Um dos símbolos do art déco em Curitiba, prédio do Centro está abandonado

Erguido em 1941, Edifício Tiradentes é um dos únicos da cidade a manter revestimento original em pó de pedra

Prédio construído em 1941 é um dos melhores exemplares do art déco em Curitiba, com linhas verticais e poucos adornos na fachada. Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

por Aléxia Saraiva

27/08/2018

compartilhe

Em uma época em que Curitiba ainda era uma cidade horizontal, despontava na Praça Tiradentes uma construção à frente do seu tempo. Erguido em 1941, o Edifício Tiradentes e seus seis pavimentos — número maior que os três ou quatro comuns ao período — trouxe na fachada um estilo arquitetônico com fortes traços do art déco. Ele marcava a passagem do ecletismo, comum em Curitiba até o fim dos anos 1920, para esse novo estilo que antecederia o modernismo, ajudando a verticalizar o centro e a limpar as fachadas de adornos rebuscados.

Quem explica é o arquiteto e especialista em estética e filosofia das artes Fábio Domingos Batista. Para ele, o edifício é um dos melhores exemplares do estilo em Curitiba e um dos únicos a manter seu revestimento original em pó de pedra. “O art déco tem como característica a construção feita com concreto armado. A partir disso, marquises e varandas curvas que avançam são elementos que tiram proveito desse material”, explica.

Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

LEIA TAMBÉM

>>> Prédio no Centro de Curitiba ganha mega painel colorido de quase 300 m²

Outro elemento típico do estilo são as linhas que sugerem verticalidade, passando a impressão de o edifício ser ainda mais alto. Segundo Batista, o potencial decorativo é explorado com altos e baixos relevos, avanços e recuos.  “Por isso, o art déco também é chamado de protomoderno – é o início do modernismo, que tem um sistema construtivo muito aparente”, completa.

Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

O único sobrevivente

Apenas um dos andares do prédio é ocupado atualmente. O piso térreo abriga uma loja de cosméticos há cerca de dois anos. Todos os outros estão fechados e em desuso, com sinais de depredação. A porta de entrada para o prédio, na lateral da loja, tem marcas da inscrição do nome em letras com tipografia clássica do art déco — das quais apenas duas ainda estão lá.

Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

A imobiliária responsável pelo aluguel do piso térreo, LR7 Imóveis, não se pronunciou sobre o atual estado do prédio. A reportagem encontrou processos na justiça referentes à reivindicação da posse do imóvel após o falecimento da antiga proprietária, em 2013.

Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

LEIA TAMBÉM

>>> Projeto dos Irmãos Campana desenvolve produtos unindo designers e artesãos de vime em Curitiba

No livro “Morar nas alturas” — que estuda a verticalização de Curitiba entre os anos 1930 e 1960 a partir de estudos das professoras Elizabeth Amorin de Castro e Zulmara Clara Sauner Posse, da Universidade Federal do Paraná —, o Edifício Tiradentes consta historicamente como um prédio de uso comercial e de prestação de serviços ou lazer. Esse era um uso comum na região à época, embora a maior parte dos edifícios do período catalogados — 48% do total, segundo o livro — previssem o uso misto: lojas no térreo e apartamentos residenciais nos andares superiores.

Assim como vários vizinhos da Praça Tiradentes, o edifício ocupou não só uma região nobre da cidade como da própria quadra. “Muitos dos primeiros prédios pegavam a esquina para resolver melhor as janelas, a ventilação e a iluminação”, comenta Batista. Ele aponta como exemplo o Edifício Eduardo VII, localizado na esquina oposta, que foi construído em 1950 e tem características arquitetônicas similares.

Foto: Fernando Zequinão/Gazeta do Povo

“O Tiradentes marca o início de uma nova cidade. Ele aparentemente foi muito bem construído, tem uma arquitetura bem refinada, e poderia ser utilizado hoje em dia. É uma pena o potencial que a cidade perde com esse imbróglio”, acrescenta o arquiteto.

Foto da Praça Tiradentes datada do início da década de 1940. Edifício Tiradentes está ao fundo, à direita. Crédito: Acervo/Ippuc

LEIA TAMBÉM

Igrejinha que criou novena de N. Sra. do Perpétuo Socorro e que dá nome ao Alto da Glória é reaberta

 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você