• Carregando...

Atleticanas

Presença

O atacante Javier Toledo está convocado para o jogo contra o Nacional e vai ficar no banco pela primeira vez. O argentino teve sua situação regularizada na CBF na quinta-feira.

Repeteco

A dupla de ataque Serna e Wallyson, que não agradou muito contra o Engenheiro Beltrão, será novamente protagonista no jogo de amanhã com o Nacional, de Rolândia. Bruno Mineiro será poupado para que possa atuar no jogo de volta da Copa do Brasil, com o Vilhena-RO, na quarta-feira. Já Marcelo segue em tratamento e deve ficar ainda duas semanas fora.

Pelos ares

O Atlético viaja hoje para o Norte do Paraná, onde enfrentará o Nacional, mas a viagem será de avião. A ideia é evitar um desgaste maior do elenco, que na semana passada encarou mais de 5 mil quilômetros de viagem para jogar pela Copa do Brasil.

Depois da tempestade causada pelas revelações de Marcos Malu­­celli, o silêncio. Um dia depois de o presidente atleticano acusar a empresa Master Talents de ter recebido facilidades de Mário Celso Petraglia para assumir a procuração de jogadores do clube, os dois lados evitaram dar declarações. Novas movimentações somente na semana que vem, quando o dirigente rubro-negro promete conceder uma entrevista coletiva e os empresários, enfim, comentarão o episódio.

Na quinta-feira, em entrevista à Rádio Transamérica, Malucelli disse que Petraglia participou da transferência de Alex Sandro para o Deportivo Maldonado, clube-laranja do Uruguai que deve colocá-lo no Santos. O lateral-esquerdo é representado pela Master Ta­­lents, empresa de Alexandre Ro­­cha Loures, agente Fifa que assumiu a gerência da carreira deste e de outros jogadores quando ainda era diretor de relações internacionais do Atlético.

Os volantes Alan Bahia, Va­­lencia e Guilherme Batata; os atacantes Patrick, Marcelo, Dennis e Bruno Furlan; e os meias Lucas So­­tero e Harrison são outros no­­mes do portfólio da Master Talent, que tem como sócios outros dois ex-funcionários do clube, Ruy Paciornick e Pablo Miranda.

Esses atletas fazem parte de uma lista de 40 nomes das diferentes categorias do clube que teriam alguma ligação com Pe­­traglia. Nesta relação também estão jogadores ligados ao Capa, de Curitiba, e ao PSTC, de Lon­­drina, parcerias firmadas também na gestão Petraglia. Pessoas do Atlético preveem reverter essa condição em entre três e quatro anos.

O primeiro ruído entre a atual direção do Atlético e a Master Talents ocorreu ainda durante o Brasileiro do ano passado, quando o zagueiro Ronaldo, destaque da Copa São Paulo, foi tirado do time titular. Seu contrato estava para vencer e a dificuldade de negociação indicava a possibilidade de ele deixar a Baixada sem que o clube lucrasse, o que acabou ocorrendo. Neste ano, o defensor transferiu-se para o Interna­­cional.

Antes, ainda, do desfecho do caso Ronaldo, o Atlético tentou negociar outro atleta da Master Talents. De volta do futebol ja­­ponês, o volante Alan Bahia era visto como moeda de troca para o clube fazer caixa. Não deu certo e o jogador acabou se tornando um dos destaques do time nesse início de temporada.

Foi com Alex Sandro que o Atlético conseguiu fazer di­­nheiro. A negociação dele com o Deportivo Maldonado rendeu ao clube 2 milhões de euros, pagos à vista, valor que, segundo Malucelli, garantirá tranquilidade financeira ao clube até o fim do ano.

O único personagem a se manifestar, de forma não oficial, foi Petraglia. Em sites de torcedores do Atlético, ele disse, sem entrar em detalhes, que a verdade sobre o episódio virá à tona em breve e defende o filho Mário Celso Keinert Pe­­traglia, acusado por Ma­­lu­­celli de estar envolvido na negociação de Alex Sandro. Segundo o presidente atleticano, Celsi­­nho teria intermediado a venda do lateral-esquerdo ao clube uruguaio.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]