Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
No fim do jogo, o ganês Pantsil se chocou com o australiano Kennedy e levou a pior | Pedro Ugarte/ AFP
No fim do jogo, o ganês Pantsil se chocou com o australiano Kennedy e levou a pior| Foto: Pedro Ugarte/ AFP

Ao empatar com a Austrália por 1 a 1, ontem, em Rustemburgo, Gana ultrapassou a Alemanha, virou líder do grupo, com 4 pontos, mas não comemorou. Na verdade, a seleção africana, que jogou com um a mais durante a maior parte do tempo, desperdiçou uma ótima chance de encaminhar a classificação.Na última rodada, os ganeses só precisarão de um empate com a Alemanha. Mas a derrota dos germânicos para a Sérvia na sexta-feira os obriga a vencer para seguir na Copa. Perdendo, Gana seria eliminada em caso de triunfo da Sérvia sobre a Austrália.

Desde 1986, quando Marrocos se classificou, pelo menos uma seleção do continente africano avança aos mata-matas – Camarões (1990), Nigéria (1994 e 1998), Senegal (2002) e Gana mesmo (2006).

Para os australianos, a única possibilidade é bater a Sérvia e tor­­cer para que Gana vença a Ale­­manha. Ontem eles saíram na frente logo no início com um gol de Holman, aproveitando um rebote do goleiro Kingson.

Lance muito lamentado pelo técnico de Gana, o sérvio Milo­­van Rajevac. "Foi um gol praticamente de graça. Essa bola cria grandes dificuldades porque você nunca sabe a trajetória que ela vai tomar."

Os ganeses chegariam ao empate pouco depois. Nova­­mente através de um pênalti por causa de mão na bola – como no gol da vitória sobre a Sérvia. E os aussies mais uma vez viram seu jogador mais importante ser expulso – depois de Cahill, diante da Alemanha, foi Kewell, autor do pênalti.

Mesmo com um a menos, o time do técnico holandês Pim Verbeek segurou o empate contra os africanos e manteve as chances. "Luta­­mos tudo o que pudemos, mas não tivemos muita sorte. Agora teremos de encontrá-la no próximo jogo’’, resignou-se o treinador.

Apesar da evidente decepção ganesa com o resultado, Rajevac tentou manter o ânimo do time para a decisão com a Alemanha. "Começa­­mos muito mal, levamos um gol bobo, mas reagimos rapidamente. Depois, controlamos o jogo e tivemos ótimas chances, mas faltou o gol. Mesmo assim, estamos na liderança e não posso dizer que estou insatisfeito."

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]