Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Casa azul de cabeça para baixo, na Alemanha.
A casa “o mundo está de cabeça para baixo”, na Alemanha, é a mais fotografada da Europa.| Foto: Iowe 48/Panoramio

É comum que, em um curso de Arquitetura, um dos professores, em determinado momento, vire um modelo/projeto de cabeça para baixo, literalmente. Enxergar o espaço sob essa perspectiva possibilita que, quem projeta casas, prédios e cidades perceba uma nova relação entre ocupante e o espaço construído. E isso ocorre, sobretudo, na exploração de geometrias conceituais.

Mas quando isso acontece em uma casa familiar, a percepção é tão estranha que se torna atração turística: esse tipo de experimento é recente, e se iniciou na Europa em 2007, quando o arquiteto Daniel Czapiewski projetou a "casa de cabeça para baixo" na Polônia, região de Szymbark.

Siga a HAUS no Instagram

Foto: CEPR/Divulgação.
Foto: CEPR/Divulgação.

Falar sobre a tumultuada história política do país e introduzir uma nova consciência de ocupação do espaço (como a casa é inclinada, os visitantes precisam escalar a janela do sótão) foram os objetivos de Czapiewski.

Outro exemplar conhecido é "o mundo está de cabeça para baixo" - die welt steht kopf -, na Alemanha, inaugurada em 2008 após dois anos de projeto e construção. A ideia foi dos empresários poloneses Klaudiusz Gołos e Sebastian Mikiciuk, junto com o designer Gesine Lange. Ela é a primeira do mundo a ter inclusive móveis invertidos, e também a casa unifamiliar mais fotografada da Europa.

 Foto: Iowe 48/Panoramio
 Foto: Iowe 48/Panoramio

Assim como a casa na Alemanha, a Áustria conta com uma residência totalmente mobiliada para chamar de sua, e oferece aos turistas a ideia de ver o mundo "sob a perspectiva de um morcego".

Foto: Tirolland.
Foto: Tirolland.

Já a cidade russa de Ufa ostenta o título de ter a "maior casa invertida do mundo", construída como uma grande obra de arte pública.

| Reprodução/Sputnik News

Inaugurado em 2018, o projeto, que custou cerca de 350 mil euros e tem curadoria de Alexander Donskoy, traz a ideia de um momento "congelado no tempo", com geladeira abastecida, gavetas operáveis e roupas dobradas.

Todas as casas são abertas para visitação.

Conteúdo editado por:Luan Galani
3 COMENTÁRIOSDeixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]