Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Comerciantes têm utilizado aplicativos de mensagens e plataformas de vouchers para realizar as vendas.
Comerciantes têm utilizado aplicativos de mensagens e plataformas de vouchers para realizar as vendas.| Foto: Unsplash

Com o decreto para fechamento de lojas e shoppings em diversas regiões do país, os grandes centros comerciais estão tendo que recorrer a tecnologia e a criatividade para inovarem na forma como realizam as vendas. Shoppings de Curitiba, por exemplo, anunciaram nesta última semana um sistema de drive-thru onde as lojas usam o WhatsApp para mostrar os produtos e fechar vendas online. Já a entrega das mercadorias é feita no estacionamento, direto aos consumidores, com os cuidados recomendados pelas autoridades de saúde.

Na capital paranaense, entre os shoppings que estão realizando as vendas desta forma estão o ParkShopping Barigui, Mueller, Palladium, São José, Crystal, Jockey Plaza, Estação, Curitiba e Pátio Batel.

No shopping Jardim das Américas o sistema também está ativo, desde a segunda-feira (4). Segundo Daniella Soni, gerente de marketing do shopping o drive-thru é uma alternativa para ajudar os lojistas. “Nós estamos há quase dois meses fechados, o drive-thru é uma tentativa para ajudar principalmente os pequenos empreendedores que têm menos fôlego para aguentar tanto tempo com a loja fechada” explica. A gerente destaca ainda que o sucesso do serviço é avaliado a cada dia para desenhar quais serão as próximas estratégias de vendas, já que grandes centros comerciais não tem previsão para reabertura.

Para quem tem uma loja em um dos shopping que foram fechados, o sentimento é de esperança com a possibilidade de continuar vendendo pela internet. A gerente da Le Lis Blanc, do ParkShopping Barigui, Mariangela Rezende explica que a loja já utiliza a plataforma Action, que oferece um banco de dados com 4,5 mil contatos de clientes da marca que tem ajudado a fortalecer o relacionamento a distância. A tecnologia permite saber, por exemplo, quais compras a pessoa já realizou e até datas de aniversário, estabelecendo uma relação próxima com as clientes.

E esse contato próximo reflete no caixa. As vendas pelo WhatsApp já se mostraram maiores que a do e-commerce da marca, representando um aumento na lucratividade de 162% sob o faturamento do site. Para Mariangela, o sucesso se deve principalmente ao relacionamento com o cliente que foi construído ao longo dos anos. “Plantamos e estamos colhendo. Aprendemos a sorrir com os olhos, a prestar atenção nessa distância necessária, e vamos sobreviver a tudo isso sim, mas vamos ter que se adaptar. A saída para continuar as vendas é tratar o cliente como único, mesmo a distância", finaliza.

Ciclo do Bem

Para alguns dos estabelecimentos da capital, o formato de vendas por aplicativos de mensagens já era utilizado e vai continuar como um aliado das vendas. Já outras iniciativas tem tomado forma agora, como a Ciclo do Bem, da brMalls.

Através do site, o usuário pode adquirir vale-compras nas lojas cadastradas e receber parte do valor da mercadoria de volta, como um crédito para voltar a consumir os produtos daquele mesmo estabelecimento. Em alguns shoppings, ao comprar o voucher os cliente ganha brindes. Com o Ciclo do Bem, o lojista recebe antecipadamente o valor integral da compra para que possa passar com mais tranquilidade pelo período de crise.

O sistema está disponível em estabelecimentos do Amazonas, Espirito Santo, Goiás, Maranhão, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Paraná, Rio de Janeiro e São Paulo.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]