Como você se sentiu com essa matéria?

  • Carregando...
Jockey Plaza tem 200 mil metros quadrados de área construída. O projeto arquitetônico é de Doria Lopes Fiuza, com interiores do Studio Arthur Casas. Foto: Leticia Akemi / Gazeta do Povo
Jockey Plaza tem 200 mil metros quadrados de área construída. O projeto arquitetônico é de Doria Lopes Fiuza, com interiores do Studio Arthur Casas. Foto: Leticia Akemi / Gazeta do Povo | Foto: Leticia Akemi

Maior de Curitiba em Área Bruta Locável e um dos maiores do Brasil em área total, o mais novo shopping da cidade abriu suas portas ao público pela primeira vez nesta quarta-feira (5). Localizado na região do Tarumã, o Jockey Plaza tem projeto de Arthur Casas, do Studio Arthur Casas; Manoel Dória, do escritório Doria Lopes Fiuza Arquitetos Associados e paisagismo de  Renata Tilli.

São 200 mil metros quadrados de área construída, que comportam 400 lojas, 4.200 vagas de estacionamento, das quais 3.500 são cobertas, além de um boulevard gastronômico com sete restaurantes e 28 opções na praça de alimentação.

Interior do shopping Jockey Plaza, o maior de Curitiba. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Interior do shopping Jockey Plaza, o maior de Curitiba. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo | Leticia Akemi

É nesta, inclusive, que está um dos grandes destaques da arquitetura do Jockey Plaza: a vista panorâmica para a pista de corridas do hipódromo do Jockey Clube. No espaço entre os restaurantes, a área foi dividida por bancadas em ilhas menores, com mobiliários e mesas de diversos tamanhos e formatos, incentivando a integração e o uso compartilhado.

>>> Com novo shopping, Jockey muda corridas para domingos e faz festa de estreia neste fim de semana

“É um grande espaço que tem a característica de ser um centro de convivência, onde as pessoas vão usufruir disso em momentos de lazer, de encontros, de compras, com uma vista bem interessante do hipódromo e um belo pôr do sol”, explica Doria. O novo shopping contará com oito salas de cinema operadas pela Cinépolis, porém ainda sem data prevista para inauguração.

Grandes aberturas na praça de alimentação permitem a visualização do hipódromo do Jockey Club. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Grandes aberturas na praça de alimentação permitem a visualização do hipódromo do Jockey Club. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo | Leticia Akemi

Outra aposta dos arquitetos envolvidos está na estrutura de corredores, que transforma a planta interna do shopping em um grande símbolo de infinito ou no numeral 8, como uma proposta de quebrar a sensação de distância entre um ponto inicial e um final do shopping, convidando o visitante a descobri-lo gradativamente, conforme avança na caminhada.

>>> Google lança aplicativo para as pessoas se conectarem com vizinhos e aproveitarem seus bairros

“Acho que os shopping centers tornaram-se, por motivo de segurança, a praça pública das cidades brasileiras. São muito mais do que centros de compras, proporcionam sobretudo o lazer seguro. Nesse tema trabalho principalmente o urbanismo, tentando sempre que possível torná-los mais permeáveis à cidade”, disse o arquiteto Arthur Casas.

Corredores com a sensação de serem infinitos e pontualmente iluminados também são um ponto importante do projeto. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Corredores com a sensação de serem infinitos e pontualmente iluminados também são um ponto importante do projeto. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo | Leticia Akemi

Para criar o aspecto de um ambiente mais natural, o espaço incorpora muito verde e tons pasteis e terrosos, além da inserção de diversos pontos de luz no teto, para aproveitamento da claridade vinda de fora. “A integração visual com o exterior também está nos telhados de vidro, onde há a entrada de iluminação natural em abundância. Isso não é muito comum na maioria dos shoppings, onde os corredores são fechados e têm luz artificial. Então, a incidência de luz vai ser muito intensa, seja ela das aberturas verticais, ou das horizontais”, explica Doria.

Abundância de luz natural é conquistada com os "rasgos" em toda a extensão do shopping. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.
Abundância de luz natural é conquistada com os "rasgos" em toda a extensão do shopping. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo. | Leticia Akemi

Para Arthur Casas, no entanto, o grande destaque do prédio está na fachada, criada a partir de uma composição de painéis com cores terrosas, painéis de vidro e também de plástico leitoso. “O jardim criado em parceria com a paisagista Renata Tilli possui imensos espelhos d’água e se funde com as vias da cidade que também foram ampliadas e requalificadas pelo empreendimento”.

Fachada do Jockey Plaza Shopping equilibra materiais e elementos e evidencia a arquitetura contemporânea do espaço. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Fachada do Jockey Plaza Shopping equilibra materiais e elementos e evidencia a arquitetura contemporânea do espaço. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo | Leticia Akemi

De acordo com Doria, a plástica externa do espaço valorizou o comprimento do prédio e a magnitude da construção, mas sem invadir ou desequilibrar a paisagem local. “Apesar da grandiosidade, os elementos utilizados, as cores e os conjuntos de luz e sombra simplificam a volumetria externa, isso ficou muito agradável, principalmente com o paisagismo que foi feito na esquina, que deixa o prédio mais inserido na arquitetura urbana”.

Desafios construtivos

Com investimento de R$ 650 milhões, o Jockey Plaza levou cerca de seis anos para ser construído. Por seu tamanho e magnitude, o empreendimento apresentou alguns desafios construtivos aos responsáveis pelo projeto, para evitar que a construção se tornasse muito retangular, criando o aspecto de um grande galpão.

O planejamento dos corredores circulares, no formato de um “oito”, foi uma das soluções para quebrar esta sensação. “Desenvolvemos uma planta bem racional, com a quebra interna do desenho para trazer realmente essa ambientação diversificada e diferenciada”, diz Doria, complementando que, no entanto, o desenho ortogonal do shopping, com as linhas retas, tem a vantagem de facilitar o aproveitamento da área para as lojas, garagens e estrutura.

A planta do shopping foi pensada para que os corredores formassem o número "oito". Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
A planta do shopping foi pensada para que os corredores formassem o número "oito". Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo| Leticia Akemi

Para Casas, adaptar prazos e custos da obra foi outro desafio. “Para um escritório acostumado a projetar para a classe A, topo da pirâmide, [o desafio] foi se adequar ao budget. Foi um exercício de criatividade, mas também de pesquisa para encontrarmos materiais que tivessem qualidade, resistência e preço, afinal são mais de 200 mil metros quadrados“.

O Jockey Plaza Shopping fica na Avenida Victor Ferreira do Amaral 2.121, que dá acesso a entrada de pedestres. Além desta, dispõe de outros dois acessos principais, ambos pela Rua Konrad Adenauer 370.

Veja outras fotos do Jockey Plaza

Grandes aberturas na praça de alimentação permitem a visualização do hipódromo do Jockey Club. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Grandes aberturas na praça de alimentação permitem a visualização do hipódromo do Jockey Club. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo | Leticia Akemi
Mobiliário da área de alimentação tem design que busca favorecer a integração das pessoas. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Mobiliário da área de alimentação tem design que busca favorecer a integração das pessoas. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo| Leticia Akemi
Pontos para recarregar o celular foram distribuídos na Praça de alimentação. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Pontos para recarregar o celular foram distribuídos na Praça de alimentação. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo| Leticia Akemi
Detalhes do mobiliário na praça de alimentação. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo.
Detalhes do mobiliário na praça de alimentação. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo. | Leticia Akemi
Mobiliário das áreas de circulação. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Mobiliário das áreas de circulação. Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo| Leticia Akemi
Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo
Foto: Letícia Akemi / Gazeta do Povo| Leticia Akemi

LEIA TAMBÉM

Com 35 anos, shopping de Curitiba mantém vivo o patrimônio fabril na cidade

*Especial para Haus
Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]