Curitiba adota tecnologia de ponta usada em Notre-Dame para preservar imóveis históricos

Teatro Paiol, antigo Moinho Rebouças e Solar do Barão são as primeiras cobaias da nova ferramenta que auxilia na preservação

Imagens: Arte Maggiore/Divulgação

por Luan Galani

25/06/2019

compartilhe

Curitiba acaba de adotar em forma de projeto piloto o escaneamento a laser de imóveis históricos para criar modelos superprecisos das construções e auxiliar na sua preservação. A mesma tecnologia de ponta foi utilizada no restauro da Catedral de Notre-Dame, antes do incêndio de abril, e chega à capital paranaense com o escritório de arquitetura e restauro Arte Maggiore.

Agora esses mapas digitais em 3D estão auxiliando as autoridades francesas nos projetos de recuperação da estrutura da igreja. Por aqui, as primeiras “cobaias” da nova ferramenta foram o Teatro Paiol e o Engenho de Inovação, antigo Moinho Rebouças. O Solar do Barão será o próximo.

>>> Alimentar pássaros faz bem gigantesco para as cidades

Imagens: Arte Maggiore/Divulgação

“A precisão da medição é de 0,06 milímetros, o que torna o trabalho muito mais rápido e eficaz em detectar desgastes e problemas estruturais nos edifícios, além de ajudar na concepção de projetos para restauro ou retrofit, por exemplo”, explica o arquiteto Leandro Gilioli, sócio-fundador da Arte Maggiore, com a experiência de quem trabalhou no DIAPReM da Universidade de Ferrara, na Itália, primeiro escritório do mundo a usar a tecnologia em 1998, e que ajudou no escaneamento 3D das ruínas de Pompeia.

O arquivo gerado por meio do escaneamento pode ser transformado e utilizado em diversas plataformas, como o BIM (Buidling Information Model), e o trabalho que levaria um mês para ser feito com uma equipe de quatro pessoas agora pode ser realizado em quatro horas por um único profissional, como frisa Gilioli.

Imagens: Arte Maggiore/Divulgação

“Como projeto piloto, o custo foi zero para o município”, ressalta Frederico Lacerda, diretor jurídico da Agência Curitiba. “Somos uma das primeiras cidades brasileiras a utilizar essa tecnologia na manutenção de prédios públicos e históricos. Mas os mapeamentos ainda precisam ser apresentados para o prefeito e para os secretários, que vão analisar a relevância da ferramenta para o seu dia a dia. Se aprovado, daí partiremos para o processo licitatório”, completa. A decisão deve sair até dezembro deste ano.

O scanner a laser da Leica, adquirido pela Arte Maggiore. Na foto, o arquiteto da empresa Luiz Felipe Canopa e o sócio da Arte Maggiore Leandro Gilioli. Ao todo são oito pessoas trabalhando no projeto. Foto: Prefeitura de Curitiba/Divulgação

Em geral a tecnologia é mais voltada para estudos de terreno e geotecnia, mas se provou uma ferramenta valiosa para arquitetura e restauro. “O scanner gera uma nuvem de pontos pelo espaço, como se cada ponto fosse uma coordenada. Em poucas horas o mapeamento é feito. A precisão é impressionante”, afirma Gilioli . “Paredes antigas, em geral mais tortas, eram medidas meio que na mão para saber se estavam com algum problema. Não existia precisão. Agora há essa alternativa.”

A intenção do arquiteto é que nas próximas licitações de restauro o escritório já possa oferecer a tecnologia, o que permite fazer projetos mais precisos e com maior velocidade.

LEIA TAMBÉM:

Você pode se hospedar em casas de Frank Lloyd Wright; o arquiteto do ‘sonho americano’

A arquitetura macabra do Templo Satânico reconhecido como igreja pelo governo dos EUA

 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você