Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
  • Ícone FelizÍcone InspiradoÍcone SurpresoÍcone IndiferenteÍcone TristeÍcone Indignado
Cris Alessi, Guilherme Barbosa e Yuri Mello
Cris Alessi, Guilherme Barbosa e Yuri Mello| Foto: Divulgação

No Brasil existe uma cultura de que o empreendedorismo é algo ruim ou desafiador, que é caro ganhar dinheiro e que isso é só pra quem é capitalista. Mas para Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, não é exatamente assim que as coisas funcionam no mundo dos negócios.

Cris Alessi participou do podcast Papo Raiz e contou um pouco sobre a trajetória da Agência Curitiba, que desde dezembro de 2007 conecta a prefeitura com startups, empreendedores, instituições de ensino e cidadãos com o Poder Público e setores externos, tendo como foco a inovação através do fomento à atividade econômica e tecnológica, além do desenvolvimento sustentável da cidade.

A especialista em Marketing Digital aproveitou o bate-papo para traçar um panorama do empreendedorismo norte-americano com o empreendedorismo brasileiro que, segundo ela, são dois ecossistemas formados por diferentes agentes que criam possibilidades de desenvolver soluções para o mundo dos negócios ou para um projeto.

“No exterior, a visão de empreendedorismo é algo já de formação, na escola as crianças são incentivadas a empreender e quando chegam à universidade já têm uma visão um pouco diferente sobre emprego e sobre empreendedorismo. Então já ali, ela vê que faz parte da comunidade e do mercado de trabalho de uma forma mais clara. E no Brasil isso já tem acontecido um pouco, mas ainda estamos muito longe dos ecossistemas mais avançados do mundo”. (Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação)

Ainda no caso do Brasil, Alessi destacou que se for questionado às empresas onde elas vão buscar profissionais para resolver um problema, a indústria convencional diz que é na universidade, mas os outros negócios não. “É preciso ter empresários e empreendedores para que isso aconteça”, reforçou.

E foi com essa cultura de inovação e incentivo à pesquisa e construção de soluções, que surgiu o Vale do Pinhão, um programa alinhado aos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU e que, de acordo com Cris Alessi, tem como pilares a reurbanização e sustentabilidade, educação e empreendedorismo, tecnologia, incentivos fiscais e legislação, integração e articulação, visando fortalecer e potencializar o ecossistema curitibano para transformar a capital paranaense em uma cidade cada vez mais inteligente.

Para Alessi, o Vale do Pinhão aliado a essa visão mais ampla do ecossistema de empreendedorismo também pode servir de inspiração para que profissionais entendam a importância da aplicação de conhecimentos como fonte de crescimento e impacto de um negócio. 

O que significa empreendedorismo para você?

Com uma visão de fomento à atividade econômica empresarial, Cris Alessi acredita que o empreendedorismo tem como essência a inovação através do trabalho colaborativo. Além disso, para a presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, quando se fala em construir algo novo é preciso “olhar para os problemas sob o ponto de vista dos negócios”.

Para exemplificar, Alessi ainda fez um panorama sobre o cenário brasileiro de startups e como, as que já existem quanto as que estão começando, se adaptaram às mudanças da sociedade e do mercado de negócios. Para a especialista em Marketing Digital, se existe uma ideia, esta tem que ser executada.

Como praticar (começar) o empreendedorismo?

Para que o empreendedorismo se consolide, segundo Alessi, é necessário que a proposta esteja inserida em um ambiente amigável (ecossistema inovador), que deve ter alguns atores-chave trabalhando para que esse aperfeiçoamento de produtos ou serviços aconteça. “A gente sempre fala em Tríplice Hélice neste ecossistema de inovação: a universidade, o setor público e o setor produtivo ou de negócios”, destacou.

Ela ainda explicou que para colocar em prática o empreendedorismo, compreender a influência de alguns mecanismos regulatórios do mercado e ter os três atores-chave bem conectados para que o ecossistema exista e funcione é fundamental para o desenvolvimento de um negócio.

“A cultura da inovação tem que ser trabalhada todos os dias e por um longo prazo, senão não há transformação”. (Cris Alessi, presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação)

Qual é a importância do empreendedorismo?

Na era da revolução da inteligência, Cris Alessi pontuou durante o bate-papo que o empreendedorismo e a inovação estão muito ligados ao futuro da sociedade. Ela ainda ressaltou que a produção e pesquisa sustentáveis são importantes ferramentas para criar soluções de problemas de forma rápida e objetiva.

Segundo a presidente da Agência Curitiba de Desenvolvimento e Inovação, pensar na relevância do empreendedorismo também deve começar na forma como ele é desenvolvido. Ela enfatiza que alguns empreendedores não pensam em buscar soluções nas universidades, um dos locais onde mais se produz conhecimento e inovação. “É onde você vai achar a solução ideal e, se não encontrar, talvez encontre pesquisadores que podem te ajudar a resolver um problema”, disse.

Principais funções do empreendedorismo para com a sociedade?

Baseado em um modelo social, Cris Alessi ressaltou que o empreendedorismo cria através da inovação possibilidades de negócios sustentáveis e que gerem mudanças em um ecossistema positivo para a realidade das pessoas e da comunidade como um todo, por exemplo, oferecendo mais oportunidades de emprego, capacitação ou mesmo elaborando produtos/serviços que promovam soluções para as diferentes áreas de atendimento à sociedade.

“Desenvolver pesquisa e lucrar com isso faz com que você consiga levantar recursos e, assim, crie mais soluções e mais inovação. É um ciclo. A gente precisa do ambiente e das pessoas, que têm que participar junto disso, porque você tem que preparar e formar essas pessoas a acompanharem essa evolução do ecossistema de inovação”, disse.

Qual é o panorama do empreendedorismo em Curitiba? 

Sendo parte da idealização de um projeto de empreendedorismo que pensa na construção de uma cidade inteligente a partir do desenvolvimento econômico e maior qualidade de vida de seus moradores, Cris Alessi afirma que o potencial e aprendizado tecnológico de Curitiba são enormes e isso só foi possível graças à essência da inovação, que é colaborativa.

“Eu acho que em Curitiba essa virada do empreendedorismo aconteceu de uma forma muito forte nos últimos anos. Se formos ver em termos de recursos, o aporte de crescimento, de faturamento nas empresas é muito significativo nos últimos anos. Nossa cidade é muito fora da curva e a gente tem esse choque de culturas e isso é importante para a inovação”, enfatizou Alessi.

Principais desafios do empreendedorismo

No contexto do empreendedorismo inovador, a especialista em Marketing Digital ressaltou que assim como outras áreas, existem alguns obstáculos que precisam ser vencidos, como pensar na gestão de pessoas, em recursos financeiros, questões burocráticas, resoluções inovadoras e dinâmicas, formas de divulgação do serviço ou produto e satisfação do cliente.

“Quando se fala em empreendedorismo, nós estamos muito à frente dos ecossistemas inovadores do Brasil, mas os investimentos no país e os investidores estão muito longe daqueles modelos norte-americanos, por exemplo, em volumes de investimento, de pessoal e de regulamentação. A primeira coisa que eu sempre falo para empreendedores fazerem é se encontrarem, sentarem e entenderem quais são os objetivos comuns, porque a partir disso você traz as metas. É preciso realmente enxergar quais são os desafios, para saber como superá-los e, então, expandir os negócios” concluiu Cris Alessi.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros

Máximo de 700 caracteres [0]