i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Museu do Centro de Curitiba vai ganhar café, nova cor e vidros com desenhos das antigas grades

  • PorVivian Faria*
  • 15/07/2019 05:00
Museu do Centro de Curitiba vai ganhar café, nova cor e vidros com desenhos das antigas grades
| Foto:

A tão aguardada reforma da sede do Museu de Arte Contemporânea do Paraná (MAC), que fica na esquina da rua Westphalen com a rua Emiliano Perneta, está a todo vapor. Iniciadas em maio, dois anos após o anúncio do projeto de restauro e oito meses após a transferência total do MAC para o Museu Oscar Niemeyer, as obras devem durar 18 meses e ficar prontas antes do fim de 2020, ano em que o museu comemora 50 anos.

O projeto propõe o restauro, a conservação e a atualização –  incluindo de aspectos de segurança e acessibilidade – de todo o complexo que compõe a sede, formado por quatro prédios: o edifício principal, de arquitetura eclética, construído em 1928 e tombado pelo patrimônio histórico do estado; uma Unidade de Interesse de Preservação (UIP) que fica atrás dele, na rua Emiliano Perneta; e dois anexos na rua Westphalen.

>>> Arquitetos propõem reabertura de rios canalizados de Curitiba

Reforma do Museu de Arte Contemporânea do PAraná (MAC PR).
Curitiba, 18 de junho de 2019.
Foto: Kraw Penas/SECC
Reforma do Museu de Arte Contemporânea do PAraná (MAC PR). Curitiba, 18 de junho de 2019. Foto: Kraw Penas/SECC

“No caso dos edifícios tombados, vamos tentar resgatar aquilo que é mais autêntico neles, do ponto de vista histórico, formal e estético”, explica o arquiteto responsável pelo projeto Márcio Inocentti. Isso significa que, além de passarem por reparos necessários devido ao desgaste pelo tempo, o prédio principal e a UIP passarão por alterações para que características autênticas e que agregam mais valor a eles sejam reconstituídas.

Uma delas diz respeito à cor dos prédios: “Fizemos uma prospecção para orientar a cor – e aqui acabou dando amarelo ocre, mas não temos ideia da tonalidade exata”, diz Inocentti. O processo consistiu na análise das camadas de tinta do edifício principal para chegar à mais antiga. Além disso, considerou-se que a proposta cromática de edifícios ecléticos inclui de três a quatro cores diferentes. Assim, será usado um tom que se aproxima do ocre combinado a tons de verde – e ao marrom das portas e janelas.

As grades que circundam o museu também serão substituídas por uma versão contemporânea do muro que havia ao redor do prédio quando ele foi inaugurado. Conforme o arquiteto, a divisa seguia as características do ecletismo e era composta por pilastras e gradis bastante rebuscados. “O que estamos propondo são as pilastras com fechamento em vidro e o jateamento do desenho do antigo gradil, de uma forma contemporânea”, conta ele. O objetivo é não criar a noção de falsa historicidade.

Museu do Centro de Curitiba vai ganhar café, nova cor e vidros com desenhos das antigas grades

Menor, mas mais espaçoso

Por dentro, as alterações devem ser mais sutis, já que os prédios foram bastante modificados com o passar dos anos. Fora a atualização completa do sistema hidráulico, elétrico, luminotécnico e de climatização, a reforma prevê a implantação de um elevador de carga e a abertura de um vão na parede lateral esquerda para ligação com a passarela de acessibilidade que virá do edifício anexo.

O anexo “dos fundos” passará apenas por revitalização. Por outro lado, o que fica em frente a esse – e ao lado direito do prédio principal, foi demolido e será reconstruído.  “Ele estava comprometido estruturalmente e também já não atendia o museu”, justifica Inocentti.

O novo prédio será em linguagem contemporânea, atenderá às normas de acessibilidade e será construído seguindo alinhamento do edifício principal do museu. Com isso – e com uma parede lateral de vidro, ele vai permitir uma melhor visualização do casarão da década de 1920.

O anexo vai abrigar, no térreo, um café e, nos outros andares, o setor de pesquisa e documentação do museu, assim como a reserva técnica. Embora o prédio seja menor em planta, ele terá quatro andares em vez de dois com pés-direitos altos. “Como ele vai ter quatro andares, o setor de pesquisa vai ficar mais bem acomodado”, afirma a diretora do museu, Ana Rocha. Com 22 mil pastas sobre artistas brasileiros e estrangeiros, o setor é constantemente visitado por pesquisadores de todo o país.

Museu do Centro de Curitiba vai ganhar café, nova cor e vidros com desenhos das antigas grades

Novos usos

Além de corrigir problemas como o desgaste natural do edifício, infiltrações e infestações de cupins, a reforma deve permitir que os espaços do museu tenham novos usos. Para o prédio principal, o plano é continuar com mostras do acervo, mas em diálogo com exposições de artistas contemporâneos convidados.

“Para a sala Theodoro de Bonna, que sempre foi voltada à ocupação de artistas contemporâneos, a ideia é continuar com isso, mas tentar elaborar um edital para receber obras que sejam construídas especificamente para cá, que são as obras site specific”, explica a diretora do museu.

Outra ideia é incluir peças, shows e atividades interdisciplinares na programação para atrair novos públicos. “Sabemos que o público que frequenta museus é pequeno. Então, vamos trazer os apreciadores de teatro, de dança, de música. E agora que vai ter o café também, a proposta é diversificar a programação, sempre em diálogo com o acervo”, planeja a diretora do museu. Até lá, o museu seguirá com suas atividades dentro do MON.

*Especial para a Gazeta do Povo.

LEIA TAMBÉM:

Abandonado, coreto polêmico de Curitiba imita antigos castelos feudais

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.