Projeto pretende recuperar imóveis históricos do centro de Curitiba; veja quais

"Rosto da Cidade" prevê a recuperação dos edifícios públicos do Setor Histórico, além de ações voltadas à segurança, iluminação e acessibilidade

Foto: Letícia Akemi/Gazeta do Povo

por Sharon Abdalla

11/07/2018

compartilhe

A recuperação e revitalização da região central de Curitiba é tema recorrente na pauta da administração pública, dos empresários e dos curitibanos que há tempos veem a área sofrer com a insegurança, a degradação dos imóveis históricos e a subutilização dos espaços. Da mesma forma que os problemas, as iniciativas que visam dar nova vida ao centro são constantes, sendo a mais recente delas o programa “Rosto da Cidade”, que a prefeitura municipal pretende tocar a partir do próximo mês de agosto.

O projeto engloba uma área de 2 km² na região central e envolve ações relacionadas ao despiche, à segurança pública e à recuperação dos edifícios históricos localizados no perímetro. Para isso, ele foi dividido em cinco etapas, sendo a primeira delas a pintura de 14 prédios históricos públicos (veja no infográfico abaixo quais são eles).

Solar dos Guimarães, que abriga o Conservatório de MPB, é um dos edifícios que será contemplado pelo projeto.

Segundo o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba (Ippuc), a segunda compreende os espaços entre o Largo da Ordem e a Rua São Francisco e a terceira envolve as Praças Tiradentes, Borges de Macedo e Generoso Marques. A quarta fase será realizada no eixo entre as ruas Barão do Rio Branco e Riachuelo, enquanto a quinta e última etapa terá como foco a Rua Trajano Reis, desde o Setor Histórico até a Praça do Gaúcho.

LEIA MAIS

>>> Abandonado e destruído por incêndio, módulo policial no Água Verde vai virar café descolado

>>> Igreja “flutua” a 31 metros do chão para ser preservada em mega obra de hotel e shopping em SP

O investimento para a realização das ações previstas pelo município gira em torno de R$ 4,8 milhões e, além da recuperação dos imóveis, envolve a execução de planos de iluminação pública, segurança, mobilidade e acessibilidade. O município ainda estuda a realização de parcerias público-privadas e a oferta de incentivos aos proprietários dos imóveis e aos empresários da região para que eles também colaborem com o projeto.

No que se refere ao Setor Histórico, a criação da Comissão do Centro Histórico, no início deste ano, já representou um passo neste sentido. Presidido pelo prefeito Rafael Greca, o grupo já apresentava a intenção de realizar ações referentes à segurança, iluminação, cultura, serviços e gastronomia, com o objetivo de trazer “animação para o Centro Histórico de Curitiba”, como destacou, naquela ocasião, o prefeito Rafael Greca.

LEIA TAMBÉM

8 recomendações para você