Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
O Gazz Open Innovation tem o objetivo de estimular a inovação nas empresas em duas etapas: uma maratona online e um programa de aceleração das ideias. As solução buscam sanar problemas reais do mercado.
O Gazz Open Innovation tem o objetivo de estimular a inovação nas empresas em duas etapas: uma maratona online e um programa de aceleração das ideias. As solução buscam sanar problemas reais do mercado.| Foto: Daniel Nardes / Gazeta do Povo

Empresas tradicionais encontraram, nos últimos anos, uma nova maneira de solucionar seus problemas de forma rápida e agilizada: a inovação aberta, prática que envolve parceria com startups e que cresceu 20 vezes nos últimos cinco anos só no Brasil. É com o objetivo de estimular a inovação nas empresas e fomentar o crescimento desse ecossistema no Brasil que o GazzConecta, em parceria com a startup Panic Lobster, criou o Gazz Open Innovation e o Gazz Stage, dois projetos interligados que prometem aproximar esses atores.

O Gazz Open Innovation consiste em duas etapas de inovação. A primeira é uma maratona de inovação (também conhecida como hackathon) online. Em cinco dias, mentes brilhantes se unem em times e buscam soluções inovadoras para desafios reais de um segmento. As melhores soluções, além de receberem uma premiação, são selecionadas para integrar a segunda etapa do programa: o Gazz Stage, novo programa de aceleração de projetos para transformá-los em startups prontas para o mercado.

O Gazz Open Innovation terá quatro edições em 2021, cada uma voltada a um segmento de mercado. A primeira, de mercado imobiliário e construção civil, será realizada em abril.
O Gazz Open Innovation terá quatro edições em 2021, cada uma voltada a um segmento de mercado. A primeira, de mercado imobiliário e construção civil, será realizada em abril.| GazzConecta

Nesta fase, o programa dará suporte às equipes para que suas ideias se viabilizem como empresa. Ao longo de três meses, o processo vai envolver mentoria com especialistas para o desenvolvimento do projeto, assessoria em processos (da precificação à construção da marca) e rodadas de pitch com potenciais investidores. Dessa maneira, o Gazz Open Innovation e o Gazz Stage são uma nova oportunidade para conectar talentos e gerar ideias e soluções que impactem o mercado positivamente.

“O papel do GazzConecta vai além de contar, registrar e jogar luz ao que está acontecendo no ecossistema e na transformação do ecossistema empresarial. Queremos ser uma ferramenta capacitadora para este momento disruptivo que estamos vivendo. Temos convicção de que é pela inovação aberta que se constroem soluções sólidas para o enfrentamento deste momento”, explica Andréa Sorgenfrei, head da Pinó, unidade de novos negócios da Gazeta do Povo que integra as marcas Bom Gourmet, GazzConecta e HAUS. “Por isso, o Gazz Open Innovation será transformador”.

Para Tiago Gavassi, cofundador da Panic Lobster, a pandemia do coronavírus alavancou a inovação como questão de sobrevivência, e não de luxo. “Com frequência, vemos empresas que se frustram com inovação porque, muitas vezes, ela é vendida com um algo inspiracional, quando deve ser encarada como um processo operacional que faz parte do negócio. Um movimento como o Gazz Open Innovation não é apenas uma oportunidade da empresa para encontrar potenciais soluções para o seu segmento de mercado, mas também para incorporar na sua cultura processos de gestão de inovação de forma mais pragmática”, aponta.

Ele completa ainda que, com o Gazz Stage, a continuidade aos projetos criados na maratona a partir de uma incubação aumenta exponencialmente as chances da viabilidade dessas soluções para o mercado. “E claro, isso gera uma oportunidade competitiva para as empresas parceiras da iniciativa”, complementa.

Primeira edição busca soluções para construção civil e mercado imobiliário

Ao longo de 2021, serão realizadas quatro edições temáticas do Gazz Open Innovation, cada uma voltada a um segmento do mercado. A primeira será em abril, e vai procurar resolver desafios voltados à construção civil e ao mercado imobiliário – área na qual suas respectivas startups são chamadas de construtechs e proptechs (uma abreviação de “tecnologia de construção” e “tecnologia de propriedades” em inglês).

A maratona vai lançar quatro desafios a serem solucionados pelas equipes, cada um contemplando uma etapa da cadeia produtiva do setor: construção, projetos, aquisição de imóveis e propriedades em uso.

“O setor da construção civil e de toda a jornada de compra de um imóvel é uma área fértil para ser explorada. A inovação aberta é um passo fundamental para este setor que já está se reconfigurando. Aplicar a metodologia do Gazz Open Innovation será uma forma fantástica de acelerar este movimento”, relata Sorgenfrei.

Na sequência, será vez de abordar os temas de agronegócio, gastronomia e ESG – sigla que significa “meio ambiente, social e governança” e resume novas práticas de sustentabilidade abarcadas por empresas. Os desafios de gastronomia serão realizados em parceria com o Bom Gourmet, que realizou o Hack Pela Gastronomia em 2020.

As inscrições para a maratona serão gratuitas, e todo o processo do Gazz Open Innovation será realizado online. A iniciativa é aberta para qualquer pessoa que deseja contribuir com sua experiência para os desafios. Para participar, não é necessário ter conhecimento em tecnologia e desenvolvimento: as inscrições são abertas a todas as áreas, buscam abranger profissionais com formações complementares.

A jornada do hackaton é dividida em sete etapas:

Etapas do hackaton

1. Primeiro, há uma rodada de conteúdo sobre o tema. Três lives serão feitas com especialistas para explicar o setor e debater sobre suas dificuldades.

2. Na sequência, são lançados os desafios do hackathon - um para cada categoria.

3. Estudantes e profissionais de diferentes habilidades e lugares do Brasil se inscrevem de forma online e gratuita para participar dos desafios.

4. Depois de inscritos, os participantes formam times multidisciplinares e escolhem de qual desafio desejam participar.

5. Em seguida, acontece a maratona em si: durante cinco dias, as equipes recebem conteúdos e mentorias para desenvolverem suas ideias.

6. Ao final desse período, todas as ideias criadas são apresentadas a um júri qualificado que avalia e as classifica em um ranking.

7. As melhores ideias recebem premiação e são selecionadas para serem aceleradas no Gazz Stage.

Metodologia

Toda a metodologia usada para o processo será implementada pela Panic Lobster, parceira do GazzConecta especializada em gestão de hackathons.

Para que os times desenvolvam suas ideias, o Gazz Open Innovation roda o método conhecido por sprint, que utiliza boas práticas de metodologias ágeis. O sprint é conduzido em quatro fases: desenvolvimento de hipótese, criação de protótipo, validação e interação. Em cada uma delas, os times são acompanhados por mentores e precisam cumprir entregas preestabelecidas.

Ao final, as equipes apresentam a solução desenvolvida por meio de um pitch para uma comissão avaliadora. Os projetos são julgados nos quesitos viabilidade, criatividade, inovação, impacto e poder de execução do time. O objetivo é construir soluções concretas para problemas reais.

Confira o cronograma do Gazz Open Innovation - Edição Construtechs e Proptechs:

  • 22 de março: Início das inscrições
  • 12 e 13 de abril: Lives com especialistas
  • 14 de abril: Abertura da maratona e definição de times e mentores
  • De 15 a 18 de abril: Realização da maratona
  • 19 de abril: Envio do pitch final
  • De 20 a 25 de abril: Avaliação dos jurados
  • 27 de abril: Divulgação dos resultados
  • 30 de abril: Início do Gazz Stage

Hack Pela Gastronomia

Em 2020, a iniciativa do Bom Gourmet, plataforma de gastronomia da Pinó, para encontrar soluções para o mercado em meio à pandemia do coronavírus - o Hack Pela Gastronomia – teve 44 equipes participantes, que agora fazem parte de um Banco de Soluções para a cadeia de foodservice, que pode ser acessado gratuitamente.

A iniciativa foi projeto finalista no prêmio Top de Marketing ADVB –PR, e foi eleito pelo Facebook Journalist Project (FJP) para receber o investimento de 40 mil dólares para sua realização.

Saiba mais sobre esse projeto aqui.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]