i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Novo refúgio de livros da Arte e Letra transforma casa abandonada no Batel

  • PorAléxia Saraiva
  • 18/09/2019 04:45
Rua Desembargador Motta, 2011: o novo endereço da Arte e Letra é o 4º na mesma quadra do Batel. Fotos: Albari Rosa/Gazeta do Povo
Rua Desembargador Motta, 2011: o novo endereço da Arte e Letra é o 4º na mesma quadra do Batel. Fotos: Albari Rosa/Gazeta do Povo| Foto: Gazeta do Povo

Livraria, café, editora e laboratório gráfico. É essa combinação de funções que forma o coração da Arte & Letra, criando uma artilharia em prol da literatura há quase duas décadas em Curitiba. Em agosto, seus fundadores, os irmãos Thiago e Frederico Tizzot, alcançaram uma façanha um tanto curiosa: abrir a quarta sede da Arte e Letra na mesma quadra.

A livraria — título pro forma para o empreendimento de várias faces — reabriu suas portas em agosto no número 2011 da Rua Desembargador Motta, no Batel, depois de ter passado pela Alameda Dom Pedro II e por dois endereços na Presidente Taunay. “Não era algo planejado, nós tivemos de sair da outra casa. E como estamos na região desde 2006, mudar para fora dessa área faria a gente demorar muito tempo para retomar o ritmo em que estava”, conta Thiago. “Então tentamos achar uma casa por aqui e por sorte achamos essa”.

Estantes de vergalhão com prateleiras de MDF e cores neutras, como o turquesa, formam a linguagem industrial do projeto.
Estantes de vergalhão com prateleiras de MDF e cores neutras, como o turquesa, formam a linguagem industrial do projeto.| Gazeta do Povo

O projeto, assinado pela arquiteta Larissa Costa de Araujo, deu vida ao espaço que antes funcionava como uma empresa de recursos humanos e que estava altamente deteriorado. A grande premissa é tornar os livros os grandes protagonistas do projeto e, por isso, todos os elementos são pensados como uma consequência deles. Isso é visível desde a fachada: a sala central da casa é dedicada à livraria, com janelas do chão ao teto que funcionam como uma grande vitrine.

"Vitrine" de livros revela, desde a fachada, onde é o coração da casa.
"Vitrine" de livros revela, desde a fachada, onde é o coração da casa.| Gazeta do Povo

“A ideia é mostrar que cada livro é uma obra de arte”, ressalta Larissa. “A gente quis aproveitar a ideia de que toda a produção dos livros é feita aqui, e para isso a gente usa materiais crus, com cara industrial — uma ideia que faz parte de todos os projetos da Arte & Letra”, conta a arquiteta, que assinou os projetos das quatro sedes, além da livraria na PUCPR e do café na Biblioteca Pública do Paraná, ambos inaugurados em 2018.

Para a linguagem industrial, Larissa apostou em estantes de vergalhão com prateleiras de MDF, cores neutras e iluminação cênica, com trilhos e spots. Em contraste, a arquiteta quebra a seriedade com elementos como o teto em madeira na área do café, o porcelanato que imita granilite, uma poltrona suspensa e plantas.

Mesas são distribuídas por todos os ambientes, sempre com visibilidade para todos os espaços.
Mesas são distribuídas por todos os ambientes, sempre com visibilidade para todos os espaços.| Gazeta do Povo

Os outros espaços se moldam a partir da livraria. O café fica em um ponto estratégico, com vista para os 50 lugares. As mesas são distribuídas em diversas salas diferentes, todas com permeabilidade para os livros — os azulejos hexagonais coloridos, por exemplo, criam caminhos para os visitantes chegarem até eles.

A ideia de permeabilidade também é uma constante. Uma das áreas dedicada às mesas também convidam quem está na rua a entrar. Internamente, uma janela se abre para a área do laboratório gráfico, permitindo que se veja a produção dos livros da editora.

Vidros e espaços abertos complementam a integração dos usos.
Vidros e espaços abertos complementam a integração dos usos. | Gazeta do Povo

“Tanto o conceito que a loja tem hoje quanto seu projeto arquitetônico foi sendo construído ao longo dos endereços: cada vez ajustamos algum ponto”, relata Thiago. “Desde a primeira loja, a gente quer que os móveis apareçam o menos possível. A ideia é deixar o espaço físico mais neutro, porque o colorido vai vir dos livros. Mesmo assim, essa suposta neutralidade chama muito a atenção”.

No total, o espaço tem 80m² de loja e 230m² de área total. O projeto foi realizado em quatro meses, de abril até agosto.

Confira abaixo a linha do tempo da Arte & Letra em Curitiba:

LEIA MAIS

Seis hotéis com decoração inspirada no mundo da literatura

Quando cidade e literatura se cruzam. Conheça Curitiba pela ótica de 4 escritores locais

6 livros que transformam cidades em personagens principais

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.