i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Tecnologia

Razões econômicas não permitem a bola com chip

  • 11/03/2010 21:03

O presidente da Fifa, Joseph Blatter, explicou ontem a razão de não adotar o chip nas bolas de futebol, tecnologia que poderia evitar a dúvida em caso de gols polêmicos. Segundo ele, "a medida teria um custo muito alto e não poderia ser aplicada no mundo todo".

O uso de tecnologia no futebol, para ajudar a arbitragem, tem sido sistematicamente vetado pela Fifa, como aconteceu em recente reunião da International Board, órgão que regulamenta as regras do esporte.

"As aplicações dessas tecnologias sairiam muito caras e não seriam possíveis em um nível global. Muitas partidas não são nem televisionadas. Por exemplo, nas Eliminatórias para a Copa acontecem cerca de 900 jogos e eles precisam ter as mesmas regras", disse Blatter.

Defendendo o uso apenas do "olho humano", o presidente da Fifa declarou que "mesmo que fossem instituídas essas modernidades, dúvidas ainda existiriam, já que em alguns lances nem com centenas de câmeras consegue-se chegar a um veredicto".

Ainda de acordo com Blatter, o uso de instrumentos externos não teria boa aceitação entre os fãs do esporte. "Se as jogadas começarem a ser paralisadas a cada dois minutos, as pessoas não vão gostar, vai acabar com o ritmo do jogo. Além disso, o debate dos torcedores é a graça do futebol", co­­mentou.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.