i

O Sua Leitura indica o quanto você está informado sobre um determinado assunto de acordo com a profundidade e contextualização dos conteúdos que você lê. Nosso time de editores credita 20, 40, 60, 80 ou 100 pontos a cada conteúdo – aqueles que mais ajudam na compreensão do momento do país recebem mais pontos. Ao longo do tempo, essa pontuação vai sendo reduzida, já que conteúdos mais novos tendem a ser também mais relevantes na compreensão do noticiário. Assim, a sua pontuação nesse sistema é dinâmica: aumenta quando você lê e diminui quando você deixa de se informar. Neste momento a pontuação está sendo feita somente em conteúdos relacionados ao governo federal.

Fechar
A matéria que você está lendo agora+0
Informação faz parte do exercício da cidadania. Aqui você vê quanto está bem informado sobre o que acontece no governo federal.
Que tal saber mais sobre esse assunto?

Por que a UFRJ recusou R$ 300 milhões para reforma do Museu Nacional

  • PorHAUS*
  • 18/04/2019 15:00
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil| Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil

Destruído pelo fogo, o Museu Nacional já recebeu uma oferta milionária do Banco Mundial para reforma e modernização de sua estrutura. Essa história só veio à tona porque o dono dela diz estar revoltado com o descaso que culminou na destruição de 90% do acervo da instituição no incêndio de 2 de setembro de 2018, que está sob apuração da Polícia Federal.

Israel Klabin, 91, ex-presidente do grupo Klabin (papel e celulose), foi quem conseguiu o cheque de US$ 80 milhões do Banco Mundial para financiar a reforma do museu em meados dos anos 1990. Na cotação atual, o valor seria o equivalente a R$ 332 milhões.

Desde o incêndio que atingiu suas instalações em setembro do ano passado, o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, recebeu cerca de R$ 1,1 milhão em doações. A título de comparação, foram prometidos mais de R$ 3 bilhões em dois dias para a reconstrução da Catedral Notre-Dame, na França, que pegou fogo na segunda-feira (15).

Foto: Mauro Pimentel/AFP
Foto: Mauro Pimentel/AFP| AFP

>>> Conheça a história do prédio que abriga o Museu Nacional e quanto vai custar seu restauro

Klabin disse à reportagem do Journal Brazil que chegou a trabalhar no pré-projeto que seria apresentado à instituição financeira para o recurso ser liberado. No entanto, o dinheiro nunca saiu do papel por um veto da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), a responsável pela gestão da instituição museológica.

Segundo Klabin, o Banco Mundial impôs uma condição para autorizar o recurso: a UFRJ teria de entregar a administração do museu, que passaria a ser uma organização social.

Na prática, o museu se tornaria uma associação privada sem fins lucrativos que presta serviços de interesse público. “Os professores e membros influentes da UFRJ foram contra”, disse o empresário.

Foto: Tânia Rego/Agência Brasil
Foto: Tânia Rego/Agência Brasil| Agência Brasil

A UFRJ foi procurada pela Folha de S.Paulo, mas, até esta publicação, não havia se manifestado sobre as declarações de Israel Klabin.

O empresário tinha trânsito com o então presidente do Banco Mundial, James Wolfensohn, também seu amigo, e com o setor público – Klabin foi prefeito do Rio entre 1979 e 1980.

O empenho de Klabin em reformar o palácio tinha também um motivo mais de ordem afetiva. Foi na então Universidade do Brasil, hoje conhecida como UFRJ, que o executivo cursou engenharia civil e matemática.

Pelos entraves que barraram a reforma, e, agora, com o incêndio que destruiu o museu, o executivo disse ao Brazil Journal que está com raiva do Brasil.

“Sabe o que vai acontecer agora? Vai acontecer a mesma coisa com o Jardim Botânico, com a Biblioteca Nacional e várias outras instituições herdadas por um governo incapaz e ineficiente. Estamos vivendo em um estado cartorial. O Brasil inteiro nas mãos de governos ineficientes cuja gestão é sempre politizada.”

>>> Banheiro de Kim Kardashian viraliza pela pia mágica

A firefighter stands at the entrance of Rio de Janeiro's treasured National Museum, one of Brazil's oldest, on September 3, 2018 a day after a massive fire ripped through the building. - The majestic edifice stood engulfed in flames as plumes of smoke shot into the night sky, while firefighters battled to control the blaze that erupted around 2230 GMT. Five hours later they had managed to smother much of the inferno that had torn through hundreds of rooms, but were still working to extinguish it completely, according to an AFP photographer at the scene. (Photo by Carl DE SOUZA / AFP)
A firefighter stands at the entrance of Rio de Janeiro's treasured National Museum, one of Brazil's oldest, on September 3, 2018 a day after a massive fire ripped through the building. - The majestic edifice stood engulfed in flames as plumes of smoke shot into the night sky, while firefighters battled to control the blaze that erupted around 2230 GMT. Five hours later they had managed to smother much of the inferno that had torn through hundreds of rooms, but were still working to extinguish it completely, according to an AFP photographer at the scene. (Photo by Carl DE SOUZA / AFP)| AFP

*Matéria publicada originalmente dia 04/09/2018. Com Folhapress.

LEIA TAMBÉM

França vai lançar concurso internacional para novo pináculo de Notre-Dame

 

Deixe sua opinião
Use este espaço apenas para a comunicação de erros
Máximo de 700 caracteres [0]

Receba Nossas Notícias

Receba nossas newsletters

Ao se cadastrar em nossas newsletters, você concorda com os nossos Termos de Uso.

Receba nossas notícias no celular

WhatsApp: As regras de privacidade dos grupos são definidas pelo WhatsApp. Ao entrar, seu número pode ser visto por outros integrantes do grupo.

Comentários [ 0 ]

O conteúdo do comentário é de responsabilidade do autor da mensagem. Consulte a nossa página de Dúvidas Frequentes e Política de Privacidade.