Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O técnico Cuca, que já treinou Paraná e Coritiba, assumiu ser torcedor do Furacão | Jorge Adorno / Reuters
O técnico Cuca, que já treinou Paraná e Coritiba, assumiu ser torcedor do Furacão| Foto: Jorge Adorno / Reuters

Após a derrota para o Atlético-PR na noite de quarta-feira (31), que quebrou uma série invicta de 54 partidas do Atlético-MG como mandante e deixou o campeão da Libertadores às portas da zona de rebaixamento do Brasileiro, o técnico Cuca encontrou um lado bom e surpreendeu ao dizer que ao menos o seu time de coração saiu vencedor. "Meu consolo, pequeno, se é que tem, por ter perdido a invencibilidade, é que meu time ganhou de mim. Menos ruim, serve de consolo bem pequeno, um alívio", disse o treinador curitibano, assumindo ser torcedor do Rubro-Negro, depois de ver o Galo sofrer a virada e perder por 2 a 1 no Estádio Independência – da sequência de 54 jogos sem perder em casa, 38 foram no Horto. Curiosamente, o Furacão é o único time da capital paranaense que ele nunca treinou. Passou pelo Paraná em 2003 e pelo Coritiba em 2005. Como jogador não atuou profissionalmente por nenhum clube da terra natal. O treinador minimizou o resultado, dizendo que cedo ou tarde seria inevitável e que melhor agora do que nos jogos decisivos da Libertadores. "Precisamos ter estrutura para saber perder, pois um dia iríamos perder, e temos de agradecer a Deus que perdemos um jogo em que podíamos perder. Pior se tivéssemos perdido para o Tijuana [nas quartas de final], ou para o Newell's [nas semifinais], ou para qualquer outro, pois aí não teríamos tido a conquista [da Libertadores]", comparou.

Ele evitou criticar o meia-atacante Bernard, que marcou o primeiro gol do jogo, tirou a camisa na comemoração emocionada – pode ter sido o último jogo dele pelo Galo antes de ser negociado –, tomou o segundo cartão amarelo e foi expulso. "Ficamos expostos e aí levamos dois gols, não tivemos a postura de defender o resultado", resumiu o técnico.

Festa

A situação é desconfortável no Brasileiro – o time está na 16.ª posição, com dez pontos, assim como o Flamengo, que abre a zona de rebaixamento. Mas as comemorações pela conquista da Libertadores há uma semana não param no Atlético-MG. No início da noite desta quinta-feira os jogadores e o troféu irão em um caminhão do Corpo de Bombeiros da Cidade do Galo, o centro de treinamentos do clube, até a Praça Sete, no centro de Belo Horizonte. Dois trios elétricos vão animar a festa, na qual serão distribuídas 200 mil latas de cerveja.

Na terça-feira os jogadores e a comissão técnica haviam sido homenageados pelo governador de Minas Gerais, Antonio Anastasia, em concontro que levou cerca de mil torcedores à Cidade Administrativa.

Após a conquista do título continental, o Galo perdeu as duas partidas que fez pelo Brasileiro. Antes da derrota para o Atlético-PR, no domingo colocou os reservas em campo e foi goleado por 4 a 1 pelo arquirrival Cruzeiro no Mineirão.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]