Praia urbana e videowall são destaques do Cubo Itaú, coworking que reúne 250 startups

Assinado pelo escritório Pitá Arquitetura, prédio completa um ano com cores vibrantes e espaços de descompressão originais

Geometria do piso cria ilusão de mar azul, areia, e vegetação na cobertura. Foto: Renato Navarro/Divulgação

por Gazeta do Povo

19/09/2019

compartilhe

Em tempos de projetos corporativos influenciados pelas soluções disruptivas do Vale do Silício, como ressignificar a linguagem dos escritórios de maneira original? O projeto do Cubo Itaú, prédio em que completa um ano reunindo mais de 30 empresas mantenedoras, entre elas a Gazeta do Povo, além de 250 startups e 1.250 empreendedores que diariamente frequentam o local, têm essa resposta.

Inaugurado em 2018 em São Paulo, os espaços brincam com cores e diferentes materiais que se afastam da clássica linguagem corporativa. Assinado pelo escritório Pitá Arquitetura, a principal premissa são as cores vibrantes que se intercalam — um “cubo mágico” que vai girando ao longo dos ambientes. Ao mesmo tempo, a neutralidade era importante para concentrar a diversidade das empresas que se concentram no espaço e para poder receber de estudantes a investidores.

Foto: Renato Navarro/Divulgação

O cinza serve como base para a brincadeira com as cores. A partir dele, pontos de cor são espalhados por cada ambiente. Essa solução perpassa todos os ambientes de uso comum — salas de reunião, auditório, espaços colaborativos —, criando a identidade do prédio. O piso vinílico toma o lugar dos carpetes nas áreas de circulação, também jogando com tonalidades de cinza.

“É um projeto que tem cor, tem volume e tem bossa; [ao mesmo tempo,] ele não é contido, mas está dentro de um desenho que pode durar um bom prazo”, conta o arquiteto Antonio Mantovani, da Pitá, em entrevista à Galeria da Arquitetura.

Um dos principais destaques do projeto é a “praia urbana” que os arquitetos criaram na cobertura do prédio. Para isso, eles se utilizaram de espreguiçadeiras e desenhos geométricos com grama sintética colorida que simulam o movimento da areia, do mar e da vegetação a partir de linhas curvas que se sobrepõem.

Foto: Renato Navarro/Divulgação

Outro ponto de impacto é o videowall colocado logo na recepção. As telas interligadas dão a impressão de um grande painel, que sempre está em movimento e faz alusão ao centro de tecnologia que o Cubo representa. Com paredes de vidro e entrada aberta para a rua, o térreo convida os passantes a se interessarem por essa tecnologia.

Videowall na recepção é um dos destques do projeto. Foto: Renato Navarro/Divulgação

Também no térreo fica o café, que compartilha da tipologia colorida da entrada. As paredes são forradas de lambe-lambes coloridos e os móveis conversam com essa paleta de cores. “É um mobiliário colaborativo espalhado e simpático, onde as pessoas se jogam, trabalham, fazem reuniões”, comenta Mantovani na entrevista.

Foto: Renato Navarro/Divulgação

A sede inaugurada em 2018 é quatro vezes maior que a anterior, totalizando 20 mil m² — é o segundo maior coworking do Brasil em espaço. Dos 14 pavimentos, alguns são duplos e se utilizam de mezaninos, com paredes de escalada que criam “caminhos possíveis” de um ao outro. O primeiro e segundo andares são reservados ao auditório de 380 lugares; as startups são distribuídas entre o terceiro e o 12º piso; e nos dois superiores ficam os espaços de descompressão.

Foto: Renato Navarro/Divulgação

LEIA TAMBÉM

Salas secretas explodem como tendência nos projetos de escritórios dos Estados Unidos

Dois escritórios de arquitetura brasileiros figuram entre os dez mais promissores do mundo

Arquiteta de SP comanda um dos escritórios de interiores mais badalados do Brasil

Como será Paris em 2050? Escritórios internacionais lançam diferentes visões do futuro da capital francesa

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você