Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Frederico Vega é fundador da Cargo X.
Frederico Vega é fundador da Cargo X.| Foto: Marcelo Pereira/FOTOKA

Ao dobrar de tamanho em 2019, a Cargo X, startup de logística que conecta caminhoneiros autônomos a transportadoras por machine learning, quer desbravar estradas ainda mais distantes nos próximos meses. Em 2020, a logtech vai expandir seu marketplace e ampliar os serviços financeiros às mais de 1 mil empresas frotistas cadastradas na plataforma — destinando R$ 500 milhões em capital de giro e oferecendo empréstimos para compra de caminhões. Com tudo isso, a empresa que nasceu dentro do Cubo Itaú, o maior hub de inovação da América Latina, quer se tornar o próximo unicórnio brasileiro.

“Quero ampliar o capital de giro para as transportadoras porque ele é muito pequeno. Afinal, se elas crescem, eu cresço junto”, avaliou Federico Vega, fundador e CEO da startup. A estratégia de capitalizar teve início em junho, quando a Cargo X anunciou um aporte de um fundo de investimento de R$ 100 milhões. A oferta de crédito está sendo realizada em parceria com um banco, que não foi revelado pela startup.

A estratégia de Vega não é infundada. Segundo a ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres),  Brasil conta com uma média de 150 mil transportadoras, com cerca de 7,6 caminhões. A principal dificuldade dessas empresas, por sua vez, é ter dinheiro em caixa para investir em frota, contratação de pessoas e abastecimento. Afinal, é comum os clientes demorarem para efetuar o pagamento da entrega.

Planos para 2020

Para manter um crescimento de 20% ao mês, a Cargo X vai expandir seu marketplace gratuito que conecta empresas a transportadoras de cargas de grande porte, a Cargo Force.  A plataforma permite que as empresas contratem os serviços de frete que desejarem. O oposto também pode ocorrer. As transportadoras podem oferecer seus serviços às companhias e selecionar as melhores propostas. Entre os clientes da plataforma estão a Ambev, Votorantim e Unilever.

Com 400 funcionários e meta de crescimento de 100% em 2020, a startup deve ser tornar o próximo unicórnio brasileiro, de acordo com relatório da consultoria global CB Insights.

“Quando começamos o negócio, em 2014, poucos caminhoneiros tinham acesso ao smartphone. Hoje, eles já têm o aparelho e a internet está melhor. Afinal, no futuro, quem não estiver conectado, estará fora do mundo”, avaliou o empreendedor.

2 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]