Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Catalã, Carme Pigem foi a terceira mulher a receber o Pritzker pelo trabalho realizado junto ao RCR Arquitectes.
Catalã, Carme Pigem foi a terceira mulher a receber o Pritzker pelo trabalho realizado junto ao RCR Arquitectes.| Foto: Pep Sau

Na manhã desta terça-feira (20), a UIA2021RIO (27º Congresso Mundial de Arquitetos) exibiu uma entrevista exclusiva com os arquitetos catalães Rafael Aranda e Carme Pigem, sócios fundadores do RCR Arquitectes, que, em conjunto com Ramon Vilalta, recebeu em 2017 o Pritzker, a maior honraria da arquitetura.

Na conversa, a dupla de arquitetos frisou que não faz edifícios, mas constrói paisagem. E por isso consideram a arquitetura icônica, encarada como um objeto que é colocado em determinado lugar, como um modismo. "E não nos identificamos com isso", criticam.

Siga a HAUS no Instagram

| Pritzker/Divulgação

Carme também explicou que é a favor de um entrelaçamento mais forte entre interior e exterior. "Vivo na minha casa e saio para me divertir. Por que deve ser assim? Temos que quebrar as fronteiras, e isso sempre foi prioridade para nós", compartilha a arquiteta catalã.

Aranda vai além e complemente: "Olhe o ar-condicionado, por exemplo. Antes as pessoas confiavam nas correntes de ar para ventilar. Agora usam ar-condicionado para não sentir calor no verão. Por quê não podemos sentir calor no verão? É o natural. O estranho é sair de um espaço de 50 graus e entrar em um em que você passará frio", explica Aranda.

| Pritzker/Divulgação

Ainda segundo os arquitetos, a arquitetura global que se vê hoje em dia vive uma repetição de modelos que não considera o que já pré-existia no local, como técnicas, materiais, comunidades, paisagens. "Não nos interessa essa globalização formal. O que nos interessa é falar da essencialidade, que é uma linguagem universal, mas se manifesta de formas diferentes nos lugares do mundo", frisa Carme.

"Fomos procurados pela Arábia Saudita para fazer um projeto. Mas a gente se deu conta que esse não é nosso caminho. Não nos sentimos confortáveis. Não nos identificamos com a arquitetura icônica. É um termômetro de um momento", desafia a dupla durante o bate-papo informal em seu próprio escritório, fundação e laboratório na pequena cidade de Olot, no interior da Espanha. "Essa fórmula é de objetos colocados lá. Não nos interessa sem cultura e sem ligação com o lugar."

| Pritzker/Divulgação

Questionados sobre a sustentabilidade, os arquitetos levantaram diversas questões importantes. "Sustentabilidade é algo claro sobre materiais e sua procedência, derivados ou reciclados. Diria que teria que ser 70% da construção oriunda disso. Depois observe o consumo de energia e onde o usuário estaria disposto a parar de consumir. Teria que ser 80% do total. E fechar com uma intervenção respeitosa na paisagem", opinam.

E discorreram sobre La Vila, um espaço que estão criando para que "as pessoas possam sentir que é possível sonhar", em suas próprias palavras. Esse lugar é como um laboratório de experimentação, em que eles começam a construir como se a humanidade tivesse dado um passo para trás e tratado o ambiente de forma diferente desde o começo, com intervenções inteligentes.

| Jaime Navarros

Em 2019 HAUS conduziu uma entrevista exclusiva com Carme Pigem. Clique aqui para ler na íntegra.

O UIA2021RIO segue até a próxima quinta-feira (22) em formato 100% digital. As inscrições estão abertas. Mais informações podem ser obtidas no site oficial do evento. A entrevista pode ser revista por quem já está inscrito na plataforma. Ela permanecerá disponível por dois anos, segundo informações dos organizadores do evento.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]