Iphan vai priorizar cidades históricas da região Sul em 2019

Primeira novidade é que a cidade histórica de São Miguel das Missões será reconhecida como Patrimônio Cultural do Mercosul e vai receber obra de requalificação urbanística de R$ 3 milhões

Vista aérea de Porto Alegre, onde foi anunciada a campanha de valorização do Patrimônio Cultural da Região Sul. Foto: Iphan/Reprodução

por Luan Galani

07/02/2019

compartilhe

O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) lançou na manhã desta quinta-feira (7) em Porto Alegre a campanha Patrimônio Cultural do Sul: Turismo Cultural como ativo para o desenvolvimento das cidades históricas. O intuito é que em 2019 o Iphan e seus parceiros promovam uma série de ações no Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. No ano anterior tinha sido a vez do Nordeste.

A primeira novidade é que cidade histórica de São Miguel das Missões foi reconhecida como Patrimônio Cultural do Mercosul e, como tal, vai receber uma obra de requalificação urbanística com investimento aproximado de R$ 3 milhões.

Foto: Iphan/Reprodução

Outras ações já programadas são o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade, a maior festa do Patrimônio Cultural Brasileiro, que acontecerá em Porto Alegre, e o seminário internacional sobre potencial turístico do patrimônio cultural. Haverá também o 6º Encontro das Cidades Históricas, Turísticas e Patrimônio Mundial

Ao todo, a região Sul possui mais de 150 bens tombados individualmente e 13 conjuntos urbanos tombados pelo Iphan, além de quatro patrimônios imateriais registrados: a Tava, lugar de referência para a memória e a identidade do povo Guarani (RS), o Fandango Caiçara (PR), a Procissão do Senhor dos Passos (SC) e as Tradições Doceiras da Região de Pelotas e Antiga Pelotas (RS).

Além disso, a região possui cinco bens arqueológicos tombados: a Coleção Etnográfica, Arqueológica, Histórica e Artística do Museu Coronel David Carneiro (PR), Coleção Etnográfica, Arqueológica, Histórica e Artística do Museu Paranaense (PR), Remanescentes do Povo e Ruínas da Igreja de São Miguel (RS), a Coleção Arqueológica João Alfredo Rohr (SC) e a Ilha do Campeche: sítio arqueológico e paisagístico (SC).

LEIA TAMBÉM

Vácuo na lei e boom de empreendimentos de luxo ameaçam a ‘Toscana brasileira’

 

 

Receba nossas notícias por e-mail

Inscreva-se em nossas newsletters e leia em
seu e-mail os conteúdos de que você mais
gosta. É fácil e grátis.

Quero receber

8 recomendações para você