i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Cotidiano

Um país, dois atletas

Uma única seleção do torneio de futebol equivale aos 18 atletas das nove menores delegações da Olimpíada de 2012

  • PorMarcos Xavier Vicente, enviado especial
  • 04/08/2012 21:08
Lecabela Quaresma e Christopher dos Santos Vaz são os representantes de São Tomé e Príncipe | Daniel Castellano/Gazeta do Povo
Lecabela Quaresma e Christopher dos Santos Vaz são os representantes de São Tomé e Príncipe| Foto: Daniel Castellano/Gazeta do Povo

Juntos, os 18 atletas das nove menores delegações da Olimpíada de 2012 equivale­­riam a uma única seleção do torneio de futebol. Butão, Dominica, Gâmbia, Guiné Equa­­torial, Mauritânia, Nau­­ru, São Tomé e Príncipe, Somália e Timor Leste conseguiram enviar, cada um, apenas dois atletas a Londres. Uma quantidade quase 30 vezes menor do que a da equipe americana, a maior da competição, com 539 esportistas.

Com exceção do Butão, país asiático que enviou uma atleta do tiro esportivo e uma no tiro com arco, e de Nauru, ilhota na Oceania que enviou um atleta no levantamento de peso e um no judô, nenhum desses países alcançou índice olímpico. Aproveitaram a brecha de que no atletismo todos os países têm o direito de enviar ao menos um representante masculino e um feminino. Regra que também vale para a natação, mas que não pode ser cumprida por essas nações por causa da precariedade.

"Somos duas ilhas, estamos rodeados de água, mas não temos uma piscina olímpica que nos permita trazer um nadador à Olimpíada. É um contraste", exemplifica o tamanho da dificuldade o chefe da missão olímpi­ca de São Tomé e Princípe, Laureano Lima Ferreira, que em Londres lidera uma equipe de dois atletas: Lecabela Qua­­resma (100 m com barreira) e Christopher dos Santos Vaz (100 m rasos). "Nos­­sa presença aqui é uma grande vitória, porque o governo não nos ajuda em nada", reforça Ferreira, explicando que a ex-colônia portuguesa, que se tornou independente em 1975, conta desde 1996 com o auxílio do Comitê Olímpico Internacional (COI) para ir aos Jogos.

No atletismo, apesar da existência de um estádio olímpico na capital, São Tomé, a dificuldade não é pouca. Vaz, que nasceu no Gabão, filho de são-tomeses que não conseguiram imigrar a Portugal, treina há dois anos no país em uma pista de barro de uma escola. "Não é o ideal, porque é difícil manter o equilíbrio no barro. Você pode escorregar na largada, o que aumenta o risco de lesão", explica o atleta de 24 anos, alfabetizado em francês e que ainda tem um pouco de dificuldade de se expressar em português.

Ano passado, Vaz sofreu uma lesão no joelho, decorren­te das más condições da pista, que o deixou fora dos treinos por seis meses. Para piorar, as condições de recuperação também não eram adequadas. "Não temos fisioterapia de qualidade e nem alguns medicamentos. Se eu tivesse tratado a lesão na Europa, teria me curado muito mais rápido", avalia o rapaz, que, além da ajuda paterna que vem do Gabão, vive de biscates como pedreiro, recebendo o equiva­lente a R$ 50 por semana.

Lecabela, 22 anos, que mo­­ra em Portugal desde os cinco anos e só costuma ir a São Tomé para visitar parentes, treina em condições melhores. Mas nada que chegue perto da elite do esporte. No ano passado, ela deixou Lisboa com uma bolsa do Comitê Olímpico de São Tomé para treinar na cidade de Rouen, na França, recebendo 150 euros por mês (perto de R$ 375), mais casa e alimentação. "Cento e cinquenta euros na França não é nada. Você entra no supermercado e o dinheiro já acabou", frisa a atleta, que foi a porta-bandeira do país na cerimônia de abertura dos Jogos.

Apesar das dificuldades, am­­bos se dizem muito orgu­­lhosos em representar São Tomé e Princípe na Olimpíada. A dupla sabe que não está em Londres para ganhar – o objetivo é baixar as marcas pessoais. Mas, para o Rio-2016, Lecabela diz acreditar na vaga por mérito próprio. "Minha meta na carreira é ir aos Jogos classificada, para eu representar o país mais motivada", confia. Já Vaz prefere ser pragmático. "Treinando em São Tomé, não vou ter condições de me classificar", admite.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.