Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Aplicativos online ajudam a testar a velocidade e a performance da sua internet.
Aplicativos online ajudam a testar a velocidade e a performance da sua internet.| Foto: Unsplash

A pandemia da Covid-19 deixou, e ainda tem deixado, muita gente em casa. O trabalho se transferiu da empresa para o próprio lar. As crianças, que estariam no colégio, passaram a compartilhar o mesmo espaço com os pais durante todo o dia. Mas não foi só o mesmo espaço. A internet também passou a ser compartilhada e de forma ainda mais intensa. De dia, enquanto os pais trabalham, os filhos se conectam para assistir às aulas virtuais do colégio. De noite, é hora de os pais relaxarem e assistirem a algum filme na Netflix, e ao mesmo tempo os filhos se transformam em gamers para jogar no computador e assistem a uma live do artista preferido.

Com a internet a pleno vapor durante praticamente 24 horas e com várias pessoas e dispositivos conectados ao mesmo tempo, é natural que em algum momento ela sinta a pressão e não consiga entregar o que se espera dela. Por isso, é fundamental saber se o provedor está entregando aquilo que foi contratado, se o plano atende às necessidades da família, se existe algum problema na casa que está atrapalhando o desempenho do sinal, e mesmo se algum vizinho está entrando de gaiato na conexão.

Para saber se tudo está do jeito que deveria, a Gazeta do Povo preparou um guia para ajudar a identificar possíveis problemas na conexão, como solucioná-los e como melhorar o desempenho da internet em casa.

Como testar a velocidade?

Quando acessamos a internet, tudo gira em torno da velocidade. E ela deve estar de acordo com o que foi contratado no provedor de internet. Se você paga por um plano de 50 Mbps (Megabits por segundo), espera-se que essa seja a velocidade atingida. Uma maneira simples de saber se tudo está em conformidade é fazer um teste no computador ou no celular. Existem vários sites que fazem o cálculo e entregam rapidamente, e de graça, a velocidade da sua internet.

Para que o resultado seja o mais confiável possível, é recomendável que o teste seja realizado em um computador ligado via cabo no roteador da internet. Assim, qualquer problema de desempenho do sinal sem fio não vai impactar na medição da velocidade. Se você não tiver essa opção, faça o teste próximo ao roteador wi-fi da sua casa. Além disso, não realize o teste ao mesmo tempo em que estiver acessando outra coisa na internet.

Se o teste foi realizado na rede sem fio e os resultados não agradaram e não chegaram ao contratado, então é melhor fazer outras verificações antes de ligar para o provedor e abrir uma reclamação. Isso porque algumas situações podem interferir na qualidade do sinal wi-fi, não sendo, assim, necessariamente um problema do provedor.

Como melhorar o sinal do wi-fi?

Localização

A posição do roteador é primordial para a boa distribuição do sinal wi-fi pela casa. É importante que seja instalado no cômodo onde a internet será usada com mais intensidade. E, de preferência, que esse cômodo seja central, para que o sinal chegue a todos os cantos da casa por igual. Outro aspecto importante é deixá-lo o mais alto possível, expandindo o sinal em todas as direções. Vale lembrar que o aparelho funciona com ondas, então qualquer obstáculo, como parede, vai reduzir a qualidade do sinal e, consequentemente, a velocidade. Portanto, se ele estiver próximo a telefones sem fio e micro-ondas, é possível que haja interferência no sinal.

Tecnologia

Os equipamentos evoluem rapidamente e seu roteador wi-fi precisa evoluir junto. Por isso, é importante saber se o seu aparelho suporta o que há de mais novo.

Olhando o manual, verifique o tipo de tecnologia que ele usa. Por exemplo, se encontrar os códigos 802.11n e 802.11ac, fique tranquilo, você tem o que precisa. Mas se a tecnologia que constar no manual for 802.11a, 802.11b ou 802.11g, talvez seja a hora de comprar um novo roteador ou pedir a troca para o seu provedor.

Segurança

Sem você saber, um vizinho pode estar usando a sua internet, criando não só problemas de privacidade — ele está dentro da mesma rede —, mas também de desempenho. Para evitar que isso ocorra, é recomendado que se altere frequentemente a senha de acesso à rede wi-fi, ainda mais se você ainda usa aquela que o provedor passou e está grudada no roteador.

Para alterar a senha, é preciso entrar nas configurações do roteador, como consta no manual dele. Você também pode entrar em contato com o suporte do seu provedor para pedir ajuda.

Repetidor

Se tudo estiver funcionando bem, mas o sinal segue muito fraco em algum cômodo, principalmente longe do roteador, uma boa dica é investir em um repetidor. Este equipamento é bem pequeno e prático. Ele é ligado na tomada e vai melhorar o sinal wi-fi a partir dele.

Vale lembrar que o repetidor não aumenta a velocidade e sim o alcance. Mas é importante instalá-lo em um local que ainda receba o sinal do roteador e que o distribua para o restante da casa. Claro, se a casa for grande, é possível instalar mais de um aparelho. Um repetidor custa a partir de R$ 60 e pode chegar a R$ 300. Por isso, antes de comprar, é importante ler as definições dele e verificar se vai atender às suas necessidades.

Todos juntos, pode?

Imaginemos o trânsito de uma grande cidade. Fora do horário de rush, há menos carros e o tempo de deslocamento entre dois pontos é menor. Já no horário de maior movimento, mais tempo levará para vencer a mesma distância. A lógica é a mesma para a internet: quanto mais dispositivos conectados, menor será o desempenho. A questão é saber o quanto isso vai interferir.

O impacto vai depender do que cada pessoa está acessando. Imagine uma casa. Os pais estão, ambos, em reuniões virtuais de trabalho. Enquanto isso, um filho está tendo aula a distância e outro está no computador jogando. Se o plano contratado não for dos melhores, é provável que a velocidade caia, prejudicando, por exemplo, a qualidade da imagem da aula e das reuniões, e atrapalhando no desempenho do jogo.

Para tentar estimar o quanto você precisa de internet, vale fazer algumas contas. Pense no pior cenário, no qual todos em casa estão acessando a internet ao mesmo tempo. Faça a conta do que cada um gasta, some e veja o total. O valor final é o mínimo de velocidade que você precisa. Abaixo alguns exemplos de quanta internet é necessária para realizar algumas tarefas.

Netflix

Segundo a principal plataforma de streaming do mundo, para acessar o Netflix é preciso uma conexão de apenas 0,5 Mbps, mas isso será refletido na qualidade de imagem mais baixa. Para assistir a vídeos em HD, o mínimo necessário sobe para 5 Mbps. E se você quer, de todo o jeito, filmes em qualidade 4K, separe 25 Mbps só para isso. A própria Netflix criou uma ferramenta para verificar se a sua conexão dá conta. Basta acessar este link.

YouTube

O serviço de vídeos do Google é um pouco mais econômico que o Netflix, mas não se anime tanto. Na pior qualidade, é necessário apenas 0,7 Mbps de velocidade de conexão. Na qualidade HD, separe 2,5 Mbps. Já os vídeos em 4K, bem mais pesados, vão exigir 20 Mbps da sua internet.

Zoom

As videoconferências se tornaram cada vez mais comuns durante a pandemia. E para tirar o máximo de proveito delas, vendo perfeitamente os colegas e familiares, e também passando sua imagem para eles, é preciso ficar atento aos requerimentos mínimos da plataforma.

No caso do Zoom, uma das mais populares, é necessário 1,5 Mbps para a qualidade HD. Caso queira uma reunião em Full HD, a velocidade sobe para 2,5 Mbps. Isso, claro, para assistir. Mas como você também vai precisar enviar, é necessária uma velocidade de upload mínima de 1,5 Mbps para HD e de 3 Mbps para Full HD.

Games

Os jogos de computador não tendem a usar tanto a internet da casa. Mas, claro, isso depende do jogo. O que se recomenda, em geral, são pelo menos 3 Mbps. Só que esse valor pode aumentar em determinados momentos, podendo interferir no desempenho do jogo caso outros dispositivos estejam usando a mesma conexão. Outro aspecto a ser levado em conta é o chamado ping (latência), que é o tempo entre o envio e o recebimento de dados entre o dispositivo e a rede. Quanto menor, melhor.

Download e upload

O download, basicamente, é o que você recebe. Um arquivo no e-mail, uma foto no WhatsApp, um vídeo assistido. Já o upload é o que você envia, ou seja, a live que você faz, o documento mandando pelo Skype ou uma mensagem enviada no WhatsApp. Cada uma dessas tarefas é executada em uma velocidade.

Geralmente, os provedores oferecem a velocidade de download dez vezes maior que a de upload — a lógica é que você recebe mais do que envia. Por isso, se você precisa enviar muitos arquivos, é importante buscar um plano com velocidade de upload mais alta.

Fibra óptica, cabo ou satélite?

A forma como a internet chega à sua casa pode ser determinante para o desempenho. Hoje há, basicamente, três tecnologias para transmitir dados. A fibra óptica é a que vem ganhando espaço. Nela, os dados são transformados em luz e transmitidos com velocidade maior. Além disso, é praticamente livre de interferências.

Já a conexão por cabo é ainda muito popular aqui no Brasil e tem tecnologia mais simples que a fibra óptica e, por isso, entrega velocidades menores. Há também a conexão via satélite, na qual os sinais são enviados para e recebidos de um satélite no espaço. Ela é bastante utilizada em locais onde não há estrutura de cabo de ou fibra.

6 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]