i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tostão

A seleção é do Brasil

  • Portostaocoluna@yahoo.­com.br
  • 24/07/2010 21:02

Um ano antes da Copa de 2010, quando a maioria babava pelos resultados da seleção, Beckenbauer falou que não gostava de ver o Brasil jogar. Ele não disse que o time era fraco, e sim que jogava como as outras seleções. Dunga e os pragmáticos ficaram raivosos.

Após a vitória na Copa sobre o Chile, quando o Brasil era bastante elogiado, Cruyff falou que não pagaria para ver o time brasileiro jogar. Ele não disse que a seleção era ruim. Apenas quis dizer que a seleção não representava a tradição do futebol brasileiro. Dunga e os operatórios ficaram raivosos.

Há anos, alguns pouquíssimos cronistas criticam a supervalorização dos técnicos, o futebol de resultados e a falta de compromisso dos "professores" com a beleza e com a qualidade do jogo. Os técnicos e os utilitaristas contestam e ainda dizem que as críticas são opiniões saudosistas, românticas e utópicas.

Com qualquer técnico, a filosofia da seleção continuará a mesma. Graças à tecnologia, às informações imediatas e às relações virtuais, quase todos os treinadores pensam e fazem a mesma coisa, dentro de um padrão estabelecido como correto. Pequenas mudanças táticas, nos discursos e na maneira de treinar as equipes são variações sobre o mesmo tema, de que o importante é o resultado. E ponto final.

Tudo com a aprovação da maioria, dos que não entendem de futebol e dos que entendem, mas que só analisam a partir dos resultados e das condutas dos treinadores. O negócio futebol colabora para essa mesmice, além de ajudar na transformação dos técnicos em estrelas e em garotos-propaganda. Cada dia mais, os técnicos ocupam os lugares dos jogadores, nas entrevistas coletivas, diante dos painéis dos patrocinadores.

Muito mais importante que o novo técnico da seleção seria discutir a maneira de jogar do futebol brasileiro e tentar formar grandes armadores, como o espanhol Xavi. Não confundam esse tipo de jogador com nossos meias ofensivos.

A solução não é a volta ao passado. Há muitas coisas boas e ruins, no passado e no presente. O passado não pode substituir o presente, mas o presente precisa do passado. Todo encontro é um reencontro.

A CBF, uma entidade falida, não de dinheiro, mas de ideais esportivos, reina soberana, gigolando o time e os craques brasileiros, como se a seleção fosse dela. A seleção é do Brasil.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.