i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Basquete

Magic Paula e Hortência pedem uma liga feminina independente

Assim como as estrelas do basquete, o presidente da NLB acha que meninas têm que criar uma entidade "gêmea"

  • PorGloboEsporte.com
  • 01/07/2009 07:45

A Liga Nacional de Basquete (LNB) está orgulhosa com o resultado do primeiro campeonato organizado sob a batuta dos clubes, o Novo Basquete Brasil, ou simplesmente NBB. Na festa de encerramento da competição, nesta terça-feira (29), em São Paulo, o presidente da LNB, Kouros Monadjemi, rechaçou a possibilidade de a entidade se aventurar na organização de um campeonato feminino:

"As meninas têm que criar uma liga gêmea, seria uma irresponsabilidade a gente assumir uma liga feminina."

A opinião de Kouros é exatamente a mesma de Magic Paula, ex-jogadora de basquete que fez muito sucesso com a camisa da seleção e que hoje é coordenadora de Esportes de Alto Rendimento da Secretaria Municipal de Esportes e diretora do Centro Olímpico de Treinamento e Pesquisa da Cidade de São Paulo.

"Eu já penso e falo isso há mais de três anos. Criar uma liga é o caminho e tem que ser independente, porque são mundos diferentes, clubes diferentes. Mas precisa ser uma iniciativa dos clubes que trabalham com o basquete feminino. É preciso uma movimentação muito grande no basquete feminino, porque não é fácil criar um campeonato que seja um chamariz para o patrocinador com as nossas melhores jogadoras na Europa. O modelo tem que ser criado de uma maneira que tenha ao menos uma de bom nível por equipe", sinalizou a Paula, que não tem gostado do basquete que vem sendo apresentado nas disputas locais do basquete feminino.

Atualmente responsável pelo basquete feminino na Confederação Brasileira de Basquete, Hortência, a ex-companheira de Paula na seleção e rainha do basquete nacional, gostou do que foi proposto por Kouros e por sua antiga parceira em quadra.

"Eu assino embaixo em tudo que eles falaram. É isso mesmo, tem que ver o sucesso da liga e usar como modelo para criar uma entidade igual para o feminino. Dá até pra usar como exemplo para ir atrás dos patrocinadores. Só que tem que ser feito com calma, com os pés no chão. Para este ano, por exemplo, já não dá. Só que é o caminho a ser seguido e o que eu puder fazer para ajudar, eu farei", anunciou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.