Após ser demitido do comando do Palmeiras, o técnico Vanderlei Luxemburgo tem outra dor de cabeça para administrar. De acordo com matéria publicada nesta terça-feira pela Folha de São Paulo, Vanderlei tem, desde fevereiro de 2008, todas as contas bancárias no Brasil em seu nome bloqueadas, além de ser vítima do arrolamento de oito imóveis pela Justiça, resultado de ações e execuções fiscais da Receita Federal em 97, 2000 e 2001.

"Ele sempre recebia seu salário em cheque", revelou o diretor financeiro do Palmeiras, Fabio Raiola, em entrevista à Folha.

O ex-jogador Edmundo está na fila de credores do treinador. Em 1999, Luxemburgo passou dois cheques sem fundo para Edmundo, totalizando R$ 400 mil. O ex-vascaíno, em 2006, ganhou processo contra Vanderlei, mas ainda não recebeu um centavo.

Por conta dos juros, o montante já soma R$ 1,3 milhão. Diante das dificuldades em receber, o advogado de Edmundo, Luiz Roberto Leven Siano, entrou com um pedido na Justiça para bloquear duas contas identificadas na Espanha. R$ 800 mil avaliados em carros também tiveram seu bloqueio solicitado, no entanto, não houve pronunciamento da Justiça.

O treinador ainda tem divergências com o fisco. Segundo o relatório da CPI do Futebol, no Senado, Vanderlei devia algo entre R$ 5 milhões e R$ 6 milhões, entretanto, representantes do ex-palmeirense alegam que a dívida gira na casa de R$ 1 milhão. Porém, Vanderlei também está na fila dos credores: O Palmeiras ainda deve R$ 1 milhão ao seu ex-técnico.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]