i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?
Inovação

Casa na árvore: projeto sugere escola integrada à natureza no pós-pandemia

  • PorBruno Gabriel, especial para HAUS
  • 24/09/2020 15:11
O projeto reforça a conexão entre espaços interior e exterior.
O projeto reforça a conexão entre espaços interior e exterior.| Foto: Valentino Gareri/Divulgação

Imagine uma escola amplamente integrada à natureza, com espaços conjugados entre o interior e o exterior, além de salas de aula que se pareçam com uma casa na árvore. É o que vem propondo o arquiteto italiano Valentino Gareri. Tocado pelo clima de incertezas que assolou os centros de ensino de todo o mundo durante a pandemia, Gareri chegou a um modelo escolar que considera ideal.

Siga HAUS no Instagram

Chamado de Tree-House School, o projeto do arquiteto traz um modelo sustentável e modular, combinando diferentes edifícios educacionais. A ideia é que jardim de infância, Ensinos Fundamental e Médio se encontrem no mesmo ambiente, mas mantendo sua independência.

Concebida como uma casa na árvore, a construção fica distribuída em vários níveis, com espaços interiores e exteriores combinados, permitindo grande flexibilidade para as atividades educativas. A ideia principal é criar uma escola suspensa e imersa na natureza, fazendo com que a relação com o espaço verde seja aumentada não só física, mas também visivelmente.

Nas salas de aula, a relação com o exterior é aumentada
Nas salas de aula, a relação com o exterior é aumentada| Valentino Gareri/Divulgação

Para isso, todos os espaços são encaixados em dois anéis, com dois pátios e uma cobertura utilizável. Cada módulo tem 55 metros quadrados e recebe a configuração para abrigar uma sala de aula com até 25 estudantes. Feitos de madeira laminada colada, os módulos são dispostos em círculos e interligados ao pátio e à paisagem externa. O perímetro circular apresenta painéis opacos que ajudam a bloquear a luz solar direta, enquanto um conjunto de painéis transparentes difunde a luz e oferece vistas desobstruídas.

A proposta de Valentino Gareri ainda inclui a ideia de autossuficiência para o complexo. Com diversos dispositivos para economia de energia, o edifício traz coletores de água de chuva, painéis fotovoltaicos e turbinas eólicas no telhado mais alto. Com isso, o arquiteto busca trazer a ideia de sustentabilidade na prática para crianças e adolescentes no período educacional.

A escola é distribuída em várias camadas, sendo também aproveitadas as coberturas, o que permite flexibilidade para atividades educacionais.
A escola é distribuída em várias camadas, sendo também aproveitadas as coberturas, o que permite flexibilidade para atividades educacionais.| Valentino Gareri/Divulgação

Por conta do conceito de modularidade, o projeto também permite que diferentes necessidades sejam atendidas no mesmo edifício. Por exemplo, um centro médico temporário para emergências ou até mesmo residências temporárias poderiam ter seu espaço.

Feito com materiais naturais e técnicas construtivas de baixo custo, o projeto é visto como flexível e adaptável, o que poderia trazer benefícios à comunidade e, a partir daí, até mesmo a requalificação de áreas periféricas.

Reflexão sobre as cidades

O professor do Instituto de Arquitetura e Urbanismo da USP, Miguel Antonio Buzzar, salienta que incentivar o uso de espaços abertos não é exatamente inédito no contexto escolar. Segundo ele, a ideia de ambientes que permitam uma grande circulação do ar e tenham boa salubridade está presente em outros momentos da história da arquitetura.

“Já existiu anteriormente um movimento open air school, que incentivava que escolas tivessem grandes aberturas. Na época, o objetivo era evitar a proliferação da tuberculose”, diz. Segundo Buzzar, o que Valentino Gareri propõe pode ser visto como uma nova proposta para movimentos desse tipo.

O professor cita, ainda, o que considera ser o ponto mais importante do projeto do italiano: permitir a reflexão sobre qual é o tipo de cidade que teremos no pós-pandemia. “A escola pode até satisfazer a questão da salubridade, mas e se depois o aluno vai para um transporte coletivo abarrotado e um conjunto habitacional de espaço exíguo?”, questiona.

Para Buzzar, a ilustração apresentada por Gareri precisa ser pensada junto a todas as condições das grandes estruturas urbanas, o que vai desde os meios de transporte até eventos culturais. “Pensar a escola como um dispositivo de transformação exige um pensamento maior de conjunto, pois, sozinha, a proposta não tem essa capacidade de transformação”, garante.

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.