Bioeng mostra como as construtechs podem tornar o setor de saúde mais efetivo
| Foto: Divulgação/Bioeng

O Sebrae Paraná estreiou no último dia 13 uma nova série de artigos contando casos de sucesso de empresas que desenvolvem projetos para construções inteligentes. O Histórias Concretas está sendo escrito pela consultora Adriana Kalinowski*, que também é coordenadora estadual de projetos no Sebrae. Confira o artigo desta semana!

Construções para o setor da saúde: oportunidades e desafios

O que você faria se ao ingressar na universidade para o início da realização de seu sonho descobrisse uma doença crônica?

Foi o que aconteceu com o engenheiro Norton Ricardo Ramos** de Mello, que a partir do desafio enfrentado pela diabetes tipo 1, vocacionou sua carreira para o setor de saúde.  Ao intensificar suas idas aos vários ambientes desde consultórios, laboratórios e hospitais, percebeu o quanto a concepção destes carecia de recursos para atender às necessidades de seus usuários e, principalmente, dos colaboradores de saúde que neles trabalhavam.

Uma necessidade estimulou a criação da Bioeng – Projetos de alta complexidade, que tem por missão fornecer soluções integradas com exclusividade, economia e inovação para tornar os empreendimentos de Saúde mais funcionais e produtivos. Atualmente conta com mais de um milhão metros quadrados projetados para a área da saúde e a expertise Pojevisa, em aprovações nas vigilâncias sanitárias.

Norton tem perseguido o objetivo de inspirar mais atores a voltar seu olhar para especialidades não médicas que interferem nas práticas médicas.

Desafios

A grande dificuldade, segundo ele, é a carência de empresas especializadas em projetos para atender o mercado de edificações em Saúde, evidenciada durante a pandemia, onde o binômio prazo de execução x complexidade, resultou em muitas irregularidades apontadas pelos TCE (tribunais de contas estaduais) e Anvisa, que detectaram inadequações nos projetos dos hospitais de campanha, desde problemas de cruzamento de fluxo até ambientes com risco de contaminação.

A alta complexidade dos projetos arquitetônicos e da Legislação Sanitária requer empresas aptas para desenvolver edificações funcionais, tecnológicas, produtivas, com eficiência energética e que cumpram os protocolos técnicos. Mas não é só isso, os projetos devem incorporar conceitos de humanização, sustentabilidade e foco na experiência positiva dos usuários.

Assim como o desafio da brinquedoteca multissensorial para crianças do Hospital IPO de Curitiba, uma experiência “4D”em uma cenografia positiva, alegre e que estimula os cinco sentidos no momento em que a criança inicia sua aventura, ao interagir com os personagens. Esta brinquedoteca, na temática selva, é única na América Latina e a segunda no mundo com este conceito, até o momento.

Outro aspecto que requer atenção especial ressaltado por Norton, é integrar aos projetos um olhar para equipe interna, os colaboradores dessas instituições, e buscar criar espaços de convivência mais agradáveis, empregando elementos que proporcionem convívio, conforto, humanização e que permitam a descompressão e alívio do estresse e a tensão do cotidiano.

Confira  o vídeo do Ipo Eco Medical Center, cuja referência arquitetônica é de uma árvore  e inclui diversas facilities para atender aos requisitos médicos.

As oportunidades

A Bioeng tem expertise de navegar em segmentos complexos, e em seus estudos aponta duas oportunidades para as construtechs:

1 – Ação cooperada - O programa escritório associado Bioeng – possibilita ampliar oportunidades de negócios por meio da utilização da Expertise Bioeng em projetos arquitetônicos exclusivamente desenvolvidos para a área de saúde, bem como àqueles  que necessitam de aprovação na Vigilância Sanitária (Projevisa)​ e este programa pode conter mentorias, consultorias e missões técnicas.

2- Seniors Living – é o nicho de centros de moradia, convivência, saúde e lazer para idosos, com formatos desde day-use até moradia permanente, focados no público 60+. Estamos falando de uma população que abrange desde os idosos independentes até aqueles que requerem cuidados especiais.

Pensar em edificações projetadas para atender as necessidades específicas desse público, representa uma grande oportunidade de mercado. O envelhecimento da população e o aumento da expectativa de vida contribui para o crescimento da faixa de indivíduos acima de 60 anos e, segundo o IBGE em 2060, eles representarão mais de 25% da população brasileira.

Imagem de um dos corredores internos de um Sênior Living (a ser executado nos Estados Unidos), com o tema "Uma Vila Toscana".  A proposta para promover a longevidade saudável tem como um dos temas uma imersão positiva à um vilarejo, onde cada porta convida a uma atividade. São cores, texturas, aromas, luz e ventilação naturais e lavandas nas sacadas. É o design biofílico conectando o ser humano à natureza.

E essas oportunidades representam somente a ponta do iceberg quando se trata de oferecer soluções que contribuam para amenizar o desconforto e o sofrimento, capazes de acolher e promover a sensação de bem estar físico e emocional.

Conectar uma empresa que tem o propósito de “Ajudar as pessoas a ajudarem mais pessoas”, irá inspirar você. Que tal conferir no site da Bioeng?

**Doutor em saúde e mestre em Engenharia Biomédica, é membro da Sociedade Brasileira de Engenharia Biomédica (SBEB) e da International Federation of Hospital Engineering (IFHE), professor Master in Healthcare Management – FCU, Orlando, FL – USA,  e do MBA da Associação Médica do Paraná é autor de 5 livros na área, inclusive um sobre Diabetes.

***

Para fazer parte da Comunidade Sebrae Construtech e escrever artigos sobre inovação e tecnologia aplicados ao mercado imobiliário e de construção civil, cadastre-se clicando aqui.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]