Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Número de startups cresceu 36,4% no Paraná no último ano, revela estudo do Sebrae
Número de startups cresceu 36,4% no Paraná no último ano, revela estudo do Sebrae| Foto: Sebrae/Reprodução

O Sebrae Paraná divulgou o resultado de seu Mapeamento das Startups Paranaenses, estudo anual que revela dados sobre os ecossistemas de inovação do estado, com números de crescimento, estágio de maturidade, segmentos de atuação, modelos de negócios e receita. A pesquisa foi aplicada às startups do estado entre 15 de novembro e 15 de dezembro de 2021.

De acordo com o levantamento, o Paraná teve um crescimento de 36,4% no número de startups em relação à pesquisa do ano anterior. O total passou de 1.434 para 1.956 startups. Das regiões que mais concentram startups, a região metropolitana de Curitiba e Litoral aparece em primeiro lugar, com 485 startups mapeadas (25% do total). Na sequência, estão a regional de Londrina (379 ou 19%), a de Pato Branco (355 ou 18%), de Cascavel (325 ou 17%), regional de Maringá (304 ou 15%) e de Ponta Grossa (109 ou 6%). Os municípios com maior número de startups são os polos de cada regional: Curitiba, Ponta Grossa, Maringá, Londrina, Pato Branco e Cascavel, além de outros menores que vêm ganhando destaque. No total, foram mapeadas startups em 108 municípios do estado.

"Mesmo com 76% em dez municípios, identificamos startups em 108 municípios paranaenses. Essa é uma característica do nosso Estado e demonstra que é possível inovar em qualquer região”, analisa Rafael Tortato, coordenador de startups do Sebrae Paraná.

Das 28 verticais econômicas analisadas, a que mais apresentou novos empreendimentos foi a Agrotech, com 59 novas startups na comparação com o ano anterior. Considerando os números totais, as verticais com a maior quantidade de startups atualmente são: Agrotech, com 200 negócios; IT & Comunicações tem 193 empresas; Healthtech & Wellness, 140; Edutech, 107; e Construtech, 100 startups.

| Sebrae/Reprodução

"Os resultados sinalizam os setores mais promissores e as tendências. O Sebrae também utiliza o mapeamento para direcionar ações. Neste ano, serão feitos investimentos e ações para fomentar novas startups e também para aquelas que precisam crescer e/ou receber aporte de investidores”, sinaliza Tortato.

Outro indicador positivo ratificado pelo estudo é o número crescente de mulheres entres os fundadores de startups. No mapeamento 2021/2022, 64% das startups têm homens como fundadores e 36% têm mulheres como criadoras do negócio. No levantamento anterior, eram 77,3% homens e 22,7% mulheres. Já em 2019, eram 84% homens e 16% mulheres.

Em relação à geração de lucros e receitas, 721 empreendedores afirmaram que seu modelo de receita é a “venda de serviços” e outros 597 responderam “SaaS” (software as a service ou software como serviço, em português). A “venda de produto” vem em terceiro lugar, com 468. Os outros modelos de receita também têm seu peso, mas com menor destaque: marketplace (216), licença de uso de tecnologia (213), consultoria (196), taxa sobre transações (170), clube de assinatura (104) e venda de dados (36).

O estudo completo está disponível neste link.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]