i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Copa do Brasil

Tensão, sofrimento e classificação: Inter 2 a 0 sobre o União-MT

Índio e Alecsandro marcam no segundo tempo para colocar o Colorado na próxima fase da Copa do Brasil. Guarani é o adversário

  • PorGloboEsporte.com / Globo.com
  • 04/03/2009 19:00

Teve unha roída, cabelo arrancado, chute nos degraus da arquibancada, xingamento ao juiz, súplicas a todos os santos, mas, enfim, saiu a vitória. O Internacional sofreu como poucas vezes aconteceu em seus 100 anos de vida para fazer 2 a 0 no União Rondonópolis-MT e garantir vaga na próxima fase da Copa do Brasil.

Os gols, marcados por Índio e Alecsandro, só saíram no segundo tempo. E depois dos 20 minutos, para aumentar o desespero da torcida. Após muita tensão, o time colorado pode pensar no Guarani, o adversário da segunda fase. Segue em pé o principal objetivo do primeiro semestre no ano do centenário: ganhar a Copa do Brasil.

A equipe de Tite volta a campo no sábado, novamente no Beira-Rio, contra o Veranópolis. É a estreia vermelha na Taça Fábio Koff, o segundo turno do Campeonato Gaúcho.

Nem gol, nem pressão

Não aconteceu nada do que os colorados esperavam no primeiro tempo. Nem o gol, nem a pressão. Claro, o Inter dominou o adversário e esteve no campo de ataque quase o tempo todo. Mas jamais conseguiu trancafiar o oponente dentro da área para, na base do bafo, alcançar o gol.

Pior: até levou alguns sustos. O União Rondonópolis, ao contrário do Grêmio no domingo, encarou o Inter com dois atacantes. Um deles, Clodoaldo, ficou perto de marcar em duas oportunidades. Desperdiçou ambas.

O Colorado caiu na teia da marcação adversária. Andrezinho esteve bem, mas D’Alessandro foi lento, amarrado. Na frente, Taison teve vitórias individuais, mas não ao ponto de alcançar o gol. Nilmar errou tudo que tentou. Bolívar foi ineficiente pela direita. Kleber apareceu menos do que deveria na esquerda.

Mesmo assim, pintaram algumas oportunidades para a turma de Tite. Com três minutos, Andrezinho forçou o goleiro Paulo Sérgio a fazer boa defesa. Foi em cabeceio perigoso após cruzamento de D’Alessandro, que teve a melhor chance de todo o período.

Eram 36 minutos. Guiñazu roubou a bola com um daqueles carrinhos que fazem o adversário pensar em trocar de profissão. O lance parou nos pés de El Cabezón dentro da área. Ele se preparou para bater de esquerda, mas o corpanzil do zagueiro na frente dele impediu o chute. O jeito foi bater de direita. E aí o goleiro conseguiu defender.

Bem antes, quando o jogo ainda engatinhava, D’Ale arriscou outro chute, mas fraco, sem perigo. Andrezinho também teve sua tentativa. Pegou a bola na intermediária defensiva e atravessou o campo até mandar a bomba. A zaga desviou para escanteio.

O gol não saiu com bola rolando por ineficiência dos colorados. E não aconteceu com bola parada por falha do árbitro Wagner Tardelli. Odvan deu um bico em Taison dentro da área. Foi pênalti, mas o juiz ignorou a irregularidade.

Tensão e gols

O Inter voltou com Giuliano no segundo tempo. Tite decidiu mexer no time, mas foi cauteloso. Em vez de tirar um volante, sacou Andrezinho, talvez o atleta mais ativo do time na etapa inicial. O meia até entrou bem, mas depois caiu na enrolação do time. Com dois minutos, ele bateu forte, com muito perigo, para fora.

Com 18 minutos, Tite chamou Alecsandro. E aí, sim, ousou. Tirou Bolívar. Em seguida, saiu o gol. O curioso é que o lance teve participação fundamental de D’Alessandro, em um momento de exceção dentro de uma atuação muito ruim do gringo. Ele bateu falta com toda a plasticidade do mundo na entrada da área. A bola viajou até encontrar o poste direito do goleiro. No rebote, Índio completou de cabeça: 1 a 0.

O gol inflamou time e torcida. Guiñazu seguiu roubando tudo que era bola. Alecsandro, de cabeça, quase marcou aos 24. Nilmar teve boa chance aos 26. O União se assustou. Foi recuando pouco a pouco, quase sem perceber.

Estava na cara de cada torcedor que o gol sairia a qualquer momento. O adversário não resistiria. Aos 28 minutos, bola para Nilmar. O atacante se jogou na direção da bola e tocou por cima do goleiro. Ela bateu na trave de novo. E novamente voltou para um colorado. Desta vez, Alecsandro. O atacante dominou na área e mandou um chute de dentes prensados, de raiva, de jogador que não curte muito a ideia de ficar sem gols. O Beira-Rio explodiu em euforia antes mesmo de a bola bater na rede.

Os colorados, aliviados, não imaginavam que teriam instantes de terror por volta dos 40 minutos. Alex Mineiro cabeceou dentro da pequena área. Lauro defendeu e evitou uma tragédia que poderia ter acontecido no Gigante. Mas tudo terminou bem para o Colorado.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.