultado e conquista para ser efetivado.

O Atlético entrou sem seis de seus titulares, poupados para o compromisso da próxima quarta-feira, contra o San Lorenzo, enquanto o Coritiba pôs em campo o melhor que tinha.

São argumentos, entre outros, que já estão por aí, a tentar desdenhar a conquista do título paranaense da temporada.

Sabe o que isso significa? Nada.

LEIA TAMBÉM - Carneiro Neto: Título antecipado do Coritiba

Importa é que o Coritiba foi à Baixada, fez barba, cabelo e bigode e agora só tem de preparar o cerimonial para os festejos de domingo que vem, no Alto da Glória, na partida de volta. Comemoração, sim, pois a reversão de um resultado assim é praticamente impossível.

Ontem o Coxa chegou aos 3 a 0 por ter sido melhor em campo e muito mais objetivo. E mesmo quando o Atlético tentou reagir, no segundo tempo, o goleiro Wilson tratou de garantir a folgada diferença de gols a ser administrada na volta.

A simplória comparação de números permitiria reabilitar o Atlético com o mesmo placar domingo que vem. A diferença é a situação de cada partida. Ontem o Coritiba foi marcando ao natural, sem pressão, enquanto os rubro-negros entrarão em campo sabendo que terão de fazer pelo menos três gols a mais. Obrigação, mas um peso muito grande, mesmo que os atleticanos levem a campo a equipe titular (o que parece ser cada vez mais improvável).

E os alviverdes, de seu lado, terão consciência dessa folga de poderem levar dois gols sem qualquer dano maior. Sem perder o foco, é claro, pois, como diria aquele folclórico jogador, “clássico é clássico e vice-versa”.

E o apito...

A arbitragem, infelizmente, não esteve no mesmo nível do que os dois times apresentaram em campo. Errou feio ao anular um gol de Kléber, no primeiro tempo, por impedimento mal marcado. O mesmo auxiliar repetiu o erro, no segundo tempo, em jogada de Douglas Coutinho, que poderia ter sido transformada em gol.

No lance que gerou a expulsão de Gedoz (correta, diga-se), ele havia sido puxado pela camisa por Kléber, que, minutos antes recebera cartão amarelo. Seria para receber o segundo e, por consequência, o vermelho.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

O jornalismo da Gazeta depende do seu apoio.    

Por apenas R$ 0,99 no 1º mês você tem
  • Acesso ilimitado
  • Notificações das principais notícias
  • Newsletter com os fatos e análises
  • O melhor time de colunistas do Brasil
  • Vídeos, infográficos e podcasts.
Já é assinante? Clique aqui.
>