Empresa italiana planeja construir 10 cidades inteligentes no Brasil até 2022

As cidades não terão muros e já atraem centenas de interessados

Foto: Divulgação

por HAUS

14/06/2019

compartilhe

A empresa ítalo-britânica Planet anunciou que pretende construir 10 megaprojetos de cidades inteligentes no Brasil até 2022.

Até agora já foram apresentadas duas oficialmente: Laguna, primeira smart city do grupo em São Gonçalo do Amarante, nas proximidades de Fortaleza, no Ceará, que está recebendo seus primeiros moradores, e Natal, na região metropolitana da capital do Rio Grande do Norte.

Imagem: Divulgação

>>> Conheça o casal que mora sozinho na 1ª smart city social do mundo

De acordo com a italiana Susanna Marchionni, co-fundadora da Planet, o objetivo é iniciar a construção de mais duas cidades ainda em 2019. Ela, contudo, não revela os lugares do país.

O primeiro empreendimento imobiliário — Laguna, no Ceará — tem 330 hectares e vai abrigar lotes residenciais, comerciais e empresariais integrados, em um total de 7.065 unidades , com capacidade para 25 mil habitantes.” Os lotes nas áreas residenciais da cidade têm preços a partir de R$ 24 mil à vista e R$ 29,5 mil a prazo.

“Não será um condomínio fechado”, como esclarece Antonella Marzi, arquiteta e uma das sócias da Recs Architects. A empresa é a responsável pelo projeto de urbanismo da smart city. “Trata-se de uma cidade aberta, como qualquer outra, a cidade não terá muros e seu acesso será livre para qualquer cidadão”, diz.

Foto: Divulgação

O que levou à escolha do país como foco das atividades da empresa italiana sediada em Londres foi não apenas as proximidades culturais entre Itália e Brasil, mas também a amplitude territorial. Segundo a co-fundadora, embora se possa aplicar algumas soluções inteligentes em cidades já muito povoadas, construir uma área urbana desde o começo permite aprimorá-las.

“Em países como o Brasil e Índia, com um grande déficit habitacional, é possível trabalhar do zero porque temos uma possibilidade de fazer um bairro minimizando os erros”, diz, complementando: “Lugares onde já tem muitas pessoas morando, como cidades da Europa ou São Paulo, você pode trabalhar trazendo soluções inteligentes, mas menos em termos de urbanismo porque não é possível ampliar uma rua, por exemplo. Mas tudo o que é tecnologia, inclusão social, pessoas, aquecimento, isso dá para fazer. Em Milão e Roma fizemos dois bairros desse tipo”, conta.

LEIA TAMBÉM:

Ideia de Jaime Lerner para SP, Parque Minhocão é suspenso pela Justiça

 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você