Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
A Liberfly oferece consultoria gratuita para quem possui dúvidas sobre os próprios direitos durante uma viagem de avião.
A Liberfly oferece consultoria gratuita para quem possui dúvidas sobre os próprios direitos durante uma viagem de avião.| Foto: Aziz Acharki / Pixabay

Nas férias de fim de ano, o fluxo de pessoas nos aeroportos do país chega a aumentar 30%. Junto com essa maior corrente de turistas, crescem também reclamações por atrasos e cancelamentos de voos, extravio de bagagens, overbooking e cobranças indevidas. Diante dessa variedade de problemas, o Gabriel Zanette, de 26 anos, criou em 2016 a Liberfly, lawtech especializada na mediação de conflitos entre passageiros e companhias aéreas.

A startup começou a atuar atendendo reclamações de usuários nas redes sociais das empresas aéreas, principalmente sobre cancelamentos e atrasos. Hoje, a Liberfly oferece consultoria gratuita para quem possui dúvidas sobre os próprios direitos e analisa a probabilidade e facilidade com que um problema de viagem pode ser resolvido na Justiça, por meio de algoritmos de inteligência artificial.

“O trabalho jurídico é realizado por escritórios de advocacia parceiros e só é cobrado se o cliente ganhar. Neste caso, a Liberfly fica com 30% de comissão e o passageiro, com o restante da indenização”, informou Zanette.

De acordo com o advogado, a startup solucionou 7 mil casos até o final de 2019, com 98% de sucesso. Algumas indenizações de alto valor chegaram a R$ 10 mil, sendo que a maioria delas foram sobre cancelamento e atraso de voos. “Aumentamos o número de casos atendidos em cerca de 20% por ano”, calculou.

Para evitar dor de cabeça nas férias de janeiro, confira cinco dicas listadas pela startup:

1- Problema climático
O mau tempo impede a operação dos voos nos aeroportos. De qualquer maneira, vale checar se o motivo do cancelamento ou atraso é esse mesmo. É importante verificar se outros voos estão decolando. Outra dica é tirar fotos do painel de avisos de voos para criar provas em caso de problemas.

2- Registro da bagagem
Extravio de bagagem ocorre com bastante frequência. Por este motivo, é  importante tirar fotos da bagagem aberta (para registrar itens pessoais) e fechada antes de ela ser despachada, assim como da etiqueta de identificação colocada no momento do check-in.  Como reforço de segurança, itens de valor devem ser levados, preferencialmente, na mala de mão.

3- Check-in antecipado
O passageiro deve realizar o check-in pelo site ou pelo aplicativo da companhia aérea e chegar, pelo menos, com duas horas de antecedência para voos nacionais. Em alguns casos, a companhia aérea consegue assentos em posições melhores do avião ou até antecipar a viagem.

4- Escalas espaçadas
Evite comprar passagens que possuam escala com espaçamento curto entre os voos. O risco de uma viagem atrasar e prejudicar a próxima é alto, o que gera transtornos e até atraso na chegada do destino final.

5- Comprovantes aéreos
Peça um comprovante escrito de todo comunicado que a companhia aérea emitir sobre algum problema, como atraso e cancelamento do voo ou extravio de bagagem. O objetivo não é ingressar com uma ação judicial contra a empresa, mas sim negociar com ela e solucionar o problema de forma mais rápida.

LEIA TAMBÉM
>>> Robô assistente em formato de bolinha é apresentado
>>> Nubank faz aquisição para suprir escassez funcionários
>>> CEO da Samba Tech revela regra que move inovação de sua startup

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]