i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Campeonato Paranaense

Carrasco elogia postura do elenco rubro-negro na final

Treinador do Atlético, que fez sete mudanças no time para a final, disse que Furacão jogou com a "faca nos dentes"

  • PorHelen Anacleto, especial para a Gazeta do Povo
  • 13/05/2012 16:13
Carrasco elogiou o Atlético ao fim da partida, dizendo que elenco teve muita atitude na decisão com o Coritiba | Albari Rosa / Gazeta do Povo
Carrasco elogiou o Atlético ao fim da partida, dizendo que elenco teve muita atitude na decisão com o Coritiba| Foto: Albari Rosa / Gazeta do Povo

O técnico Juan Ramón Carrasco, único representante do elenco atleticano que concedeu entrevista após a final do Paranaense neste domingo (13), vencida nos pênaltis pelo Coritiba, elogiou a postura dos jogadores na decisão. Mesmo triste, o comandante rubro-negro elogiou a postura do grupo.

"Os meninos tiveram muita atitude e isso não se compra em farmácia. Fico triste, mas orgulhoso do grupo que deixou tudo pela vitória", afirmou. "Jogamos com a 'faca nos dentes'", analisou.

Antes da partida, Carrasco mais uma vez surpreendeu na escalação. O Furacão entrou em campo com nada menos do que sete mudanças em relação à primeira partida final. A mudança soou positiva, pelo menos no primeiro tempo, quando o Furacão apertou o Coxa no seu campo de defesa e esteve mais próximo de marcar o gol. "Podemos trocar jogadores, mas a filosofia não se negocia", esclareceu o treinador.

E a filosofia, explica o comandante, se baseia em manter nos jogadores do elenco rubro-negro o equilíbrio entre o que ele chama de "coração quente" e "cabeça fria".

A atitude de domínio das ações de jogo deu lugar à retranca na etapa final. Para o treinador, a investida em segurar o empate no segundo tempo era mais uma tentativa de não perder do que de resolver a final. "É uma final e também o empate era um risco. Mas se você não ganha, pelo menos não perde", argumentou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.