i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Paranaense 2020

Na volta do Estadual, time corre risco de não ter onze para escalar

  • 16/07/2020 12:04
Na volta do Estadual, time corre risco de não ter onze para escalar
| Foto: Divulgação/Rio Branco

O Rio Branco vive uma situação peculiar, para não dizer caótica, às vésperas do retorno do Campeonato Paranaense 2020.

O clube de Paranaguá, que enfrenta o FC Cascavel neste sábado (18), às 14h, em Ponta Grossa, pode entrar em campo com apenas uma sessão de treinamento desde a paralisação do torneio. E o técnico Amauri Knevitz, que saiu da função de diretor para substituir Tcheco, dispensado em março por causa da pandemia de Covid-19, tem apenas 14 jogadores no elenco para escalar. Antes, eram 29.

"Estamos em 14 atletas, dois goleiros. Então só 12 de linha", revela Knevitz, de 61 anos de idade e 25 de carreira como treinador.

"Nossa oração é essa, não pode ter lesão. E não podemos nem treinar muito para não machucar", completa.

O cenário vivido pelo Leão da Estradinha é um recorte da volta do futebol no Estado. Como a cidade de Paranaguá segue com atividades não-essenciais vetadas pela prefeitura, os jogadores não têm treinado na Estradinha, apenas individualmente, em suas casas.

E como o jogo das quartas de final acontece daqui a dois dias, o único treino pode acontecer literalmente na véspera, no Germano Krüger, a 200 km do Litoral.

"Se o jogo for no fim de semana, faremos um trabalho com o Amauri em campo. Fizemos toda logística, acredito que faremos um treino no local do jogo", admite o presidente do Conselho Deliberativo do Rio Branco, Itamar Bill, que ainda acreditava num eventual adiamento do reinício do torneio.

Há outro problema. Nesta quinta-feira (16), jogadores e comissão técnica se apresentam e fazem testes para Covid-19. Os resultados saem na sexta (17), véspera do jogo contra a Serpente.

O clube corre risco, portanto, de não ter um time completo para mandar a campo caso tenha exames positivos. Lembrando que, de acordo com a regra, é necessário no mínimo sete atletas para iniciar o jogo.

"Isso é mais preocupante do que a condição física ou técnica... Fico na expectativa que não tenha nada, nenhum problema maior, porque já temos um problema grande", fala o técnico, que tenta manter o otimismo em meio a uma situação complicada.

"Eu sei que pode dar tudo errado. Sim, pode. Mas não penso assim. Penso que a gente pode fazer bem feito ainda. Dá tempo. Mesmo com todas as dificuldades. Só não podemos jogar sem goleiro. Em todas as outras posições sai jogo, desde que tenhamos sete em campo. Creio que é possível, até porque temos jogadores que podem", crava Knevitz.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.