i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Inovações em saúde

Para evitar fraudes e sequestros, empresa cria coleta de biometria para bebês

  • PorGazzConecta, com colaboração de Millena Prado
  • 03/09/2020 19:34
Biometria neonatal.
O sistema pode ser utilizado por municípios, hospitais e maternidades.| Foto: Divulgação/Natosafe

“As duas maiores preocupações de mães quando dão a luz são a saúde do bebê e a segurança da maternidade, para que seus filhos não sejam trocados”, afirma Ismael Akiyama, CEO da Natosafe. A empresa é especializada na coleta e processamento de biometria de crianças de zero a cinco anos. Mas por que ter dados biométricos, mesmo tão cedo, é importante para a segurança de pais e crianças?

Segundo dados do IBGE de 2017, 3 milhões de brasileiros não têm  qualquer tipo de documento. Para a Natosafe, este e outros problemas relacionados à documentação falsa, tráfico de crianças e desaparecimentos podem ser resolvidos a partir da identificação biométrica de crianças ainda na sala de parto.

Com a tecnologia desenvolvida pela empresa curitibana, é possível colher a biometria de crianças logo após o nascimento e vincular ao registro de suas mães, enviando as informações à autoridades e aumentando a segurança em todos os processos de registro de bebês.

A coleta é realizada por meio da plataforma INFAT.ID, certificada em março pela agência Federal Bureau of Investigation (FBI). Segundo o CEO da empresa Natosafe, uma das maiores inovações do modelo é poder realizar biometria mesmo de uma criança tão pequena, que exige soluções avançadas de inteligência artificial para que a imagem tenha qualidade.

Ismael, que já tem experiência na área de identificação biométrica, viu no segmento uma brecha que dá margem para diversas fraudes. “Os sistemas atuais não conseguem processar impressões digitais de crianças abaixo de cinco anos de idade. Começamos a investir em pesquisa e desenvolvendo uma solução com scanner de alta resolução que utiliza inteligência artificial para analisar em tempo real a imagem coletada”, explica.

Segundo a Natosafe, o processo evita uma série de fraudes como, por exemplo, a falsificação de Certidões de Nascidos Vivos, que são entregues aos cartórios para a confecção de Certidões de Nascimento. O sistema pode ser utilizado pelo estado para a facilitação de identificação ou por clínicas e maternidades, para o controle de acesso e evitando a troca de bebês. Hoje os controles de acesso são realizados na maioria das vezes com pulseiras com o nome do recém nascido e da mãe.

“A pulseirinha de identificação na maternidade não é segura, então os hospitais podem implantar essa solução para fazer o controle de acesso ligando através da verificação biométrica a criança aos pais”, destaca Ismael. 

Acordos com estados

Alguns estados brasileiros como Goiás, Pernambuco e Rio de Janeiro estão em fase de negociação para homologação da ferramenta. Em Goiás, por exemplo, o convênio permite que o recém nascido saia da maternidade com Certidão de Nascimento e CPF, com reconhecimento biométrico.

No Paraná, o processo está em fase de assinaturas de convênio, a expectativa é que até o final de 2020 seja instalado um projeto piloto na maternidade do Hospital do Trabalhador, em Curitiba, que realiza o controle de acesso por meio de digitais.

Até o início de 2021 a Natosafe espera disponibilizar a tecnologia também para famílias que queiram armazenar a identificação e em caso de eventualidades podem fornecer a verificação biométrica ao Estado. Segundo Ismael, a tecnologia está em conformidade com a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) que passa a vigorar em 2021, pois não une identificações biográficas  —  como nomes e datas de nascimento —  as informações biométricas.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.