Seu app Gazeta do Povo está desatualizado.

ATUALIZAR

PUBLICIDADE
  1. Home
  2. Esportes
  3. Futebol
  4. Coritiba
  5. Jogador ‘falsificado’ deu título ao Operário contra o Coritiba em 1961

HISTÓRIA

Jogador ‘falsificado’ deu título ao Operário contra o Coritiba em 1961

Polêmica com documentação de atacante paraguaio Agapito Sánchez parou Estadual após a decisão da Zona Sul e custou vaga na decisão ao Coxa

  • Felipe Raicoski Especial para a Gazeta do Povo
Time do Operário campeão da Zona Sul do Campeonato Paranaense de 1961. | Divulgação/Operário
Time do Operário campeão da Zona Sul do Campeonato Paranaense de 1961. Divulgação/Operário
 
0 COMENTE! [0]
TOPO

Um dos episódios mais marcantes na história dos confrontos entre Coritiba e Operário, que fazem a final do Campeonato Paranaense a partir deste domingo (26), 16 horas, no Germano Krüger, o “caso Agapito” entrou para o folclore do futebol paranaense. O episódio tirou o título coxa-branca da Zona Sul do Estadual de 1961 e deu para o time pontagrossense, que ganhou o direito de disputar a taça do Paranaense propriamente dito – na época, o campeonato era dividido em três zonas: Sul, Norte Velho e Norte Novo. Essa foi a última final disputada pelo Fantasma.

O pivô de todo esse imbróglio foi o jogador paraguaio Agapito Sánchez. Como na época o Paranaense era um torneio amador e o registro dos atletas era feito apenas na Federação Paranaense, o atacante acabou inscrito para o torneio sem que sua documentação fosse analisada. O paraguaio entrou no time alviverde apenas na fase decisiva do campeonato, quando o Coxa enfrentou o Operário para decidir quem representaria a Zona Sul no triangular final da competição.

ENQUETE: Vote no craque da galera do Campeonato Paranaense

“Agapito Sánchez era um atacante paraguaio, que veio ao Paraná em 1961 para jogar pelo Guarapuava Esporte Clube. Acontece que ele era bom de bola e acabou despertando o interesse do Coritiba, que o trouxe para a capital”, conta Carneiro Neto, colunista da Gazeta do Povo.

O Operário venceu o primeiro jogo, no Alto da Glória, por 2 a 0, em 26 de novembro. No dia 3 de dezembro, o Fantasma vencia o segundo, em Ponta Grossa, por 1 a 0, até o final da partida, quando o paraguaio empatou e provocou a terceira partida. No terceiro jogo, em 10 de dezembro, na Vila Capanema, o Coxa venceu por 3 a 0 e levou a decisão para um quarto jogo, que serviu de desempate. Na ocasião, em 17 de dezembro, o empate por 1 a 1 deu o título ao Coxa pelo saldo de gols.

É aí que o problema da documentação de Agapito veio à tona. Então diretor de registros da Federação Paranaense, o Capitão Barcímio Sicupira, após a vitória alviverde, alertou os diretores do Fantasma sobre a possível irregularidade do paraguaio e, a partir daí, o caso cresceu. “O Capitão jogou pelo Ferroviário, tinha uma certa rixa com o Coxa e informou aos diretores do Operário sobre a sua dúvida em relação aos documentos do atacante”, diz Carneiro.

A análise dos papéis que o paraguaio havia usado para se registrar na Federação concluiu que eram documentos falsos, o que iniciou uma batalha judicial que paralisou o Estadual. No Tribunal de Justiça Desportiva do Paraná (TJD-PR), o Coritiba foi inocentado, já que no julgamento ficou entendido que o clube não teria responsabilidade sobre a veracidade da documentação do atleta. O Operário recorreu e levou a questão para o Supremo Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e para a, então, Confederação Brasileira de Desportos (CBD).

No Rio de Janeiro, sede do Supremo, após longos meses de espera, o Tribunal deu ganho de causa ao Operário, retirou o Coritiba da fase final e colocou o Fantasma no triangular decisivo da competição. Disputada entre agosto e setembro de 1962, a fase decisiva contou ainda com a Esportiva de Jacarezinho e com o Comercial de Cornélio Procópio. O time do Comercial sagrou-se campeão estadual, seu único título, o Operário acabou com o vice-campeonato e a Esportiva terminou na terceira posição.

“Fizeram festa em Ponta Grossa, começou a decisão, só que o time do Operário já tinha sido desmanchado, não tinha mais o time forte e completo que brigou com o Coxa pelo título da Sul, então não teve chances de ganhar o campeonato, que acabou indo para Cornélio Procópio”, finaliza Carneiro.

8 recomendações para você

deixe sua opinião

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE