i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Amsterdã pretende acabar com as vitrines do polêmico ‘Red Light District’

  • PorLuan Galani
  • 04/07/2019 14:48
Foto: Bigstock
Foto: Bigstock| Foto:

Os dias das mulheres expostas como mercadorias nas vitrines do Red Light District, o polêmico ‘bairro do sexo’ holandês em Amsterdã, parecem estar contados. A primeira prefeita mulher da capital da Holanda, Femke Halsema — eleita em 2018 pelo partido GroenLinks (Esquerda Verde, em tradução livre) –, apresentou no último dia 3 de julho planos para revitalizar o bairro, acabando completamente com o sistema de vitrines.

Quatro cenários estão em consideração pela Prefeitura de Amsterdã: terminar com o esquema de vitrines, instalar um sistema de alvarás especial para os estabelecimentos, reduzir o número de bordeis drasticamente ou fechá-los simultaneamente e transferi-los para outra região da cidade, com controle rígido de entrada e saída das pessoas.

AMSTERDAM, NETHERLANDS - MARCH 26: Red light district called De Wallen on March 26, 2013 in Amsterdam
AMSTERDAM, NETHERLANDS - MARCH 26: Red light district called De Wallen on March 26, 2013 in Amsterdam

As opções serão apresentadas ao moradores e comerciantes do bairro em encontros públicos durante todo o mês de julho. Depois de escolhida uma das opções, o projeto será submetido à Câmara de Vereadores de Amsterdã.

Segundo Femke, os objetivos são três: proteger as mulheres de condições degradantes de trabalho, reduzir o índice de crimes na região e reviver o bairro de mais de 500 anos que, junto com os canais de Amsterdã, é considerado Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco.

Amsterdã pretende acabar com as vitrines do polêmico ‘Red Light District’

A área fez parte do novo porto urbano construído no final do século 16, que mudou até os limites das fortificações da cidade, chamadas de Singelgracht. O programa de governo da época conseguiu revolucionar o local por meio da drenagem de pântanos e a instalação de canais em arcos concêntricos, permitindo um desenvolvimento urbano homogêneo.

LEIA TAMBÉM:

Atmosfera do Red Light District de Amsterdã desembarca em bar curitibano

Um dos pontos turísticos mais fotografados da Europa recebe ato em favor da Amazônia

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.